Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Após a retirada do Afeganistão, EUA enfrentam desconfiança de seus aliados

Combatentes do Talibã no topo de veículos Humvee desfilam ao longo de uma estrada para comemorar a retirada das tropas americanas do Afeganistão, em Kandahar, em 1º de setembro de 2021, após o Aquisição militar do país pelos Talibãs. [Javed Tanveer/ AFP via Getty Images]

O mundo assistiu quando o Talibã varria o Afeganistão e tomava a capital Cabul, e o anúncio da facção de um governo interino em 7 de setembro foi mais uma prova da retirada militar falha dos Estados Unidos.

De fato, muitos parceiros e aliados dos EUA que tradicionalmente contam com o apoio militar e de segurança dos EUA podem se sentir desconfortáveis ​​e perceber que o apoio dos EUA nem sempre é garantido.

Com a percepção da perda de influência global dos Estados Unidos, alguns de seus aliados podem buscar apoio em outro lugar, até mesmo forjando novas alianças fora da hegemonia tradicional de Washington. Enquanto isso, o domínio crescente da China e da Rússia no Oriente Médio e áreas vizinhas pode se acelerar, à medida que ambas as superpotências procuram preencher o vácuo cada vez maior que Washington está deixando.

Em relação à retirada dos EUA do Afeganistão, um parceiro americano que pode enfrentar consequências imediatas é o Paquistão. Washington freqüentemente pressionou o Paquistão a fazer mais para mediar um acordo de paz entre o Talibã e o agora deslocado governo afegão, apesar da afirmação de Islamabad de que esgotou sua influência sobre o Talibã. Evidentemente, uma divisão estava aumentando antes da retirada total de Washington.

LEIA: Ameaça terrorista vem do Iêmen e Iraque, não do Afeganistão, alega CIA

Além disso, embora a Otan tenha declarado que o Paquistão tem uma “responsabilidade especial” de garantir que o Talibã cumpra seus compromissos internacionais, a ministra dos Direitos Humanos do Paquistão, Shireen Mazari, respondeu que seu país “não aceitaria mais ser bode expiatório pelos fracassos de outros”.

Com a deterioração do sentimento entre os EUA e o Paquistão em relação ao futuro político do Afeganistão, Islamabad pode se sentir ainda mais alienada por Washington, servindo como um exemplo de advertência de como os aliados da América podem se sentir abandonados.

Mudança do equilíbrio de poder no Oriente Médio

Embora os vizinhos do Afeganistão possam se sentir vulneráveis, o declínio da influência de Washington no Oriente Médio pode forçar seus aliados regionais a reavaliar suas posições. Os EUA já planejaram se retirar do Iraque até o final de 2021. Embora os Estados Unidos tenham apoiado o atual governo iraquiano, Bagdá também pode se sentir exposta, caso Washington deixe de aprender as lições de sua retirada do Afeganistão.

Mais crucial para Washington, suas relações com seus aliados do Golfo, como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos), podem fracassar, especialmente se eles continuarem a perceber as políticas dos EUA como não confiáveis ​​ou mesmo perigosas.

Os Emirados Árabes Unidos há muito estão preparados para se afastar da esfera de influência de Washington. Isso é indicado por sua reaproximação com o Irã desde o início de 2020, devido às suas próprias preocupações com a segurança após a escalada do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em relação a Teerã. Outro caso disso é a virada  de Abu Dhabi em direção à China e à Rússia, após a expansão de ambas as potências no Oriente Médio, em meio à influência cada vez menor de Washington. Até mesmo a Arábia Saudita se mostrou receptiva a Moscou e Pequim, à medida que eles expandiram seu próprio domínio no Golfo.

LEIA: Vinte anos depois, as torres gêmeas continuam a desabar

Além disso, as recentes tentativas de Abu Dhabi de consertar os laços com a Turquia podem ser outra consequência dos estados que buscam deixar de depender do apoio dos EUA, pelo menos em parte. Não é por acaso que o governante de facto dos Emirados e o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammad Bin Zayed, ligou para o presidente turco Recep Tayyip Erdogan em 31 de agosto, após a agitação no Afeganistão, que os observadores consideraram um passo positivo nas relações de ambos os países.

Uma indicação tão clara do declínio da influência dos EUA e das preocupações sobre sua capacidade de agir como fiador da segurança mundial levou Abu Dhabi a adotar uma postura mais conciliatória em relação a Ancara. A Turquia foi indiscutivelmente receptiva aos investimentos dos Emirados antes da reaproximação, então foi em grande parte a própria iniciativa e posição pragmática de Abu Dhabi que a levou a buscar uma comunicação mais amigável com Ancara.

A reaproximação da Turquia e dos Emirados Árabes Unidos pode ser um microcosmo de como diferentes países podem fazer a paz com suas próprias mãos. Na verdade, como Ancara e Abu Dhabi expressaram o desejo de aumentar os investimentos bilaterais e os laços econômicos, tais relações poderiam permitir que eles alcancem um terreno comum em áreas como a Líbia e a Síria, sobre as quais enfrentaram tensões anteriormente e onde Washington lutou para conseguir. afirmar a liderança.

Uma ruptura dentro da OTAN?

Até a OTAN pode enfrentar rupturas internas após o desmoronamento do Afeganistão. Afinal, muitos dos aliados da OTAN de Washington sentiram que a administração de Joe Biden não colaborou bem com seus aliados no que diz respeito aos planos de retirada. Um exemplo importante é como os Estados europeus pediram a Washington para estender sua retirada planejada para 31 de agosto, o que lhes daria mais tempo para evacuar seus cidadãos.

No entanto, os EUA recusaram e deram continuidade aos seus planos iniciais. Washington e seus aliados europeus na OTAN poderiam de fato experimentar uma divisão maior. E se a discórdia dentro da OTAN se desenvolver ainda mais, isso seria um benefício considerável para a Rússia, já que muitas vezes ela tentou explorar áreas onde a OTAN parece estar dividida. Entre eles está a Líbia, onde a Rússia tem procurado expandir sua influência no “quintal” da Europa.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments