Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Após a saída do Afeganistão, os EUA poderiam aumentar a agressão contra o Irã?

Fuzileiro naval dos EUA agarra uma criança por cima de uma cerca de arame farpado durante uma evacuação no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Cabul, em 19 de agosto de 2021 [Cortesia de Omar Haidiri/AFP via Getty Images]

O debate sobre o Afeganistão no Parlamento esta semana foi nada menos do que nauseante.

Ministros, parlamentares e ministros das sombras, todos se uniram para criar uma forma bizarra de retórica que, de alguma forma, conseguiu parecer guerreira e totalmente impotente ao mesmo tempo.

Eles pareciam pensar que as forças de ocupação britânicas deveriam ser realocadas de volta no Afeganistão, apesar da saída das forças de ocupação americanas. Vinte anos de guerra e ocupação não foram suficientes para eles, ao que parece.

Algumas vozes dissidentes à parte, como o agora independente parlamentar Jeremy Corbyn, pareciam concordar que “nós”, no Ocidente, somos os modelos da virtude e que o misterioso “Povo Moreno” querendo viver sem a dominação imperial estrangeira imposta e hostil de seus países são nada menos do que selvagens e bárbaros.

O Partido Trabalhista de Keir Starmer – expurgado com segurança de Corbyn e outros elementos indesejáveis ​​- era, se alguma coisa, ainda pior do que o governo conservador, que eles têm criticado da direita. O Partido Trabalhista é mais uma vez o Partido da Guerra, ao que parece.

A porta-voz do Partido Trabalhista pós-Corbyn para as Relações Exteriores, Lisa Nandy, usou sua aparição no terrível programa da BBC Question Time para agitar por mais guerra no Afeganistão.

Ela disse que os EUA e seu regime fantoche britânico (liderado na época pelo vampiro Tony Blair) estavam “absolutamente certos” em invadir o Afeganistão em 2001 – um país soberano – que não atacou nem a Grã-Bretanha nem os EUA.

LEIA: O que o Talibã pode oferecer às mulheres do Afeganistão?

A invasão sempre foi totalmente injustificada. Depois que as bombas começaram a cair e as botas atingiram o solo, propagandistas da classe política e da mídia começaram a usar novamente um pretexto de “direitos humanos”.

Mas agora, 20 anos depois, com os EUA fora e o Talibã de volta, estamos de volta à estaca zero.

É verdade que grande parte da rede Al-Qaeda – incluindo seu líder Osama Bin Laden – residia na época no país, protegida pelo governo do Talibã. O pretexto inicial para a invasão, você deve se lembrar, foi que os EUA exigiam que os governantes do Afeganistão entregassem Bin Laden, a quem culpava pelos ataques terroristas de 11 de setembro – ou então invadiriam o país à força e o prenderiam diretamente.

Mas o que geralmente é esquecido – e foi conscientemente encoberto por grande parte da mídia corporativa na época – é que, na verdade, o Talibã concordou repetidamente em expulsar Bin Laden do país, e até mesmo em entregá-lo, caso fossem apresentadas provas contra o líder da Al-Qaeda. De acordo com um ex-ministro do Talibã, eles se ofereceram para levar Bin Laden a julgamento em um terceiro país antes mesmo dos ataques de 11 de setembro, mas os EUA não estavam interessados.

Mesmo assim, o então presidente George W. Bush rejeitou arrogantemente essas ofertas, insistindo que a invasão fosse adiante. A guerra sempre foi sobre o controle imperial dos EUA. Um regime de gângsteres ligeiramente ferido teve que fazer uma lição prática de um país pequeno e empobrecido – seu governo seria imposto de qualquer maneira.

Milhares de pessoas foram mortas no Afeganistão como resultado direto do que Lisa Nandy, do Partido Trabalhista, minimizou como “intervenção” EUA-Reino Unido. Uma década atrás, uma estimativa cautelosa colocava o número de civis mortos em 40.000.

Com a retirada dos EUA neste mês, os fomentadores da guerra imperialistas em ambos os lados do Atlântico estão torcendo as mãos com a perspectiva do declínio do império dos EUA. Em nenhum lugar mais do que no regime cliente regional dos EUA no coração do mundo árabe: a racista colônia de colonos de Israel.

Meu colega da Intifada Eletrônica Ali Abunimah esta semana escreveu um artigo de análise essencial sobre as reações em Israel ao colapso dos EUA no Afeganistão.

Vale a pena ler tudo. Nele, ele descreve os temores de Israel, que, afinal, depende tanto da ajuda militar dos EUA para impor sua vontade aos povos nativos da região.

Os formuladores de políticas dentro da entidade sionista têm reagido de maneira previsivelmente cínica, expondo o que consideram oportunidades para Israel.

Uma dessas oportunidades é o potencial de alavancar a derrota dos EUA naquele país, levando-os a uma ação mais agressiva contra o Irã – que Israel viu como um inimigo impecável desde 1979, quando a Revolução Islâmica chegou ao poder.

LEIA: Mulheres marcam o Dia da Independência do Afeganistão sob o domínio do Talibã

Ou, como disse um ex-alto funcionário da inteligência israelense anônimo: “É possível alavancar os eventos” no Afeganistão “a nosso favor” e a “humilhante rendição ao Talibã” poderia levar o presidente dos EUA, Joe Biden, a “decidir usar os músculos dos EUA em direção Irã”.

Como Abunimah explica em seu artigo, o coronel do exército israelense e importante pensador Eran Lerman diz que agora é “vital para os EUA demonstrar – em outro lugar, já que o caso afegão está claramente além da salvação – que não é uma força esgotada”, para demonstrar que ainda possui hegemonia militar em todo o mundo.

Há uma certa lógica em tudo isso: a lógica do gângster. Pela mesma razão que as gangues criminosas administram espancamentos punitivos e ataques de represália, os EUA às vezes simplesmente sentem que precisam bombardear um país para fazer algum tipo de afirmação de seu controle sobre o mundo.

Contudo, como mostram os eventos no Afeganistão – possivelmente com o Iraque a seguir – os militares dos EUA, apesar de seus vastos recursos, não são onipotentes e podem ser derrotados.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIrãOpiniãoOriente MédioReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments