Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Carlos Bolsonaro intervém em compra de aparelho de espionagem israelense

Carlos Bolsonaro, em Rio de Janeiro, 18 de junho de 2019 [Renan Olaz/CMRJ]
Carlos Bolsonaro, em Rio de Janeiro, 18 de junho de 2019 [Renan Olaz/CMRJ]

Uma licitação para a aquisição de uma ferramenta de espionagem israelense criou uma disputa entre o alto comando militar brasileiro e o vereador Carlos Bolsonaro, segundo apurado pelo UOL.

A licitação tem como objetivo a contratação do Pegasus, desenvolvido pela empresa israelense NSO Group, um avançado programa de espionagem que possibilita a invasão de celulares e computadores à distância, sem que o alvo perceba e sem indicar o responsável pelo acesso. Com ele, pessoas e empresas poderão ser monitoradas sem decisão judicial. Segundo reportagem da época, “o Pegasus identifica e recolhe sorrateiramente desde o histórico de conversas do WhatsApp e do Telegram até os lugares por onde o alvo passou, quanto tempo permaneceu em cada um, sua localização exata, além do som e das imagens do ambiente por meio da ativação de microfone e câmera feita remotamente e em tempo real”.

Entretanto, diferente de editais semelhantes, neste os órgãos oficiais de investigação, como a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), não estão envolvidos nas tratativas, diz o uol.

De acordo com a reportagem, o objetivo final de Carlos Bolsonaro, o filho 02 do presidente Jair Bolsonaro, é usar as estruturas do Ministério da Justiça e da Polícia Federal para expandir uma “Abin paralela”, na qual ele tenha grande influência. As fontes ouvidas pelo UOL afirmam que ele tenta diminuir o poder dos militares na área de inteligência. Para isso, ele articulou com Anderson Torres , novo ministro da Justiça, para excluir o GSI da licitação.

Anderson Torres não se opõe ao armazenamento de dados e informações brasileiras por estrangeiros, especialmente empresas com sede na Alemanha ou Israel. Já as equipes da GSI e Abin alegam questões de segurança nacional e não abrem mão de que as informações com dados de cidadãos e empresas nacionais deva permanecer exclusivamente no Brasil.

LEIA: De Brasília a Amazonas, cumplicidade com a limpeza étnica na Palestina, mas também solidariedade

Categorias
América LatinaÁsia & AméricasBrasilIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments