Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Empresa de tradução da Tunísia é questionada após ‘produzir conteúdo antinormalização’

Ex-alto funcionário palestino do Fatah Mohammed Dahlan, em 16 de setembro de 2015 [STR/AFP/Getty Images]

Uma empresa tunisiana de produção de conteúdo digital teve seus escritórios invadidos por agentes de segurança disfarçados, seus computadores confiscados e viu sua equipe ser forçada a comparecer a escritórios de segurança por três dias consecutivos sem recorrer a seus advogados, disse um comunicado.

Instalingo disse que foi investigado por uma semana e seu pessoal foi obrigado a comparecer às agências de segurança por dez horas, três dias seguidos, mas “a pesquisa terminou em nada”.

“Eles não encontraram nada que pudesse condenar a empresa ou qualquer um de seus funcionários, conforme declarado na acusação, que não foi apresentada até sexta-feira à noite para incriminar vários funcionários da empresa em acusações como lavagem de dinheiro, conspiração contra a segurança do Estado e outros modelos prontos”, disse um comunicado de Haythem Kehili, que fundou a agência.

LEIA: Fatah afirma não haver chances de reconciliação com Dahlan

“Durante mais de uma semana, mais de 60 atuais e ex-funcionários da empresa foram intimados e interrogados, sem apresentação de citação oficial e sem permitir a presença de qualquer advogado, apesar de a empresa disponibilizar advogados qualificados”, explicou.

“O verdadeiro choque vem quando encontramos perguntas sendo feitas a funcionários da empresa, jornalistas e outros, sobre o Sr. Mohammed Dahlan e a presença de conteúdo produzido por nossa empresa para organizações de mídia árabes, que inclui um ataque a uma pessoa, o conselheiro dos Emirados. Mohammed Dahlan é conhecido como o padrinho do projeto de normalização com a entidade israelense.”

Estou falando aqui claramente sobre partidos estrangeiros usando o aparelho de Estado tunisiano, fora do quadro da lei, para se vingar de uma organização de mídia tunisiana que produziu conteúdo contra o projeto de normalização e seu proprietário, Mohammed Dahlan.

“O que é mais perigoso é que fez o que fez sob o pretexto de defender o presidente da República da Tunísia.”

A empresa emprega mais de 90 pessoas que trabalham com organizações de mídia internacionais, continua a declaração, acrescentando: “Nossa empresa trabalha com um alto nível de transparência e disciplina em relação às regras de boas práticas”.

“Mais de 3 meses de escuta telefônica, perseguições secretas, invasões e investigações fora da estrutura da lei não levaram a nada.”

Instalingo disse que mantém “a presidência da República da Tunísia totalmente responsável pela segurança física de todos os colaboradores da empresa e de suas respectivas famílias”.

Um número crescente de países na região MENA está normalizando os laços com Israel [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Categorias
ÁfricaEmirados Árabes UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments