Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Finalmente a unidade: o povo palestino se levantou

Palestinos se reúnem durante um protesto contra os ataques de Israel a Jerusalém e Gaza, em 14 de maio de 2021 em Belém, Cisjordânia [Agência Wisam Hashlamoun / Anadolu]
Palestinos se reúnem durante um protesto contra os ataques de Israel a Jerusalém e Gaza, em 14 de maio de 2021 em Belém, Cisjordânia [Agência Wisam Hashlamoun / Anadolu]

De início, alguns esclarecimentos sobre a linguagem usada para retratar a violência continua na Palestina ocupada, e também em toda Israel. Isto não é um “conflito”. Também não é uma “disputa”, nem “violência sectária”, nem mesmo uma guerra no sentido tradicional.

Não é um conflito, porque Israel é uma potência em ocupação e o povo palestino é uma nação ocupada. Não é uma disputa, porque a liberdade, a justiça e os direitos humanos não podem ser tratados como se fossem uma mera discordância política. Os direitos inalienáveis do povo palestino estão consagrados no direito internacional e humanitário e a ilegalidade das violações israelenses dos direitos humanos na Palestina é reconhecida pelas próprias Nações Unidas.

“Se é uma guerra, então é uma guerra israelense unilateral, que é recebida com humilde, mas real e determinada resistência palestina.

Na verdade, é uma revolta palestina, uma Intifada sem precedentes na história da luta palestina, tanto em sua natureza quanto em seu alcance.

Pela primeira vez em muitos anos, vemos o povo palestino unido, de Al-Quds, Jerusalém, a Gaza, à Cisjordânia e, ainda mais criticamente, às comunidades, cidades e vilas palestinas dentro da palestina histórica – hoje Israel.

Esta unidade é mais importante, é muito mais consequente do que algum acordo entre facções palestinas. Ela eclipsa o Fatah e o Hamas e todo o resto, porque, sem um povo unido, não pode haver resistência significativa, nenhuma visão para a libertação, nenhuma luta para que a justiça seja conquistada.

O primeiro-ministro de direita israelense, Benjamin Netanyahu, nunca poderia ter antecipado que um ato rotineiro de limpeza étnica no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, poderia levar a uma revolta palestina, unindo todos os setores da sociedade palestina em uma demonstração sem precedente de unidade.

LEIA: O Egito nunca será um mediador honesto para a Palestina até que as coisas mudem no país

O povo palestino decidiu superar todas as divisões políticas e as disputas entre facções. Em vez disso, estão cunhando novas terminologias, centradas na resistência, libertação e solidariedade internacional. Consequentemente, eles estão desafiando o faccionalismo, juntamente com qualquer tentativa de tornar a ocupação israelense e o apartheid normais. Igualmente importante, uma forte voz palestina está agora penetrando através do silêncio internacional, obrigando o mundo a ouvir um único canto por liberdade.

Os líderes deste novo movimento são jovens palestinos, cuja participação em qualquer forma de representação democrática tem sido negada, que são constantemente marginalizados e oprimidos por sua própria liderança e pela implacável ocupação militar israelense. Eles nasceram em um mundo de exílio, miséria e apartheid, conduzidos a acreditar que são inferiores, de uma raça inferior. Seu direito à autodeterminação e todos os outros direitos foram adiados indefinidamente. Eles cresceram impotentes vendo suas casas sendo demolidas, suas terras sendo roubadas e seus pais sendo humilhados.

Finalmente, eles estão se levantando.

Sem coordenação prévia e sem manifesto político, esta nova geração palestina está agora fazendo sua voz ser ouvida, enviando uma mensagem inconfundível e retumbante para Israel e sua sociedade chauvinista de direita, de que o povo palestino não é composto de vítimas passivas; que a limpeza étnica do Sheikh Jarrah e o resto de Jerusalém Oriental ocupada, o prolongado cerco em Gaza, a ocupação militar em curso, a construção de assentamentos judeus ilegais, o racismo e o apartheid não passarão mais despercebidos. Embora cansados, pobres, despossuídos, sitiados e abandonados, os palestinos continuarão a salvaguardar seus próprios direitos, seus lugares sagrados e a santidade de seu próprio povo.

Sem direitos humanos em Gaza – Desenho animado [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Sem direitos humanos em Gaza – Desenho animado [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Sim, a violência em curso foi instigada por provocações israelenses no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental. No entanto, a história nunca foi apenas sobre a limpeza étnica de Sheikh Jarrah. O bairro sitiado é apenas um microcosmo da maior luta palestina.

Netanyahu pode ter esperado usar Sheikh Jarrah como uma forma de mobilizar seu eleitorado de direita ao seu redor, com a intenção de formar um governo de emergência ou ainda aumentar suas chances de ganhar uma quinta eleição. Seu comportamento precipitado, inicialmente compelido por razões totalmente egoístas, desencadeou uma rebelião popular entre os palestinos, expondo Israel como o estado violento, racista e discriminatório que é e sempre foi.

A unidade palestina e a resistência popular também se mostraram bem sucedidas de outras formas. Nunca antes vimos essa base de apoio à liberdade palestina, não apenas de milhões de indivíduos comuns em todo o mundo, mas também de celebridades – estrelas de cinema, jogadores de futebol, intelectuais e ativistas políticos, até mesmo modelos e influenciadores de mídia social. As hashtags #SaveSheikhJarrah e #FreePalestine, entre várias outras, estão agora interligadas e têm sido tendências em todas as plataformas de mídia social há semanas. As constantes tentativas de Israel de se apresentar como uma vítima perpétua de alguma horda imaginária de árabes e muçulmanos não estão mais rendendo dividendos. O mundo pode finalmente ver, ler e ouvir sobre a trágica realidade da Palestina e a necessidade de levar esta tragédia a um fim imediato.

Nada disso seria possível se não fosse pelo fato de que todos os palestinos têm razões legítimas e estão falando em uníssono. Em sua reação espontânea e solidariedade genuína e comunitária, todos os palestinos estão unidos, de Sheikh Jarrah a toda Jerusalém, a Gaza, Nablus, Ramallah, Al-Bireh e até cidades palestinas dentro de Israel – Al-Lud, Umm Al-Fahm, Kufr Qana e outros lugares.

“Na nova revolução popular da Palestina, facções, geografia e qualquer divisão política são irrelevantes. A religião não é uma fonte de divisão, mas de unidade espiritual e nacional.

As atrocidades israelenses em curso em Gaza continuam, com um número crescente de mortos. Esta devastação continuará enquanto o mundo tratar o cerco devastador da empobrecida pequena Faixa, como se fosse irrelevante. Pessoas em Gaza estavam morrendo muito antes dos ataques aéreos israelenses começarem a explodir suas casas e bairros. Eles estavam morrendo pela falta de medicamentos, água poluída, falta de eletricidade e infraestrutura destruída.

Devemos salvar Sheikh Jarrah, mas também devemos salvar Gaza; devemos exigir o fim da ocupação militar israelense da Palestina e, com ela, o sistema de discriminação racial e apartheid. Grupos internacionais de direitos humanos são agora precisos e decisivos em sua representação deste regime racista, com a Human Rights Watch – e o próprio grupo de direitos de Israel, B’Tselem – juntando-se ao apelo pelo desmantelamento do apartheid em toda a Palestina.

Fale. Fale mais alto. Os palestinos se levantaram. É hora de nos unirmos a eles.

LEIA: Gaza mudou a perspectiva mundial sobre Palestina-Israel?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoB'TselemHRWIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments