Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Bennett diz que não haverá paz com os palestinos e que cerco a Gaza continuará

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, fala durante o evento Cyber Week na universidade de Tel Aviv, em 21 de julho de 2021 [Gideon Markowicz/AFP via Getty Images]

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, disse ao New York Times ontem que não haverá paz com os palestinos e que o cerco israelense a Gaza continuará enquanto o Hamas governar o enclave costeiro.

Antes de seu encontro com o presidente dos EUA, Joe Biden, Bennett descartou qualquer progresso no processo de paz com os palestinos, alegando que as negociações de paz não aconteceriam, porque a liderança palestina está fragmentada e sem leme, bem como porque ele se opõe firmemente à soberania palestina.

Ele disse que não haveria negociações de paz com os palestinos, pois teme que isso dissolva seu governo, que inclui partidos que apoiam o Estado palestino e outros que se opõem a ele.

“Este é um governo que fará avanços dramáticos na economia”, disse Bennett. “Sua reivindicação à fama não resolverá o conflito de 130 anos aqui em Israel.”

Ele acrescentou: “Este governo não anexará nem formará um Estado palestino, todos entendem. Sou o primeiro-ministro de todos os israelenses e o que estou fazendo agora é encontrar um meio-termo – como podemos nos concentrar no que concordamos”.

Com relação a Gaza, Bennett disse que o cerco israelense permanecerá em vigor enquanto o Hamas, que foi eleito em votação livre pelos palestinos em 2006, estiver governando o enclave costeiro.

LEIA: Israel apresentará aos EUA nova estratégia para lidar com o Irã

O primeiro-ministro israelense, extremista de direita, disse que estaria preparado para se envolver em outra guerra com o Hamas, mesmo que, com isso, perdesse o apoio dos quatro legisladores árabes que o mantém no poder.

“Farei o que for necessário para proteger meu povo”, disse Bennett. “Nunca envolverei considerações políticas nas decisões relacionadas à defesa e à segurança.”

Ele considerou expandir os assentamentos israelenses existentes na Cisjordânia ocupada, que são ilegais sob a lei internacional e um impedimento à criação de um futuro estado palestino nos territórios ocupados, como parte do crescimento natural de Israel.

“Israel continuará a política padrão de crescimento natural”, disse Bennett.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments