Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Verificação de fatos: o Ennahda governou sozinho a Tunísia nos últimos 10 anos?

Forças tunisianas tomam medidas de segurança durante um protesto contra a suspensão do parlamento, em Túnis, Tunísia, em 26 de julho de 2021 [Yassine Mahjoub/AFP/Getty Images]

Há meses, analistas de programas de televisão promovem a ideia de que o movimento islâmico Ennahda comanda a Tunísia desde a revolução de janeiro de 2011 até 25 de julho deste ano, quando o atual presidente, Kais Saied, anunciou suas medidas excepcionais, demitiu o primeiro-ministro e suspendeu o parlamento.

Para verificar essa afirmação, a Agência Anadolu monitorou até que ponto o Ennahda participou do governo desde as eleições de outubro de 2011, durante as quais o movimento obteve uma clara maioria. Isso tem sido mantido até hoje por meio de primeiros-ministros, ministros, secretários de estado, governadores e delegados afiliados.

24 de dezembro de 2011 a 13 de março de 2013: governo de Hamadi Jebali

Em 24 de dezembro de 2011, o governo de Hamadi Jebali (secretário-geral do Ennahda na época, que mais tarde renunciou ao movimento) substituiu o gabinete nomeado pelo então presidente Beji Caid Essebsi em março de 2011. O governo de Jebali incluía 30 ministros e 11 secretários de estado.

O Ennahda tinha 14 ministros e um secretário de Estado, incluindo o ministro da Justiça, Noureddine Bhiri, o ministro do Interior, Ali Laarayedh, o ministro das Relações Exteriores, Rafik Abdessalem, e o ministro da Indústria, Mohamed Lamine Chakhari.

Os parceiros da coalizão Ennahda, o Fórum Democrático para o Trabalho e as Liberdades (FDTL, na sigla em inglês) e o Congresso da República (CPR, na sigla em inglês), nomearam – cada um cinco ministros e dois secretários de estado. O resto dos membros do governo eram independentes.

13 de março de 2013 a 23 de janeiro de 2014: governo de Ali Laarayedh

O governo de Ali Laarayedh assumiu as funções entregues pelo gabinete de Jebali. Este último anunciou sua renúncia após o assassinato do ativista de esquerda Chokri Belaid em 6 de fevereiro de 2013. O governo começou a funcionar oficialmente em 13 de março de 2013 e era composto de 27 ministros e 10 secretários de estado.

A participação do Ennahda neste governo consistia em 11 ministros e um secretário de Estado. A FDTL tinha três pastas ministeriais e um secretário de Estado e o CPR assumiu três ministérios. O resto dos ministros e secretários de estado nomeados eram independentes.

29 de janeiro de 2014 a 6 de fevereiro de 2015: governo tecnocrata liderado por Mehdi Jomaa

Após o assassinato do líder do movimento nacionalista nasserista na Tunísia, Mohamed Brahmi, em 25 de julho de 2013, uma crise política estourou e a oposição liderada por Essebsi (o chefe do partido Nidaa Tounes, fundado em junho de 2012) exigiu a renúncia de Laarayedh.

A partir de setembro de 2013, um Diálogo Nacional foi realizado sob a égide de quatro grandes organizações nacionais: o Sindicato Geral dos Trabalhadores da Tunísia (o maior sindicato do país), o Sindicato da Indústria, Comércio e Artesanato da Tunísia (o sindicato dos empregadores), a Liga Tunisina dos Direitos Humanos e a Ordem dos Advogados da Tunísia.

O diálogo resultou em um acordo entre as partes interessadas, incluindo o Ennahda, para formar um governo tecnocrata que conduziria o país às eleições após a ratificação da nova constituição pela Assembleia Nacional Constituinte (um parlamento provisório eleito em 23 de outubro de 2011).

Ficou acordado que Jomaa, ministro da Indústria do governo de Laarayedh, seria o primeiro-ministro. Seu governo tinha 21 ministros e sete secretários de Estado, todos independentes. O Ennahda não tinha ministro.

6 de fevereiro de 2015 a 6 de janeiro de 2016: o primeiro governo de Habib Essid

Durante as eleições legislativas de outubro de 2014, o partido Nidaa Tounes ganhou 85 dos 217 assentos na Assembleia dos Representantes do Povo. O Ennahda veio em segundo lugar com 69 cadeiras, seguido pela União Patriótica Livre (UPL) com 16, a Frente Popular com 15 cadeiras e Afek Tounes com oito.

Habib Essid foi encarregado de formar o governo, que tinha 26 ministros e 14 secretários de estado, incluindo oito ministros e dois secretários de estado para Nidaa Tounes, e três ministros para Afek Tounes e o UPL.

A parte do Ennahda era de um ministro e três secretários de Estado. Os outros ministros e secretários de estado eram independentes.

6 de janeiro de 2016 a 29 de agosto de 2016: o segundo governo de Habib Essid

Em 6 de janeiro de 2016, Essid anunciou uma remodelação do gabinete que levou ao cancelamento de todos os secretários de cargos de estado. O governo era composto de 32 ministros, incluindo nove pastas para Nidaa Tounes, três para o Afek Tounes e três para o UPL. O Ennahda nomeou dois ministros.

28 de agosto de 2016 a 6 de novembro de 2018: primeiro governo de Youssef Chahed

Como Essid não conseguiu obter um voto de confiança do parlamento no final de julho de 2016, o hoje falecido presidente Essebsi designou o ministro de Assuntos Locais, Youssef Chahed, para formar um novo governo de 26 ministros e 14 funcionários estaduais, que assumiu em 28 agosto de 2016.

Nidaa Tounes tinha quatro ministérios e quatro secretarias de Estado, enquanto Afek Tounes nomeou duas ministras e duas secretárias de Estado. O Ennahda nomeou quatro ministros e três secretarias de Estado, enquanto independentes e pequenos partidos nomearam o resto dos ministros e secretarias de Estado.

14 de novembro de 2018 a 28 de fevereiro de 2020: segundo governo de Youssef Chahed

Em 5 de novembro de 2018, Chahed anunciou uma grande remodelação do gabinete para nomear 11 novos membros do governo, enquanto sete ministros saíram. O governo tinha 28 ministros e 14 secretários de estado.

Nidaa Tounes tinha sete ministros e quatro secretários de estado e Afek Tounes tinha dois ministros e dois secretários de estado. O UPL retirou-se do governo.

A parte do Ennahda era de quatro ministros e três secretários de Estado. Independentes e pequenos partidos nomearam o resto dos ministros e secretários de estado.

28 de fevereiro de 2020 a 3 de setembro de 2020: governo de Elyes Fakhfakh

Durante as eleições de 6 de outubro de 2019, o Ennahda ficou em primeiro lugar com 54 de 217 deputados, enquanto o partido Coração da Tunísia liderado pelo empresário e figura da mídia Nabil Karoui ficou em segundo lugar com 38 deputados; a Corrente Democrática conquistou 22 cadeiras.

Após o fracasso do governo de Habib Jemli, indicado pelo Ennahda, em ganhar um voto de confiança no parlamento em 11 de janeiro de 2020, o presidente tunisiano designou o líder da FDTL (que não tinha deputados) Elyes Fakhfakh para formar o governo. Ele substituiu o gabinete anterior chefiado por Chahed, em 28 de fevereiro de 2020.

LEIA: Ennahda preocupa-se com a ‘extensão indefinida’ dos poderes de emergência do presidente

O governo era composto de 29 ministros e três secretários de estado. A Corrente Democrática tinha três ministérios, o Movimento Popular (com 15 deputados) nomeou dois ministros, assim como o partido Tahya Tounes.

O Ennahda nomeou seis ministros, todos demitidos por Fakhfakh antes de anunciar sua renúncia em resposta à retirada de confiança do movimento nele. Os demais ministérios, além de três secretários de Estado, eram independentes.

3 de setembro de 2020 a 25 de julho de 2021: governo de Hichem Mechichi

Fakhfakh apresentou sua renúncia em 16 de julho de 2020, à luz de um caso de conflito de interesses movido contra ele pela Autoridade Nacional Anticorrupção (INLUCC, na sigla em inglês).

O presidente, Kais Saied, designou o ministro do Interior, Hichem Mechichi, para formar o governo, que conquistou o voto de confiança no parlamento e tomou posse em 3 de setembro de 2020. Ele foi demitido por Saied em suas medidas excepcionais anunciadas em 25 de julho deste ano.

O governo de Mechichi tinha 25 ministros e três secretários de estado (servindo como vice-ministros), todos independentes. Contou com o apoio do Ennahda, partido do Coração da Tunísia, da Dignity Coalition e do partido Tahya Tounes. O Ennahda tinha representação limitada entre governadores e delegados.

Hedi Triki, membro do Gabinete Executivo do Ennahda encarregado da governança local, disse à Anadolu que apenas dois entre 24 governadores são filiados ao movimento e apenas 30 delegados foram nomeados pelo Ennahda entre 264 delegações que cobrem todo o país.

É digno de nota que os governadores e os delegados são os verdadeiros governadores e delegações na Tunísia.

LEIA: Anistia urge presidente tunisiano a suspender restrições de viagem

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoFact SheetsTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments