Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ex-funcionários acusam a BBC de ignorar os pedidos de ajuda enquanto as violações da imprensa aumentam no Afeganistão

Uma visão geral fora dos estúdios da BBC, em 27 de maio de 2021 na Inglaterra [Nathan Stirk/Getty Images]

Quatorze apresentadores, repórteres e produtores afegãos que trabalham para a BBC no Afeganistão tiveram seus pedidos de ajuda ignorados pela corporação e pela embaixada do Reino Unido em Cabul.

The Guardian relatou que a BBC disse que está ajudando 171 funcionários e suas famílias, mas não pode ajudar os ex-funcionários ou familiares de funcionários da BBC devido à capacidade limitada.

Um dos ex-funcionários entrevistou membros do Talibã e outro apresentou um talk show da BBC apoiado pela embaixada.

Um deles foi acusado pelo Talibã de trabalhar para o governo britânico e apoiar “a invasão infiel” ao Afeganistão.

“Infelizmente, fomos abandonados pela BBC“, disse ele. “Estou sob ameaça, eu e minha família. A BBC tem uma responsabilidade moral para conosco, estamos em perigo porque trabalhamos para a BBC.”

Os 14 ex-funcionários também pediram ao governo que salve suas vidas.

No início de agosto, o Sindicato Nacional de Jornalistas (NUJ, na sigla em inglês) pediu ao governo que prestasse assistência aos trabalhadores da mídia no Afeganistão que haviam sido ameaçados pelo Talibã.

LEIA: Londres pode engajar-se com Talibã sem reconhecer governo, afirma chanceler

O sindicato, junto com vários jornais, emissoras e organizações de mídia, assinou uma carta ao primeiro-ministro e ao secretário de relações exteriores destacando que as notícias no Reino Unido dependem fortemente de jornalistas, tradutores e outros funcionários de apoio afegãos. “A situação no Afeganistão está se deteriorando rapidamente e é hora de as autoridades daqui se manifestarem e oferecerem apoio e assistência aos que estão sendo ameaçados.”

“Se deixados para trás, os jornalistas e funcionários da mídia afegãos que desempenharam um papel tão vital informando o público britânico ao trabalhar para a mídia britânica correrão o risco de perseguição, danos físicos, encarceramento, tortura ou morte.”

Pelo menos 11 jornalistas afegãos foram mortos em 2020, de acordo com a Human Rights Watch. Dois jornalistas foram mortos em menos de uma semana, incluindo Elyas Dayee, da Radio Free Afghanistan, e Yama Siawash, que morreram depois que bombas foram colocadas em seus veículos.

Cinco jornalistas foram mortos este ano, incluindo quatro mulheres. Em julho, o correspondente da Reuters dinamarquês Siddiqui foi morto pelo Talibã e teve seu corpo mutilado enquanto ele cobria um surto de violência entre as forças de segurança afegãs e combatentes do Talibã.

Ataques, ameaças e censura de jornalistas aumentaram desde a retirada das tropas, de acordo com a Federação Internacional de Jornalistas.

O Índice de Censura foi informado de que o Talibã está visitando as casas de jornalistas para descobrir “quem trabalhou com infiéis”.

O Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ) disse na semana passada que registrou quase 400 jornalistas que precisam ser evacuados, enquanto outros milhares de pedidos ainda precisam ser analisados. O CPJ documentou que o Talibã realizou vários ataques contra jornalistas.

LEIA: União Europeia diz que não terá pressa em reconhecer o Talibã

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasEuropa & RússiaNotíciaReino Unido
Show Comments
Show Comments