Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ministro do Catar faz alerta contra o isolamento do Talibã

Ministro das Relações Exteriores do Catar, sheikh Mohammed bin Abdulrahman Bin Jassim Al-Thani, em 8 de junho de 2017 [Mohamed Farag/Agência Anadolu]

Com os EUA encerrando na segunda-feira sua guerra de 20 anos no Afeganistão, no que é universalmente visto como uma derrota humilhante, as atenções se voltaram para o futuro do país. O Catar, que desempenhou um papel de mediação crucial entre o Talibã e os EUA, alertou contra medidas precipitadas que podem levar o Estado da Ásia Central a uma instabilidade ainda maior.

“Se começarmos a colocar condições e interromper esse engajamento, vamos deixar um vácuo, e a questão é: quem vai preencher esse vácuo?”, o ministro das Relações Exteriores do Catar, sheikh Mohammed Bin Abdulrahman Al Thani, questionou ontem, em Doha, alertando contra o isolamento do Talibã.

“Acreditamos que sem engajamento não podemos alcançar […] progresso real na frente de segurança ou na frente socioeconômica”, continuou Al Thani, acrescentando que reconhecer o Talibã como governo não era uma prioridade.

Falando sobre o papel contínuo do Catar no Afeganistão pós-ocupado pelos EUA, Al Thani mencionou a necessidade de criar um governo inclusivo. “É nosso papel sempre exortá-los [ao Talibã] a ter um governo ampliado que inclua todos os partidos e não exclua nenhum partido”, disse ele. “Durante nossas conversas com o Talibã, não houve resposta positiva ou negativa”, revelou Al Thani, referindo-se às conversas recentes entre o Catar e os novos governantes do Afeganistão.

LEIA: Catar emerge como protagonista no Afeganistão, após retirada dos EUA

Al Thani explicou que isolar o Talibã nas últimas duas décadas levou à situação atual, acrescentando que agora era necessário estender a boa vontade e conceder ao partido o benefício da dúvida.

Desde que o Talibã tomou Cabul, tem havido um “tremendo engajamento” em evacuações e contraterrorismo, que gerou “resultados positivos”, disse Al Thani, acrescentando que as negociações sobre o Catar ajudando o Talibã na administração do Aeroporto Internacional de Cabul Hamid Karzai estavam em andamento e nenhuma decisão tinha sido tomada.

Nenhum país reconheceu o Talibã como governo do Afeganistão após a captura de Cabul em 15 de agosto. Mas há uma admissão relutante de que o grupo representa a melhor esperança de colocar o Afeganistão de volta em pé, um ponto que o ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, reconheceu ao falar ao lado de seu homólogo do Catar.

“Pessoalmente, acredito que não há absolutamente nenhuma maneira de negociar com o Talibã […] porque não podemos nos dar ao luxo de ter instabilidade no Afeganistão”, disse Maas, alertando que “ajudaria o terrorismo e teria um enorme impacto negativo sobre os países vizinhos”.

Falando sobre o reconhecimento de uma missão governamental liderada pelo Talibã, disse: “Não estamos examinando questões de reconhecimento formal, mas queremos resolver os problemas existentes – em relação ao povo do Afeganistão, aos cidadãos alemães, mas também aos funcionários locais que querem partir o país”.

LEIA: Tiros em Cabul celebram saída final dos Estados Unidos

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasCatarNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments