Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Refugiado sírio é hospitalizado com AVC após Dinamarca revogar sua residência

Muhammad Samir, um refugiado sírio 66 na Dinamarca [@ AlysiaAlexndra/Twitter]
Muhammad Samir, um refugiado sírio de 66 anos na Dinamarca [@ AlysiaAlexndra/Twitter]

Um refugiado sírio de 66 anos na Dinamarca foi hospitalizado com um derrame e hemiplegia depois que as autoridades revogaram sua residência.

Muhammad Samir foi informado pela polícia que seria transferido para um campo de deportação, de acordo com uma postagem no Twitter de um ativista e antropólogo americano-dinamarquês.

 

Os médicos confirmaram que o derrame foi causado por estresse extremo que aumentou sua pressão arterial, escreveu Alysia Alexandra.

No início deste ano, a Dinamarca se tornou a primeira nação da União Europeia a privar os refugiados sírios de sua cidadania, alegando que Damasco e as áreas vizinhas são seguras para retornar e não precisam mais de proteção internacional.

LEIA: Criança morre de fome na Síria após ser enjaulada pelo pai

Em abril, as autoridades dinamarquesas revogaram as residências de 94 refugiados sírios em uma semana, apesar do fato de nem a ONU nem outros países considerarem Damasco segura.

Organizações de direitos humanos disseram que a decisão de declarar partes da Síria como seguras é perigosa, desumana e ilegal.

O regime de Bashar Al-Assad regularmente detém, tortura e faz desaparecer cidadãos à força, enquanto as pessoas lutam para sobreviver enquanto os preços dos alimentos disparam.

O Euro-Mediterranean Human Rights Monitor apelou ao governo dinamarquês para reconsiderar e reavaliar a segurança de Damasco e das áreas circundantes.

Estudantes do ensino médio e universitário, motoristas de caminhão e voluntários de ONGs estão entre as pessoas que foram convidadas a sair.

Porque não há acordos em vigor, os refugiados que perderam a sua residência são colocados em campos de regresso indefinidamente enquanto a Dinamarca finaliza os acordos de deportação.

Várias famílias foram separadas umas das outras e estão sofrendo de PTSD, estresse extremo e depressão como resultado dessa decisão.

Crianças que nasceram na Dinamarca nunca estiveram na Síria e falam dinamarquês melhor do que árabe também estão sendo deportadas.

Em abril, o refugiado sírio Akram Bathish morreu de ataque cardíaco depois que as autoridades dinamarquesas informaram que sua residência seria revogada sob o argumento de que era seguro voltar para casa.

Categorias
DinamarcaEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments