Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘Israel e a empresa sionista nasceram em pecado’, diz o herdeiro de uma família sionista icônica

Yaakov Sharett [Youtube]

Em uma conversão política notável, Yaakov Sharett, herdeiro de uma família sionista icônica e filho do segundo primeiro-ministro de Israel, Moshe Sharett, deu as costas à ideologia fundadora do estado de ocupação.

“O Estado de Israel e a empresa sionista nasceram em pecado”, disse Sharett em uma entrevista ao Haaretz. O homem, de 95 anos, falou longamente sobre sua jornada de um servo fiel do sionismo no estado de Israel a um de seus críticos mais severos.

Sharett nasceu em 1927 e dizem que pertence a uma família bem relacionada da nata dos Yishuv, a comunidade judaica na Palestina. Seu pai foi o primeiro ministro das Relações Exteriores de Israel e um dos líderes do país que assinou a Declaração da Independência em 1948. Sharett também serviu devidamente a Israel como membro do Shin Bet, a agência de segurança do país, e ajudou os judeus soviéticos a fugir para Israel.

Terminando seus dias em Tel Aviv como um antissionista, Sharett prevê dias sombrios para o país ao qual passou quase toda a sua vida servindo. “Este pecado original nos persegue, nos perseguirá e pairará sobre nós”, disse Sharett referindo-se à limpeza étnica da Palestina antes da criação de Israel em 1948. Mais da metade da comunidade indígena foi expulsa em uma tentativa de construir artificialmente uma maioria judaica.

LEIA: ONU, Palestina e o apartheid colonial do século XXI

Sou um colaborador forçado de um país criminoso. Estou aqui, não tenho para onde ir. Por causa da minha idade, não posso ir a lugar nenhum. E isso me incomoda. Todos os dias. Esse reconhecimento não vai me deixar. O reconhecimento de que, no final das contas, Israel é um país que ocupa e maltrata outro povo.

Sharett também protestou contra a virada de Israel para o fundamentalismo religioso e o ultranacionalismo. “Quando vejo o primeiro-ministro com uma kipah na cabeça, não me sinto bem”, acrescentou. “Este não é o Israel que eu quero ver. Como é que esse novo lugar, que deveria ter trazido inovações, se tornou o lugar mais negro, controlado pelos ultraortodoxos nacionalistas? Como é que aqui, de todos os lugares, há reacionismo e fanatismo, messianismo, o desejo de expandir e controlar outro povo?”

LEIA: Agonia e resistência de Lifta – Um patrimônio histórico e antropológico palestino ameaçado de destruição

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments