Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ennahda se responsabiliza junto a outras partes pela crise atual da Tunísia

Rached Ghannouchi, presidente do parlamento tunisino e chefe do Movimento Ennahda em Túnis, Tunísia, em 12 de janeiro de 2021 [Yassine Gaidi/Agência Anadolu]

O Ennahda tunisino reiterou sua responsabilidade pela situação em curso junto aos partidos que participaram do governo do país.

Em um comunicado divulgado pelo movimento após uma reunião de seu Gabinete Executivo supervisionado pelo presidente do Ennahda, Rached Ghannouchi, o partido confirmou que entende a raiva das pessoas e destacou sua disposição “para realizar uma avaliação séria e objetiva e uma revisão profunda durante sua próxima conferência geral, a fim de renovar visões e planos e abrir novos horizontes para os jovens desenvolverem o movimento”.

Em 25 de julho, o presidente tunisino, Kais Saied, anunciou que estava congelando os trabalhos do Parlamento, chefiado por Ghannouchi, por 30 dias, suspendendo a imunidade dos deputados e demitindo o primeiro-ministro Hichem Mechichi. Ele, então, assumiu o poder executivo dizendo que nomearia um novo primeiro-ministro, mas até agora nenhum foi nomeado. Mais tarde, Saied demitiu vários funcionários do estado e nomeou outros em seu lugar.

A presidência tunisiana declarou na semana passada que Saied “emitiu uma ordem presidencial para prorrogar, até novo aviso, as medidas excepcionais tomadas ao abrigo da Ordem Presidencial n.º 80 de 2021 relacionadas com a suspensão das atividades da Assembleia dos Representantes do Povo e o levantamento da imunidade parlamentar de todos os seus membros”.

A maioria dos partidos, incluindo o Ennahda, rejeitou as medidas, com alguns considerando-as um “golpe contra a constituição”.

LEIA: Ennahda da Tunísia congela filiação de Imad al-Hamami

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Show Comments