Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Empresa egípcia de barbear despede 84 trabalhadores em uma semana por greve

Bandeira egípcia [Ozan Kose/AFP via Getty Images]

A fabricante de máquinas de barbear Lord International demitiu mais 39 trabalhadores depois que eles participaram de uma greve contra seus salários.

Essa mudança ocorre apesar das garantias da administração de que os trabalhadores não estariam sujeitos a medidas punitivas se retornassem ao trabalho.

Eles justificaram sua decisão como participando de “greves ilegais de trabalho, incitamento a uma greve ilegal e abuso deliberado da empresa, causando danos materiais e morais”, relatou a Sada.

Cerca de 2.000 trabalhadores entraram em greve em 26 de julho, depois que a administração se recusou a negociar suas demandas, que incluíam o aumento de seus salários, então veio o salário-mínimo de US$ 153 por mês.

Em 1º de agosto, a Lord International demitiu 38 trabalhadores, depois mais sete, perfazendo um total de 84 trabalhadores que foram demitidos em uma semana.

Embora a administração tenha prometido que marcaria uma reunião para discutir as demandas dos trabalhadores, ela se recusou a atendê-los e não lhes deu o bônus Eid em julho, o que os levou à greve.

LEIA: Anistia urge Egito a investigar execuções extrajudiciais registradas em vídeo

Em maio, dez trabalhadores da Iron and Steel Company foram presos depois de tomarem as ruas ao ouvir a notícia de que a empresa seria liquidada para exigir indenização suficiente.

Em julho, a Confederação Sindical Internacional listou o Egito como um dos dez piores países do mundo para trabalhadores, destacando que violou os direitos dos trabalhadores de fazer greve, organizar um sindicato e atacou sua liberdade de expressão.

Em março do ano passado, quando a crise de covid-19 estourou, o segundo homem mais rico do Egito, Naguib Sawiris, disse que os egípcios deveriam dormir no chão das fábricas para reduzir o movimento e voltar ao trabalho.

No passado, a Anistia Internacional descreveu o ataque do governo egípcio aos trabalhadores e sindicalistas como implacável, com prisão, detenção, demissão e julgamentos em tribunais militares a norma.

Trabalhadores foram mantidos em prisão preventiva apenas por protestar.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments