Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

União Europeia diz que não terá pressa em reconhecer o Talibã

Bandeiras da União Europeia são vistas tremulando fora do prédio da Comissão Europeia em Bruxelas, Bélgica em 6 de julho de 2021 [Dursun Aydemir - Agência Anadolu]

A União Europeia precisará se envolver com o Talibã, mas não se apressará em reconhecer formalmente o grupo militante islamista como os novos governantes do Afeganistão, disse um alto funcionário da União Europeia na quarta-feira, segundo a Reuters.

Gunnar Wiegand, diretor executivo da Comissão Europeia para a Ásia e o Pacífico, também disse que o executivo da UE planeja assegurar um financiamento de 300 milhões de euros tanto este ano quanto no próximo para abrir caminho para o reassentamento de cerca de 30.000 afegãos.

Wiegand disse que as relações oficiais com o Talibã só se concretizariam se o grupo cumprisse condições específicas, incluindo o respeito aos direitos humanos e o acesso irrestrito dos trabalhadores humanitários.

“Não há dúvida entre os estados membros (da UE) e no contexto do G7: precisamos nos engajar com o Talibã, precisamos nos comunicar com o Talibã, precisamos influenciar o Talibã, precisamos fazer uso das alavancagens que temos”, disse ele.

“Mas não nos apressaremos em reconhecer esta nova formação, nem em estabelecer relações oficiais”, disse ele aos membros do Parlamento Europeu em Bruxelas.

Wiegand disse que não estava claro se o Talibã será capaz de governar efetivamente, mas para a UE uma condição-chave para as relações oficiais será o estabelecimento de um governo de transição inclusivo e representativo.

LEIA: Mulheres afegãs: fome, pedra, burca

Duas semanas depois de tomar o controle da capital, Cabul, o Talibã ainda não nomeou uma administração ou revelou como pretende governar.

Wiegand disse que outras condições para o reconhecimento do Talibã serão permitir a livre passagem aos afegãos que desejam deixar o país; abster-se de retaliações contra aqueles afiliados a potências estrangeiras ou ao antigo governo; e impedir que o Afeganistão se torne um paraíso para os terroristas.

Há preocupações de que o Afeganistão verá uma repetição da crise migratória que dominou a Europa em 2015-16.

Wiegand disse que um plano da Comissão Europeia para assegurar 300 milhões de euros em 2021 e 2022 deveria “sustentar o reassentamento e as admissões humanitárias” para o reassentamento de cerca de 30.000 pessoas. Ele não deu detalhes sobre onde os fundos seriam obtidos ou gastos.

Ele pediu uma avaliação do que deu errado com o compromisso de 20 anos do Ocidente com o Afeganistão, referindo-se à caótica evacuação de civis e forças estrangeiras após a invasão do Talibã em Cabul.

“Temos que fazer uma avaliação das razões pelas quais tal derretimento foi possível”, disse Wiegand. “Temos que aprender lições para situações semelhantes, e esta será uma avaliação que está começando agora”.

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasNotíciaONUOrganizações Internacionais
Show Comments
Show Comments