Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Crise diplomática entre Israel e Polônia aumenta

Marek Magierowski, embaixador polonês em Israel [Wikipedia]
Marek Magierowski, embaixador polonês em Israel [Wikipedia]

A crise diplomática entre Israel e a Polônia aumentou com o embaixador polonês em Israel sendo informado por seu governo para não retornar ao seu posto após as férias em família, informaram as agências. O embaixador Marek Magierowski permanecerá na Polônia até novo aviso.

Isso ocorreu após a retirada do enviado de Israel de Varsóvia para consultas. O Times of Israel disse que o Ministério das Relações Exteriores de Israel também aconselhou Magierowski a permanecer em seu país.

O Ministério das Relações Exteriores da Polônia disse que tem “uma visão negativa das ações tomadas pelo Ministério das Relações Exteriores em Israel e da decisão infundada de rebaixar o posto de sua representação diplomática em Varsóvia”. Essas medidas tomadas por Israel, insistiu, “prejudicam gravemente nossas relações”. “O governo polonês tomará as medidas políticas e diplomáticas apropriadas, levando em consideração o princípio de simetria aplicável nas relações bilaterais.”

A Polônia disse, na segunda-feira, que está analisando a suspensão das viagens anuais de jovens israelenses a locais memoriais do Holocausto no país. Ele observou que tais viagens são usadas para reforçar o ódio contra a Polônia, que não foi responsável pelo Holocausto.

“As viagens não acontecem de maneira adequada”, disse o vice-ministro das Relações Exteriores, Pawel Jablonski. “Eles às vezes instigam ódio pela Polônia nas mentes dos jovens israelenses.” Ele acrescentou que seu país está lidando com o sentimento antipolonês em Israel, uma das razões para isso é a forma como os jovens israelenses são educados e criados. “Esta propaganda, baseada no ódio à Polónia, penetra na cabeça dos jovens desde tenra idade na escola.”

LEIA: OLP acusa Israel de mentir sobre casas na Área C para os palestinos

O oficial polonês enfatizou que seu país tomará uma decisão sobre o assunto após novas discussões. “A maneira como essas viagens [atualmente] acontecem certamente não é a certa”, acrescentou.

Comentando sobre a aprovação de uma lei na Polônia que fecha a janela de oportunidade para as pessoas recuperarem propriedades confiscadas pelo estado durante a era comunista, que deve afetar as vítimas do Holocausto e seus descendentes, o ministro das Relações Exteriores israelense, Yair Lapid, disse que essa foi “não a primeira vez” que o país aprovou uma “lei antissemita e imoral”.

De acordo com o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, a aprovação da lei foi “uma decisão vergonhosa e um desprezo vergonhoso pela memória do Holocausto”. O ministro da Defesa, Benny Gantz, acrescentou que está “profundamente perturbado” com a lei e pediu que o mundo a condene.

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPolônia
Show Comments
Show Comments