Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Prisioneiros israelenses são trunfo da inteligência das Brigadas Qassam

O chefe do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, participa do desfile das Brigadas Ezzeddin al-Qassam, braço armado do grupo palestino Hamas, na Cidade de Gaza, Gaza em 30 de maio de 2021. [Ashraf Amra/Agência Anadolu]

Uma tempestade de especulações seguiu- se às declarações de líderes políticos e militares do Hamas na Faixa de Gaza, especialmente em relação à questão dos soldados de ocupação capturados pelas Brigadas Izz Al-Din Al-Qassam, o braço armado do movimento. Estamos diante de um cenário surreal e nada claro, aberto em todas as frentes a presunções e tentativas de leitura nas entrelinhas.

Os israelenses estão ressentidos porque seus soldados foram capturados e não têm certeza se quatro ou cinco estão detidos e se estão vivos ou mortos. O governo é forçado a entrar no labirinto de negociações indiretas para sua libertação. Nesta situação, é como se se tratasse de fantasmas, e obrigada a dar tudo sem ver nada.

Com o passar do tempo, estamos testemunhando um desenvolvimento notável no discurso das Brigadas Qassam, compensado por um desenvolvimento no uso de ferramentas que remetem a algumas informações indiretas sobre a condição dos prisioneiros de guerra do exército de ocupação. Recentemente, isso significou uma gravação de áudio supostamente feita por um dos prisioneiros israelenses, que pede ajuda a seu governo e sua família para salvá-lo do cativeiro e obter sua libertação.

A ala militar do grupo palestino Hamas, Brigadas Izz ad-Din al Qassam, patrulha uma rua na Cidade de Gaza, Gaza em 23 de abril de 2021. [Ashraf Amra/Agência Anadolu]

É claro que a resistência está contornando intermediários e governos e enviando uma mensagem direta ao público israelense. Ao fazer isso, está atingindo o nervo exposto das contradições israelenses em relação à realidade da situação dos judeus etíopes no autodenominado “Estado judeu”. É provável que a gravação seja da voz de Avera Mengistu, uma etíope, que perguntou se as autoridades estão realmente pensando em todos os soldados israelenses em cativeiro, preocupando-se com eles e trabalhando para sua libertação. A inferência é que o governo de ocupação não está tão preocupado com seu cativeiro como estava com o caso de Gilad Shalit, que foi mantido em Gaza por cinco anos antes de ser libertado em 2011 em troca de 1.027 prisioneiros palestinos.

Desta forma, a resistência embaraça o primeiro-ministro israelense com relação às mentiras que está promovendo ao público de que os soldados estão mortos e que as negociações estão ocorrendo apenas para a devolução de seus corpos. Esta abordagem da resistência é baseada na calma e confiança e visa, em última instância, insultar os militares israelenses, o aparato de segurança e a mídia.

As Brigadas Qassam estão enviando mensagens sobre os prisioneiros para reativar sua causa e pressionar o governo israelense. Ele está apenas revelando uma pequena parte de seu trunfo de inteligência enterrado profundamente, cheio de segredos e soldados. A caixa preta não será aberta até que as células israelenses que privam nosso povo de sua liberdade sejam abertas.

LEIA: Será que o levante da Espada de Jerusalém destruiu Netanyahu?

Publicado originalmente em Arab21

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments