Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Dirigente trabalhista do Reino Unido rejeita a moção anti-Israel aprovada por seu partido

A secretária de Relações Exteriores do Trabalho, Lisa Nandy, fala no palco no terceiro dia da conferência anual do Partido Trabalhista em Brighton, na costa sul da Inglaterra, em 27 de setembro de 2021 [Justin Tallis/AFP via Getty Images]

A secretária de Relações Exteriores do Trabalhismo, Lisa Nandy, rejeitou uma moção pedindo sanções contra Israel, porque a prática do crime de apartheid não era “abrangente” ou “equilibrada” e a liderança não iria apoiá-lo.

A moção, votada ontem na Conferência do Partido Trabalhista, pedia sanções ao Estado de Israel e exigia que parasse de construir assentamentos ilegais, acabasse com a ocupação da Cisjordânia e com o bloqueio de Gaza e revertesse a anexação de terras palestinas. Recebeu apoio esmagador de filiais locais do Partido Trabalhista e sindicalistas e foi aprovada na conferência anual do Trabalhismo em Brighton, entretanto foi considerada desequilibrado e incompreensível e rejeitado pela liderança.

Nandy, no entanto, afirmou que a política trabalhista era condenar o uso inaceitável de violência contra civis em “todos os lados”.

LEIA: Liberais democratas do Reino Unido votam para permitir viagens sem visto para palestinos

“Só pode haver uma paz duradoura através de um Israel seguro e protegido, existindo ao lado de um Estado palestino soberano e viável. Portanto, não podemos apoiar esta moção. Ela não aborda as questões do conflito israelense-palestino de uma forma abrangente ou equilibrada.”

No entanto, apesar de declarar a rejeição da liderança a essa moção, ela disse: “Não haverá uma paz justa e duradoura até que a ocupação seja encerrada definitivamente e tanto os palestinos quanto os israelenses desfrutem de segurança, dignidade e direitos humanos. Condenamos todas as ações que estão tornando essa meta mais difícil”.

O presidente do Partido Trabalhista de Israel, Steve McCabe, declarou no Twitter que “ainda há muitos no partido que permanecem obcecados doentiamente por Israel”. Acrescentando que “esta moção é completamente inaceitável, grosseiramente imprecisa e moralmente repugnante […] e propaga a difamação do apartheid” contra Israel.

Isso ocorre após a tentativa fracassada do líder trabalhista, Keir Starmer, de reescrever as regras para eleger o líder do partido, o que removeria o atual “um membro um voto” e o devolveria ao sistema anterior de “colégio eleitoral”, que veria o pequeno número de deputados trabalhistas desfrutando de um terço dos votos em comparação com os milhares de membros leigos, que também receberiam apenas um terço dos votos.

Isso foi visto como uma tentativa de “manter a esquerda de fora” e evitar que parlamentares considerados “radicais”, como o ex-líder trabalhista Jeremy Corbyn, ganhassem a liderança.

Leia o texto completo da moção da Conferência do Trabalho sobre Israel:

A conferência condena a prática de Nakba na Palestina, a violência militarizada de Israel no ataque à mesquita de Al-Aqsa, os deslocamentos forçados de Sheikh Jarrah e o ataque mortal à Gaza.

Junto com a anexação de fato da terra palestina pela construção acelerada de assentamentos e as declarações de intenção de Israel de prosseguir com a anexação, está cada vez mais claro que Israel pretende eliminar qualquer perspectiva de autodeterminação palestina.

A Conferência observa a moção do Congresso TUC 2020 descrevendo tal construção de assentamentos e anexação como ‘outro passo significativo’ em direção ao Crime de Apartheid da ONU, e apelando ao movimento sindical europeu e internacional para se juntar à campanha internacional para frear a anexação e acabar com o apartheid.

A conferência também observa os relatórios inequívocos de 2021 do B’Tselem e da Human Rights Watch que concluem que Israel está praticando o crime de apartheid, conforme definido pela ONU.

A Conferência saúda a decisão do Tribunal Penal Internacional de realizar uma investigação sobre os abusos cometidos no Território Palestino ocupado desde 2014.

A Conferência resolve que a ação é necessária agora devido às contínuas ações ilegais de Israel e que o Partido Trabalhista deve aderir a uma política ética em todo o comércio do Reino Unido com Israel, incluindo a interrupção de qualquer comércio de armas usadas para violar os direitos humanos palestinos e comércio com assentamentos israelenses ilegais.

A Conferência resolve apoiar “medidas eficazes”, incluindo sanções, conforme solicitado pela sociedade civil palestina, contra ações do governo israelense, que são ilegais de acordo com o direito internacional; em particular, para garantir que Israel interrompa a construção de assentamentos, reverta qualquer anexação, acabe com a ocupação da Cisjordânia, o bloqueio de Gaza, derrube o Muro e respeite o direito do povo palestino, consagrado no direito internacional, de retornar para suas casas.

A Conferência resolve renovar a promessa de reconhecer o Estado da Palestina imediatamente após (o partido) ser eleito para o governo.

A Conferência resolve que o Partido Trabalhista deve estar do lado certo da história e cumprir essas resoluções em sua política, comunicação e estratégia.

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments