Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Chanceler israelense propõe plano ‘economia por segurança’ para Gaza

Ministro de Relações Exteriores de Israel Yair Lapid em 11 de agosto de 2021 [Jalal Morchidi/Agência Anadolu]

O Ministro de Relações Exteriores de Israel Yair Lapid propôs ontem (12) um plano doméstico para derrotar o movimento de resistência palestina Hamas e seu governo estabelecido na Faixa de Gaza sitiada, com base em supostas melhorias econômicas.

Durante uma conferência sobre contraterrorismo, alegou Lapid: “Temos de dar início a um grande processo, de anos e anos, de economia em troca de segurança”.

Segundo o chanceler, reocupar Gaza ou manter os sucessivos bombardeios não é a melhor maneira de abordar a questão, pois é preciso neutralizar o Hamas e outros grupos de resistência por meio de um plano “economia por segurança”.

“São ambas opções ruins”, argumentou. “E essa é uma realidade que não podemos aceitar”.

Lapid reiterou, no entanto, que Tel Aviv não deve engajar-se diretamente com o Hamas.

“Israel não conversa com terroristas que querem nos destruir”, insistiu o ministro. “Temos de dizer aos palestinos a toda oportunidade: o Hamas os arrasta à ruína. Ninguém virá investir em uma base de lançamento do Hamas, sob ataques regulares de Israel”.

LEIA: Israel ataca Gaza em resposta a foguetes ligados à fuga de Gilboa

“Nossa posição de força nos permite iniciar o processo ao invés de aguardar a próxima rodada”, prosseguiu Lapid, ao prometer novamente a soltura de soldados israelenses mantidos como prisioneiros de guerra pela resistência palestina em Gaza.

O plano, observou o chanceler, consiste em duas partes: a primeira relacionada à melhora das condições humanitárias na região, ao passo que a comunidade internacional deve garantir o desarmamento do Hamas e o fim do tráfico de armas e recursos.

“O sistema elétrico será reparado, haverá fornecimento de gás, uma usina de dessalinização será construída, faremos melhorias substanciais no sistema de saúde e permitiremos a reconstrução de casas e infraestrutura de transporte”, prometeu Lapid.

“Em troca, o Hamas terá de se comprometer com uma paz de longo prazo”, enfatizou.

Segundo a proposta, a Autoridade Palestina (AP) controlará as travessias de Gaza, exceto Rafah, sob gestão egípcia, de modo que o Cairo será fundamental ao processo. Após resultados duradouros, Israel dará a Gaza sua independência de energia, alegou.

Caso bem sucedido o primeiro estágio, a segunda parte do plano será focada em reformas econômicas em Gaza, construção de uma ilha portuária artificial ao longo da costa mediterrânea e ligações de transporte com a Cisjordânia ocupada.

Sem direitos humanos em Gaza [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Segundo o jornal israelense The Jerusalem Post, a ideia é promover a cooperação econômica entre Israel, Egito e Autoridade Palestina, incluindo ao instalar zonas industriais perto da travessia de Erez, por meio de investimentos dos Estados Unidos, União Europeia, Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial e Emirados Árabes Unidos.

De acordo com Lapid, o plano deverá fortalecer e consolidar a Autoridade Palestina, então responsável pela administração civil da Faixa de Gaza.

O chanceler afirmou ainda ter discutido a proposta com líderes do Egito e de governos do Golfo, além do Secretário de Estado dos Estados Unidos Antony Blinken, do Ministro de Relações Exteriores da Rússia Sergey Lavrov e representantes da União Europeia.

“Em Gaza, podemos e devemos agir agora”, concluiu o ministro e próximo premiê.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments