Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Turquia pede extradição de ‘mafioso’ dos Emirados Árabes

Uma fotografia tirada em 26 de maio de 2021 em Istambul mostra, em um telefone celular, Sedat Peker falando em seu canal no YouTube [Ozan KoseAFP via Getty Images]

A Turquia solicitou a extradição do “mafioso” Sedat Peker dos Emirados Árabes. Sem tratado de extradição entre Ancara e Abu Dhabi, no entanto, aparentemente não houve resposta ao pedido formal.

Peker fez sérias acusações contra políticos turcos em seu canal no YouTube no mês passado. Outrora apoiante do governo liderado pelo Partido da Justiça e Desenvolvimento (Partido AK) e com alegados laços estreitos com os ministros, o líder da máfia Peker voltou-se contra ele no início deste ano e começou a fazer uma série de acusações devastadoras contra altos funcionários e empresários. Como resultado, dezenas de milhões de turcos foram colados ao seu canal.

As alegações incluem corrupção, contrabando de drogas, lavagem de dinheiro e venda ilegal de armas. Entre alguns dos mais graves estão aqueles que acusam o filho do ex-primeiro-ministro Binali Yildirim de fazer parte de um esquema internacional de tráfico de drogas. Outra é que uma empresa de segurança privada liderada por um assessor próximo do presidente, Recep Tayyip Erdogan, transportou armas para militantes sírios com Jabhat Al-Nusra em vez dos destinatários turcomanos pretendidos.

Funcionários proeminentes que ainda servem no governo e também são acusados ​​de corrupção incluem o ministro do Interior Suleyman Soylu.

LEIA: Turquia começa julgamento de espião dos Emirados em junho

Fontes anônimas turcas familiarizadas com a situação falaram com o Middle East Eye e revelaram que o pedido de extradição foi feito depois que dois mandados de prisão foram emitidos no início deste ano. O “mafioso” está baseado em Dubai.

De acordo com uma das fontes, o Ministério do Interior da Turquia também contatou o Bureau Central Nacional da Interpol dos Emirados Árabes no mês passado para exigir a prisão de Peker. “A Interpol dos Emirados pediu uma ordem de prisão internacional da Interpol”, como resultado da qual nenhuma prisão foi feita.

A revelação veio depois que Peker anunciou em sua conta no Twitter no domingo que foi levado para interrogatório por oficiais dos Emirados, que então o liberaram e disseram que ele estava livre para permanecer em Dubai ou deixar o país como quiser. “Eles me disseram que eu era um convidado em seu país, já que não houve decisão da Interpol sobre mim”, disse ele. “Eles me disseram que houve muitas ameaças à minha vida.”

De acordo com alguns analistas, Peker até agora evitou apontar o presidente Erdogan em qualquer uma de suas alegações. Ele afirma que respeita o presidente e é leal ao Estado turco. Erdogan e altos funcionários do Partido AK têm se mantido em silêncio sobre toda a questão.

LEIA: Novos ventos sopram na Turquia e no mundo árabe

Categorias
Emirados Árabes UnidosEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioTurquia
Show Comments
Show Comments