Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tribunal suíço ordena que filho do chefe do petróleo de Gadaffi pague US$ 1,5 milhão em caso de suborno

Companhia Nacional de Petróleo da Líbia na cidade de Ras Lanuf, no norte, em 3 de junho de 2020 [AFP via Getty Images]

Um tribunal suíço ordenou que o filho do ex-líder líbio Muammar Gaddafi, ministro do petróleo, pague hoje US$ 1,5 milhão em um caso de corrupção, uma decisão que seu advogado disse que ele pode apelar, informou a Reuters.

O caso envolvendo Mohamed Ghanem, o CEO de um banco de investimento islâmico baseado no Bahrein e filho de Shokri Ghanem, que se afogou em circunstâncias misteriosas em 2012, é um raro caso internacional movido contra a elite da era Gaddafi.

O Tribunal Criminal Federal disse em seu julgamento que considerou Ghanem “culpado de suborno passivo de funcionários públicos estrangeiros”, sem dar mais detalhes sobre o suposto incidente.

O autor do caso, a Libya’s National Oil Corporation (NOC), havia buscado uma indenização de US$ 1,5 milhão, mas o tribunal rejeitou e ordenou que Ghanem pagasse esse valor ao governo suíço. No entanto, ele o condenou a pagar as despesas da NOC, estimadas em US$ 54.120.

O gabinete do procurador-geral da Suíça e um advogado da NOC não responderam imediatamente a um pedido de comentário. Ghanem negou as acusações e seu advogado contestou o veredicto.

LEIA: Candidatura eleitoral de Haftar na Líbia gera disputa na reunião do LPDF em Genebra

“Para mim, é um julgamento baseado em conclusões equivocadas. E considero esse veredicto injusto, já que não houve nenhum incidente de corrupção”, disse o advogado de Ghanem, Jean-Marc Carnicé, à Reuters.

Ele acrescentou que iria discutir a decisão com seu cliente e considerar um recurso. Ghanem, 44, atualmente mora no Bahrein, onde dirige o First Energy Bank.

Um advogado da NOC não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. Uma porta-voz do gabinete do procurador-geral disse estar “satisfeita” com a decisão, acrescentando que tais condenações são raras.

Em 2012, promotores noruegueses acusaram ex-executivos da produtora de fertilizantes Yara de pagar subornos a funcionários da Índia e da Líbia, incluindo a família de Shokri Ghanem. Uma fonte familiarizada com o caso suíço disse que a investigação envolveu um suposto pagamento da Yara para a conta bancária de Ghanem na Suíça.

O advogado de Ghanem se recusou a comentar os detalhes do caso.

Yara reconheceu o pagamento de subornos não especificados em 2014 e concordou em pagar uma multa. Em 2016, um tribunal de apelações norueguês manteve um veredicto de culpado contra seu diretor jurídico, mas absolveu três outros ex-executivos de suborno. Uma porta-voz da Yara disse que o caso foi encerrado e não quis comentar mais.

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasBahreinEuropa & RússiaÍndiaLíbiaNoruegaNotíciaSuíça
Show Comments
Show Comments