Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O cerco e a violência de Israel estão prejudicando a mente das crianças palestinas

Crianças palestinas seguram velas durante um comício em meio às ruínas de casas destruídas por ataques israelenses, na Cidade de Gaza, em 24 de maio de 2021 [Mohammed Abed/AFP/Getty Images]

Crianças palestinas na Faixa de Gaza estão sendo torturadas psicologicamente. Crescer com períodos de medo e abuso prolongados tem consequências físicas e mentais devastadoras, e os jovens estão sofrendo como resultado.

A última ofensiva militar de Israel contra os palestinos em Gaza infligiu traumas duradouros às crianças, com mudanças de comportamento perceptíveis devido ao que testemunharam durante o bombardeio; não apenas a destruição, mas também a morte de famílias inteiras.

“Houve ataques, agressões e massacres repetitivos nos últimos 13 anos em Gaza”, explicou a Dra. Samah Jabr, presidente da unidade de saúde mental do Ministério da Saúde Palestino. “E a cada ataque, há uma nova geração de pessoas traumatizadas.”

Não há lugar seguro em Gaza e o número de crianças em risco é extraordinário. Ataques aéreos e de artilharia israelenses durante o ataque de 11 dias em maio mataram 253 palestinos, incluindo 66 crianças. Mais de 1.900 pessoas ficaram feridas.

O objetivo das atrocidades e da violência é ter um grande impacto psicológico nas pessoas, observou a Dra. Jabr. “São as crianças as mais vulneráveis, porque estão naquele estágio especial de seu desenvolvimento em que não têm a chance de desenvolver mecanismos de defesa saudáveis.”

LEIA: Muna El-Kurd, ícone em Jerusalém, fala da luta de Sheikh Jarrah em discurso de formatura

De acordo com o Bureau Central de Estatísticas da Palestina, em 2020, quase metade dos palestinos em Gaza e na Cisjordânia tinha menos de 18 anos. Uma média de 15 anos em Gaza passou por quatro grandes ofensivas israelenses. Quase todo mundo em Gaza conhece alguém que foi morto nos ataques.

Famílias inteiras são afetadas. “As crianças vivem sob os cuidados de adultos que também sofrem, devido ao alto índice de desemprego, pobreza e insegurança alimentar em Gaza”, disse a Dra. Jabr.

Mais de dois milhões de palestinos vivem na Faixa de Gaza e sofrem com a deterioração das condições econômicas como resultado do bloqueio israelense imposto ao território desde 2006. Cerca de 70 por cento da população está lutando contra a insegurança alimentar e precisa de ajuda, diz o Programa Mundial de Alimentos. O desemprego é de cerca de 69 por cento. As bombas israelenses devastaram a comunidade empresarial e a infraestrutura, o que significa que a recuperação será muito difícil.

O número de mortos em ataques israelenses à Faixa de Gaza continua aumentando [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

“O trauma é muito especial em Gaza porque está em andamento e sendo sobreposto repetidamente ao trauma coletivo histórico”, apontou a Dra. Jabr. “E não há nenhum lugar seguro para famílias e crianças buscarem refúgio em Gaza.” Houve ocasiões em que ela e seus colegas intervieram enquanto a situação traumática ainda ocorria. “Eu podia ouvir o bombardeio de fundo quando as pessoas me ligaram de Gaza. Foi uma situação muito incomum.”

Ela explicou que os profissionais de saúde mental não estão equipados para fornecer intervenções adequadas para tais situações caóticas. “Mesmo assim, apoiamos as pessoas, aconselhando-as a permanecerem com os pés no chão e manter a rotina normal do dia, apesar de todas as dificuldades.”

LEIA: Crianças em Gaza pedem socorro ao mundo

Uma série de estudos de pesquisa sobre os efeitos da guerra em crianças palestinas que vivem na Faixa de Gaza concluiu que os sintomas de depressão, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático (PTSD) eram proeminentes entre crianças que foram expostas a eventos substancialmente angustiantes, como destruição da casa de sua família; ver membros da família sendo mortos; vendo e ouvindo os jatos e bombas; e a prisão de familiares. Os efeitos são graves e podem prejudicar drasticamente a capacidade da criança de dormir e causar falta de concentração e ataques de pânico, bem como ansiedade. Talvez ainda mais perturbador, eles instilam medo constante.

A Dra. Jabr acredita que o sofrimento deles realmente excede a definição de PTSD. As intervenções e ferramentas desenvolvidas pelo Ocidente para medir a depressão não tendem a distinguir entre sofrimento justificado e depressão clínica. Da mesma forma, as definições clínicas de transtorno de estresse pós-traumático e depressão não se aplicam às experiências dos palestinos.

Além de terríveis ferimentos físicos e privações, essas crianças palestinas enfrentam traumas psicológicos incomparáveis ​​e pobreza esmagadora, com pouco ou nenhum acesso ao apoio e atenção médica de que precisam tão desesperadamente. “É a intensidade da violência e das atrocidades que os cerca. Normalmente somos treinados para fornecer intervenção a pessoas que estão traumatizadas em casos de trauma de evento primário, como acidentes de carro ou ferimentos graves. No entanto, na vida de uma criança palestina, eles vêm de um histórico de traumas históricos, geracionais e coletivos. Oitenta por cento dos palestinos em Gaza vêm de famílias de refugiados que perderam suas casas e mais, e essa grande perda permanece dentro da família. Suas famílias também participaram da Intifada e agora eles estão testemunhando várias guerras e massacres em cima da pobreza.”

Eles se encontram sem qualquer esperança de liberdade, ela acrescentou, ou qualquer sinal de que sua situação vai mudar. O cerco está fragmentando mentes. Em resposta, existe uma cultura de apatia em relação ao destino dos palestinos em Gaza e sua causa, o que deteriora ainda mais sua saúde mental.

“Quando as pessoas veem que as potências mundiais estão do lado do agressor e dizem que Israel tem o direito de se defender e ignorar todas as mortes que acontecem em Gaza, os pais palestinos sentem que são culpados pela morte de seus filhos pelas forças de ocupação israelenses”, disse a Dra. Jabr. “Isso é traumatizante.”

LEIA: Não ignorem a luta palestina

Direcionar a suspeita para a vítima, justificando ou desculpando a violação original que a vítima sofreu, é uma tentativa clara de evitar a culpa israelense pela morte de crianças palestinas. Além dessa desumanização do povo palestino, tal abordagem permite que o como e o porquê essas crianças sendo mortas e feridas sejam esquecidos.

É perfeitamente claro que a comunidade internacional está falhando com o povo da Palestina, especialmente em Gaza. E, no entanto, o discurso da resiliência psicológica tem uma forte influência nisso. A Dra. Jabr abordou um equívoco comum de que as pessoas são resilientes ou completamente sem esperança. Ela acredita que a resiliência é dinâmica e é construída resistindo à opressão, pois proporciona um senso de justiça e representa a moralidade. “Podemos ser resilientes em certos momentos, mas não resilientes em outros momentos. Simultaneamente, as pessoas podem ser traumatizadas enquanto mostram sinais de resiliência.” Este último, acrescentou, depende não apenas de fatores individuais, mas também coletivos, que podem estimular a resiliência dos indivíduos. “Isso não deve ser ignorado.”

Em conclusão, a Dra. Samah Jabr apelou à unidade internacional ao desafiar a agressão de Israel ao se solidarizar com o povo palestiniano na sua resistência à ocupação e às ofensivas militares. “A ajuda mais valiosa é o apoio político quando os palestinos são agentes ativos que lutam por sua liberdade, não quando é tarde demais e eles estão sangrando em torno de cadáveres. E quando se trata de cura, nós palestinos cuidaremos disso. Na verdade, nós já estamos.”

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments