Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Porta-voz do Talibã alerta sobre data de saída de forças estrangeiras em 31 de agosto

O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, em Cabul, Afeganistão, em 17 de agosto de 2021 [Sayed Khodaiberdi Sadat/Agência Anadolu]

Um porta-voz do Talibã alertou na segunda-feira sobre as “consequências” se as forças estrangeiras permanecerem no país depois de 31 de agosto, chamando a data há pouco mais de uma semana de “linha vermelha”, informou a Agência Anadolu.

“É uma linha vermelha”, disse Suhail Shaheen à Sky News em Doha, no Catar. “O presidente Biden anunciou que, em 31 de agosto, retiraria todas as suas forças militares. Portanto, se eles estendem isso, significa que estão estendendo a ocupação enquanto não há necessidade disso.”

“Se os EUA ou o Reino Unido buscassem mais tempo para continuar as evacuações – a resposta é não. Ou haverá consequências”, alertou.

“Isso vai gerar desconfiança entre nós. Se eles pretendem continuar com a ocupação, isso vai provocar uma reação”, alertou.

O presidente norte-americano, Joe Biden, disse no domingo que os EUA estão considerando estender o prazo, prometendo que qualquer americano que quiser deixar o Afeganistão será evacuado.

‘Migração devido à economia, não ao Talibã’

Questionado sobre as cenas no aeroporto de Cabul, com os afegãos desesperados para fugir do país depois que o Talibã assumiu o controle, Shaheen insistiu que não era o medo do Talibã conduzindo-os, mas a migração econômica.

“Garanto que não se trata de ficar preocupado ou com medo”, disse ele, embora a corrida só tenha começado quando a vitória do Talibã parecia iminente.

“Eles querem residir em países ocidentais e isso é uma espécie de migração econômica, porque o Afeganistão é um país pobre e 70% da população do Afeganistão vive abaixo da linha da pobreza, então todos querem se reinstalar em países ocidentais para ter uma vida próspera. Não se trata de estar com medo.”

Shaheen também rejeitou os relatórios do Talibã ameaçando ex-funcionários do governo e fechando escolas para meninas como “notícias falsas”.

LEIA: Chanceler da Turquia nega planos de centro para refugiados afegãos

“Posso garantir que há muitos relatos de nossos oponentes alegando o que não é baseado na realidade”, disse ele.

Especificamente sobre a questão dos direitos das mulheres – uma questão que muitos no Ocidente enfatizaram, dado o histórico do Taleban sobre o assunto – Shaheen disse: “Eles não perderão nada.”

“Somente se eles não tiverem hijab, eles terão um hijab […] as mulheres são obrigadas a ter os mesmos direitos que vocês têm em seu país, mas com um hijab”, acrescentou.

Shaheen continuou: “Agora, as professoras retomaram o trabalho. Não perderam nada. Jornalistas, elas retomaram o trabalho. Não perderam nada”.

Questionado sobre o que diriam às famílias de soldados estrangeiros que morreram lutando no Afeganistão, Shaheen disse: “Eles ocuparam nosso país. Se ocuparmos seu país, o que você dirá para mim? E se eu matar seu povo em seu país, o que você dirá?”.

“Acho que todas as pessoas sofreram muito. Derramamento de sangue. Destruição. Tudo. Mas dizemos que o passado é passado. Parte de nossa história passada. Agora queremos nos concentrar no futuro.”

LEIA: Grécia conclui muro de separação na fronteira com a Turquia

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaNotíciaReino Unido
Show Comments
Show Comments