Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Marcha da direita israelense por Jerusalém é remarcada para a próxima semana

Polícia israelense bloqueia a área ao redor da Cidade Velha de Jerusalém como parte da marcha anual do Dia de Jerusalém, em 10 de maio de 2021, para marcar a reunificação de Jerusalém após Israel ter capturado a parte oriental da cidade na Guerra dos Seis Dias de 1967 [EMMANUEL DUNAND/AFP via Getty Images]

Autoridades israelenses anunciaram hoje que permitirão uma marcha de extrema-direita pela Cidade Velha de Jerusalém na próxima semana, apesar de terem cancelado o evento de ontem devido a temores de uma tensão renovada entre o Estado de ocupação e os grupos de resistência palestinos em Gaza. O Hamas havia advertido contra a permissão da marcha pelo bairro muçulmano da Cidade Velha.

O exército disse na segunda-feira que a permissão para a marcha que deveria ser realizada amanhã havia sido retirada. Uma rota alternativa poderia ser considerada, acrescentou ele.

Entretanto, após uma reunião do gabinete do Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu ontem, seu gabinete disse que os ministros haviam concordado que a marcha poderia ser realizada na terça-feira 15 de junho se os organizadores e a polícia chegassem a um acordo.

O aviso do Hamas veio do chefe adjunto do gabinete político do movimento, Khalil Al-Hayya. Ele disse que se a procissão se aproximar da Mesquita Al-Aqsa e de Jerusalém Oriental, então o que aconteceu em 10 de maio poderá ser repetido. Esse foi o início da última rodada de violência liderada por Israel contra os palestinos. Durante os 11 dias subsequentes do bombardeio de Israel contra Gaza, pelo menos 254 palestinos, incluindo 66 crianças, foram mortos.

Conhecida como a Marcha da Bandeira, o comício anual vê israelenses ultra-nacionalistas de extrema direita inundando áreas muçulmanas celebrando a captura de Jerusalém Oriental pelas forças de ocupação sionistas, após uma segunda onda de limpeza étnica em 1967. Entoando “morte aos árabes” e canções racistas altamente ofensivas, milhares são habitualmente vistos desfilando por áreas muçulmanas carregando bandeiras israelenses.

O legislador de extrema-direita Itamar Ben-Gvir, uma figura de destaque do partido israelense de extrema-direita Otzma Yehudit, rejeitou o adiamento da marcha como uma “rendição ao Hamas”. Ele insistiu que se dirigirá à Cidade Velha com sua bandeira amanhã, como planejado.

Israel ocupou Jerusalém Oriental em 1967 e anexou a cidade inteira em 1980, um movimento ilegal que nunca foi reconhecido pela comunidade internacional.

LEIA: Cancelar Marcha da Bandeira é ‘rendição vergonhosa ao Hamas’, diz o político israelense

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments