Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quase 200 funcionários do Facebook criticam a supressão de conteúdo pró-Palestina

Quase 200 funcionários do Facebook assinaram uma carta aberta apelando à liderança da empresa para considerar as preocupações de que as vozes pró-Palestina estão sendo suprimidas pelo gigante da mídia social. A carta foi enviada após a última agressão de Israel a Gaza, que resultou na morte de mais de 253 palestinos, incluindo 66 crianças, 39 mulheres e 17 idosos. Durante o ataque de 11 dias, Israel demoliu um prédio que abrigava agências de mídia de todo o mundo. O Facebook foi duramente criticado por suprimir o conteúdo pró-Palestina.

A carta, à qual o Financial Times teve acesso, exorta o Facebook a introduzir novas medidas para garantir que o conteúdo pró-palestino não seja injustamente retirado ou rebaixado, como alguns funcionários e críticos afirmaram ter acontecido durante a recente agressão contra Gaza.

“Conforme destacado por funcionários, imprensa e membros do Congresso, e conforme refletido em nossa classificação em declínio na app store, nossos usuários e comunidade em geral sentem que estamos falhando em nossa promessa de proteger a expressão aberta em torno da situação na Palestina”, diz a carta.

LEIA: Depois do Facebook e do WhatsApp … Google Maps é questionado: ‘Onde está a Palestina?’

“Acreditamos que o Facebook pode e deve fazer mais para entender nossos usuários e trabalhar para reconstruir sua confiança.”

A carta também pede que o Facebook se comprometa a contratar mais talentos palestinos, publique mais dados sobre solicitações patrocinadas pelo governo para remoção de conteúdo e esclareça suas políticas em relação ao antissemitismo.

Entre as recomendações da carta está um apelo ao Facebook para empregar uma auditoria terceirizada das ações de fiscalização em torno do conteúdo árabe e muçulmano, no que parece ser uma indicação de um fracasso mais amplo. A carta também pediu para remeter uma postagem do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, descrevendo civis palestinos como terroristas para seu conselho de supervisão independente.

O Facebook reconheceu o problema. “Sabemos que houve vários problemas que afetaram a capacidade das pessoas de compartilhar nossos aplicativos. Embora os tenhamos corrigido, eles nunca deveriam ter acontecido e lamentamos quem sentiu que não poderia chamar a atenção para eventos importantes, ou quem acreditou que isso foi uma supressão deliberada de sua voz “, disse o Facebook ontem.

“Projetamos nossas políticas para dar voz a todos, enquanto os mantemos seguros em nossos aplicativos e os aplicamos igualmente, independentemente de quem está postando ou quais são suas crenças pessoais.”

A supressão de conteúdo pró-Palestina pelo Facebook e Instagram, que é propriedade da gigante da mídia social, atingiu níveis sem precedentes durante o ataque de Israel no mês passado. Várias agências de notícias palestinas enviaram uma reclamação formal ao Facebook, bem como ao Relator Especial das Nações Unidas sobre Liberdade de Opinião e Expressão, solicitando uma revisão urgente e uma explicação para as decisões tomadas pelo Facebook de suspender contas e postagens afiliadas a Agências de notícias palestinas e comentaristas.

LEIA: Facebook tenta deletar classificação negativa e Apple se recusa a ajudar

A tentativa do Facebook de suprimir o conteúdo pró-Palestina é parte de uma campanha mais ampla para conter as críticas a Israel na mídia e na sociedade em geral. No exemplo mais recente disso, a BBC removeu uma série de vídeos educacionais sobre a Palestina e as origens do projeto de colonização israelense em andamento após a pressão de uma organização lobista pró-Israel, UK Lawyers for Israel (UKLFI) afirmou que os vídeos eram “desequilibrados e partidários”, uma afirmação que muitos dizem ser dirigida contra qualquer um que critique Israel.

O Facebook está censurando a Palestina? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments