Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

França acolhe trégua verbal com a Turquia

O presidente francês, Emmanuel Macron (dir.), e o presidente turco. Recep Tayyip Erdogan, se cumprimentam durante uma coletiva de imprensa conjunta em Paris, França, em 5 de janeiro de 2018 [Ludovic Marin/AFP/Getty Images]
O presidente francês, Emmanuel Macron (dir.), e o presidente turco. Recep Tayyip Erdogan, se cumprimentam durante uma coletiva de imprensa conjunta em Paris, França, em 5 de janeiro de 2018 [Ludovic Marin/AFP/Getty Images]

O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, saudou na sexta-feira o que descreveu como o fim das altercações verbais entre Paris e Ancara e exigiu em troca iniciativas reais do presidente Recep Tayyip Erdogan em uma série de questões controversas.

Le Drian disse à BFM TV: “Há uma trégua nos ataques verbais. É uma coisa boa, mas não é suficiente”, considerando que os laços bilaterais entre os dois lados estão “em fase de recuperação”.

Ele acrescentou: “Acabar com os ataques verbais não significa ações, e esperamos ações da Turquia em arquivos confidenciais, especialmente na Líbia e na Síria, bem como no Mediterrâneo Oriental e no arquivo de Chipre”.

“Veremos se o presidente Erdogan mudou mais do que apenas suas palavras, mas também suas ações”, observou o ministro.

LEIA: Este mundo não é seguro para os jornalistas

Depois de meses de tensões crescentes, o presidente francês, Emmanuel Macron, se encontrou com seu homólogo turco na segunda-feira em Bruxelas em uma “atmosfera calma”, e os dois se comprometeram a “trabalhar juntos” nos arquivos da Líbia e da Síria, de acordo com declarações divulgadas por Paris.

A França e outros países estão pedindo a partida de forças estrangeiras e mercenários posicionados na Líbia, a fim de consolidar as esperanças crescentes de alcançar a paz no país. A Organização das Nações Unidas (ONU) estimou o número de forças estrangeiras e mercenárias em cerca de 20.000 no final de 2020.

A questão está intimamente relacionada às forças turcas e aos mercenários sírios destacados pela Turquia em solo líbio, bem como aos mercenários do Grupo Wagner russo.

Le Drian confirmou: “Há um certo grau de abertura e vamos começar a trabalhar com os turcos na questão da Líbia, especialmente as milícias, porque apoiam o envio de milícias”.

Em relação ao Mediterrâneo Oriental, onde ocorreu um incidente entre navios de guerra turcos e um navio da marinha francesa, Paris ficou a favor de Atenas contra as ambições de exploração de gás de Ancara.

Em outubro, Erdogan disse que Macron precisava de “exames mentais”, acusando-o de incitar uma “campanha de ódio” contra o Islã, porque ele defendeu caricaturas ofensivas do profeta Muhammad (que a paz esteja com ele) e seu discurso contra o que ele chama de “extremismo islâmico” na França.

Desde o início do ano, a Turquia intensificou suas iniciativas de aproximação com aliados ocidentais e regionais, a fim de quebrar seu crescente isolamento nos cenários regional e internacional.

LEIA: É hora da Turquia e da OTAN construírem pontes, não queimá-las

Categorias
Europa & RússiaFrançaNotíciaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments