Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quinze anos após a Segunda Guerra do Líbano e Israel ainda não resolveu suas deficiências militares

Apoiadores assistem membros do movimento xiita libanês Hezbollah realizando uma encenação de um ataque a um tanque israelense para marcar o 11º aniversário do fim da guerra de 2006 com Israel, na aldeia de Khiam, no sul do Líbano, em 13 de agosto de 2017 [MAHMOUD ZAYYAT/AFP via Getty Images]

No momento em que Israel celebra o 15º aniversário da Segunda Guerra do Líbano, mais deficiências dos militares israelenses estão surgindo e parecem estar centradas na falta de prontidão e comunicação entre as facções do exército e os serviços de inteligência.

Quinze anos após o início da Segunda Guerra do Líbano, a opinião pública israelense ainda tem um sentimento retumbante de fracasso após o exército israelense não ter conseguido vencer a batalha.

Como resultado dos movimentos militares nessa guerra, foi desenvolvido um equilíbrio de dissuasão mútua entre Israel e o Hezbollah. Portanto, ambos os lados parecem desinteressados em um confronto em larga escala neste momento, mas há razões para acreditar que a luta pode irromper a qualquer momento.

LEIA: Crise libanesa se aprofunda; chefe do exército pede socorro na França

A próxima guerra libanesa não será como os conflitos anteriores devido aos planos operacionais atualizados, o treinamento de tropas, o uso de equipamentos modernos e a inteligência atualizada disponível em tempo real, depois que a questão da falta de inteligência surgiu em todas as sondas após o verão de 2006.

A Guerra do Líbano de 2006 revelou a falta de profissionalismo do exército israelense e sua ineficácia no combate às batalhas terrestres. O exército israelense foi forçado a mudar como resultado. Assim, as forças de ocupação iniciaram o treinamento rotineiro de batalhões de combate e forças múltiplas para se prepararem para batalhas conjuntas com a Força Aérea.

Hoje, o exército israelense presta muita atenção ao próximo confronto, reforçando sua defesa ao longo das fronteiras com o Líbano, já que o modo de operação do Hezbollah mudou. Nos últimos anos, o movimento libanês ameaçou ocupar a Galiléia, em referência a ataques específicos ao longo das fronteiras israelenses, apesar da percepção do exército de que se a vitória do Hezbollah no passado foi alcançada através do disparo de mísseis até o último dia de confrontos e do ataque contínuo ao exército, hoje ele lançará ataques preventivos.

Os últimos ataques a Gaza em 2021 e 2014 constituíram um protótipo da próxima guerra no norte, os dois ataques levaram o exército israelense a se preparar para uma defesa muito forte ao longo da fronteira, embora a principal pergunta a ser feita é se o exército terrestre de hoje, que não operou em um ataque em larga escala, está suficientemente pronto, dada sua repetida relutância em se envolver em manobras e suas atividades complementares, ao mesmo tempo em que está satisfeito apenas com as conquistas da Força Aérea.

O Líbano é uma longa história de desastre e crise – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A elite militar e política israelense também tem muito medo de engajar as forças terrestres em batalha, pois sua eficiência não foi comprovada nos últimos anos; e o exército tem desenvolvido continuamente a capacidade da Força Aérea. Assim, se na véspera da Segunda Guerra do Líbano, Israel tinha centenas de alvos para seus ataques aéreos, o banco de alvos do exército hoje em dia já tem milhares novos.

No próximo confronto com o Líbano, a frente israelense será alvo de quatro mil mísseis e cartuchos por dia. É verdade que o Domo de Ferro proporcionará proteção contra os ataques, mas ao contrário das expectativas israelenses, não será capaz de interceptar todos os mísseis, o que deixa o exército muito preocupado.

Outra fraqueza está relacionada à informação. As guerras recentes revelaram uma lacuna entre a qualidade da inteligência e o resultado da falha do exército em obtê-la ou atualizá-la em tempo real, além das preocupações com o declínio dos esforços de inteligência, pois mesmo que o exército israelense vença a próxima guerra nos níveis tático e estratégico, ela não será significativa e poderá gerar o mesmo sentimento de derrota que ocorreu em 2006.

LEIA: Presidente do Líbano nega conhecimento de ‘contrabando de dinheiro’

De uma perspectiva de quinze anos, a vantagem saliente dessa guerra é a calma absoluta e sem precedentes que ela trouxe à fronteira norte; e ao mesmo tempo, o maior inconveniente desta guerra é o acúmulo de força militar do Hezbollah.

O exército israelense entrou na guerra de 2006 despreparado, elaborando seus planos no Líbano. Os israelenses buscaram em vão alguma aparência de vitória, mas não a alcançaram.

O atual equilíbrio de dissuasão entre o Hezbollah e Israel em ambos os lados da fronteira passou a incluir destruição e perda sem precedentes. É por isso que o Hezbollah não quer ver edifícios desmoronarem nas cidades, ou o povo do sul do Líbano se refugiar no norte em busca de refúgio. Da mesma forma, Israel parece interessado em não ter sua frente interna sujeita a ataques de mísseis sem precedentes, o que o deixaria completamente exposto.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelLíbanoOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments