Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Funcionários do Facebook pedem desculpas sobre o bloqueio de postagens palestinas

As empresas de rede social estão sob critícas por censura, desinformação e manipulação durante a violência recente em Israel-Palestina (MEE / Ilustração de Mohamad Elaasar)
As empresas de rede social estão sob critícas por censura, desinformação e manipulação durante a violência recente em Israel-Palestina (MEE / Ilustração de Mohamad Elaasar)

Altos funcionários do Facebook pediram desculpas ao primeiro-ministro palestino Muhammad Shtayyah durante encontro online na terça-feira (18), depois que funcionários da empresa reclamaram do bloqueio de postagens palestinas durante a agressão israelense a Gaza, segundo um diplomata que facilitou o encontro.

De acordo com o que foi noticiado pela revista americana “Time”, hoje, sábado (22), autoridades palestinas deixaram a reunião nesta terça-feira, com a impressão de que o “Facebook” havia reconhecido que havia “um problema inerente aos algoritmos“ e que haviam prometido consertá-lo, segundo o chefe da missão palestina no Reino Unido, Hussam Zomlot.

LEIA: Sindicato de Jornalistas Palestinos diz que sites de mídia social são parceiros nos crimes de Israel

Com a escalada israelense no início deste mês, o Instagram restringiu o acesso a postagens e hashtags em árabe que incluíam a frase “Mesquita de Al-Aqsa”.

O Instagram, que é propriedade do “Facebook”, posteriormente recuperou muitas das postagens referentes a “Al-Aqsa”, apontando que as remoções não foram intencionais, e um porta-voz da empresa disse à revista “National”: “As hashtags ficaram restritas por engano.”

A equipe do Facebook, chefiada na reunião pelo vice-presidente de assuntos globais da empresa, Nick Clegg, reconheceu que o Facebook categorizou incorretamente algumas das palavras comumente usadas pelos palestinos, incluindo “mártir” e “resistência” como incitamento à violência.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments