Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Revelações sobre o papel de agentes israelenses no genocídio político na Colômbia

Em 1985, o presidente colombiano Belisario Betancourt e os rebeldes das FARC negociaram um acordo de paz para encerrar quase três décadas de conflito armado. O acordo formalizou a criação da União Patriótica e viu ex-guerrilheiros se juntarem a comunistas, sindicalistas, conselhos de ação comunitária e intelectuais de esquerda para formar um partido que integraria as FARC ao sistema político eleitoral.

Enquanto as negociações estavam em andamento, membros da União Patriótica eram mortos. Em maio de 1986, o líder do Partido Liberal, Virgilio Barco, conquistou a presidência. Pouco depois de ele assumir o cargo, o ritmo de assassinatos de membros da UP disparou. Espantosos 400 membros foram assassinados nos primeiros 14 meses de seu mandato.

LEIA: Colômbia vs. Colombo

Esse genocídio político, arquitetado de modo a eliminar lideranças de esquerda por toda Colômbia, aconteceu com ajuda externa. E é isto que a reportagem de Dan Cohen revela ao tratar da circulação privilegiada de dois agentes israelenses no país. Um deles, foi um dos espiões mais condecorados da história de Israel, Rafael ‘Rafi’ Eitan, tornado conselheiro de segurança de Barco. O outro, um mercenário israelense chamado Yair Klein chegou à Colômbia e começou a treinar narco-paramilitares para o combate às FARC.

A reportagem de Dan Cohen ajuda a compreender os conflitos na Colômbia de hoje, sob Ivan Duque, que se vangloria das boas relações com Israel enquanto aciona a violenta repressão contra jovens manifestantes que contestam suas políticas e querem incidir nos destinos do país.

Faça o download da reportagem completa

Categorias
América LatinaÁsia & AméricasColômbiaIsraelOriente MédioPublicaçõesReportagem
Show Comments
Show Comments