Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito envia um chefe militar para cada aldeia como ‘vingança’ pelo levante Galabiya

Presidente egípcio Abdel Fattah el-Sisi em Bagdá, Iraque em 27 de junho de 2021. [Murtadha Al-Sudani/Anadolu Agência]

O presidente do Egito pediu a seu ministro da Defesa que designasse um oficial militar para “cada aldeia” do Egito.

Abdel Fattah Al-Sisi anunciou a medida em um tweet como parte de um projeto que lançou no ano passado para desenvolver o interior do Egito, chamado “Uma Vida Digna”.

A iniciativa prometia fornecer saneamento, água potável e outros serviços às aldeias dentro de um orçamento de 600 bilhões de libras egípcias (US $ 38 bilhões) a ser gasto em três anos.

No entanto, analistas afirmam que a iniciativa é mais provavelmente uma tentativa do governo de aumentar a presença de instituições estatais e serviços de segurança nas áreas rurais.

Arabi21 relata que esta é uma jogada perigosa e o início da militarização do campo egípcio em vingança pelos protestos de setembro de 2020.

LEIA: “Não serei chantageada:” Ghada Najibe responde ao pedido da Turquia sobre deixar de postar nas mídias sociais

Os protestos eclodiram no Egito no ano passado após um apelo do denunciante Mohamed Ali para a tomada das ruas e união contra o regime em meio a graves violações dos direitos humanos, aumento do custo de vida e demolição de casas.

As manifestações foram generalizadas nas aldeias e no campo por causa da forte presença de segurança nas principais praças do Cairo, Alexandria e Suez, o que lhes valeu o nome de “levante galabiya” em referência ao longo manto tradicionalmente usado no campo.

Pouco antes das manifestações, Al-Sisi ameaçou ordenar ao exército que arrasasse vilas construídas ilegalmente, com dezenas de milhares de pessoas correndo o risco de perder suas casas e sem alternativa viável.

O chefe do gabinete político do conselho revolucionário egípcio, Amr Adel, disse ao Arabi21 que não havia relação entre a proposta de ‘vida digna’ de Al-Sisi e a nomeação de um oficial militar para cada aldeia.

Ele disse que poderia ser uma medida preventiva do governo egípcio contra mais distúrbios, considerando a crescente insatisfação com a incapacidade do governo de garantir os direitos de água do Egito nas negociações em curso da Barragem Renascença.

A previsível escassez de água devido ao enchimento da barragem etíope afetará os agricultores, que podem tomar as ruas em protesto.

Em maio, uma comunicação legal foi apresentada à Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos em nome de cinco agricultores egípcios que afirmam que as políticas governamentais restringiram seu acesso à água do Nilo e limitaram o uso da terra.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments