Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

HRW acusa programa de ONU de encobrir violações no Egito

Achim Steiner, administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, na capital do Sudão, Cartum, durante a visita ao país, em 29 de janeiro de 2020. [Ashraf Shazly/ AFP via Getty Images]

A organização de direitos humanos Human Rights Watch criticou fortemente um comunicado de imprensa emitido pelo escritório do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas do Egito, que elogia o presidente egípcio, Abdel Al-Sisi.

O administrador do PNUD, Achim Steiner, parabenizou o Egito por manter um crescimento econômico positivo em meio à pandemia por meio da implementação de reformas protegidas ousadas.

De acordo com seu comunicado, houve uma melhoria nas condições das prisões e o Egito tem trabalhado para fortalecer os mecanismos de responsabilização.

No entanto, o número de prisioneiros que cometem suicídio ou tentam suicídio tem aumentado em uma taxa alarmante à medida que se tornam cada vez mais infelizes com as condições de seu encarceramento.

LEIA: LEIA: Estudante de medicina pula de prédio; taxa de suicídio aumenta no Egito

Apenas neste mês, o proeminente ativista egípcio Alaa Abdelfattah divulgou mensagem por meio de seu advogado que dediciu suicidar-se depois de passar dois anos em prisão preventiva, o que levou à deterioração de sua saúde mental.

Poucas investigações importantes, se é que houve alguma, foram realizadas sobre as práticas de tortura ou prisões injustas denunciadas por detidos ou suas .

A questão da negação de atendimento médico a presos políticos como medida punitiva ainda é generalizada. No fim de semana passado, Salama Barakat, 42, tornou-se o 34º detido político a morrer nas prisões do Egito em 2021, depois que lhe foi negado atendimento médico.

A Organização Árabe para os Direitos Humanos no Reino Unido disse que superlotação, desnutrição, deficiência e falta de higiene, incluindo infestações de insetos, são o que os prisioneiros têm de viver na prisão.

O PNUD Egito também faz comentários positivos sobre a Lei 149/2019 sobre ONGs, que controla suas atividades, supervisão e financiamento.

LEIA: HRW demanda mecanismo internacional para monitorar abusos no Egito

Categorias
ÁfricaEgitoHRWNotíciaONUOrganizações Internacionais
Show Comments
Show Comments