Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mísseis da resistência palestina desequilibram o inimigo

Palestinian firefighters douse a huge fire at the Foamco mattress factory following an Israeli airstrike, east of Jabalia in the northern Gaza Strip on May 17, 2021 [MAHMUD HAMS/AFP via Getty Images]
Palestinian firefighters douse a huge fire at the Foamco mattress factory following an Israeli airstrike, east of Jabalia in the northern Gaza Strip on May 17, 2021 [MAHMUD HAMS/AFP via Getty Images]

O 73º aniversário da Nakba deste ano não foi marcado com tristeza, amargura e pesar pela perda da terra, como foi no passado, mas sim com alegria apesar da dor e do orgulho, apesar da amargura. Isso espalhou esperança entre as pessoas sobre a restauração da Palestina, que foi usurpada pelo inimigo sionista depois que a resistência deu início à sua luta lendária contra Israel e a centelha da intifada foi acesa por toda a Palestina, suas chamas queimando do rio Jordânia para o Mar Mediterrâneo. A revolta não se limita mais a Jerusalém e à Faixa de Gaza, mas também se espalhou pela Cisjordânia e pelos territórios ocupados em 1948. As autoridades de ocupação não conseguiram tirar os moradores de Sheikh Jarrah de suas casas, como fizeram no resto da Palestina ocupada.

Dia da Nakba 1948 [Carlos Latuff/Monitor do Oriente Médio]

Pela primeira vez desde o Nakba, a luta palestina está se estendendo por todas as partes da Palestina. A resistência conectou Gaza e Jerusalém.

Quem diria que um dia os mísseis de Gaza seriam capazes de atingir o aeroporto Ben Gurion, paralisando o tráfego aéreo e forçando o desvio de voos para Grécia e Chipre? Quem teria acreditado que os mísseis poderiam atingir os pontos estratégicos de Israel? Os mísseis Ayyash têm o nome do mártir Yahya Ayyash, que foi assassinado por Israel; eles têm um alcance de 250 quilômetros e pararam o trabalho nos oleodutos Eilat-Ashkelon. Israel apresentou esses dutos como uma alternativa ao Canal de Suez, mas foi forçado a fechar algumas plataformas de campos de gás. Isso reduziu o entusiasmo internacional em investir no setor de gás israelense.

Quem teria acreditado que a resistência poderia forçar a imposição de um toque de recolher em Tel Aviv, enviando colonos ilegais para seus abrigos? Os mísseis causam pânico e medo em todo o estado de ocupação, levando analistas a expressarem preocupações sobre seu futuro, que é mais fraco como resultado. Como dizia a manchete do jornal Maariv, “o estado está em chamas”.

Yair Lapid, chefe do partido Yesh Atid, foi acusado de formar um governo depois que Netanyahu não o fez, e disse que a área está testemunhando uma perda de controle sob a supervisão do primeiro-ministro. Ele também tuitou que manifestantes judeus e árabes declararam guerra a Israel e que não há resposta adequada do governo, da polícia e da liderança.

LEIA: Alertas de ‘terrível massacre’ planejado por Israel contra jornalistas

Na verdade, acho que isso é exatamente o que Netanyahu queria para se proteger; espalhar a anarquia em Israel, primeiro provocando os palestinos com a questão do deslocamento de Sheikh Jarrah, depois aumentando as violações israelenses contra os palestinos na mesquita de Al-Aqsa, às quais se esperava que a resistência palestina em Gaza respondesse plenamente. Por sua vez, o exército israelense lançou ataques intensivos em Gaza, como de costume, e outra guerra se seguiu. Netanyahu é quem começou e é ele quem vai acabar, como sempre acontece. Tudo isso o torna o “homem forte” de Israel, atrasa a formação do novo governo liderado por seu oponente e desvia a atenção das acusações de corrupção contra ele. Pode até levar ao adiamento de seu julgamento.

No entanto, Netanyahu ignorou o fato de que o cenário não é o mesmo de antes; a violência é mais intensa e a raiva é mais forte. Além disso, a luta se espalhou para incluir áreas que normalmente não testemunham conflitos entre árabes e judeus, como a Galileia no norte de Israel, onde os cidadãos palestinos representam metade da população e vivem lado a lado com seus vizinhos judeus. Essa luta também aumentou muito rapidamente pela primeira vez.

Netanyahu também negligenciou o fato de que a raiva palestina está em um nível sem precedentes e a reação às ações de Israel é mais forte; as pessoas estão mais organizadas. Além disso, a disposição de morrer pela causa tornou-se maior.

Ele também ignorou o fato de que a força e as capacidades da resistência palestina em Gaza se desenvolveram em um grau surpreendente. As Brigadas Qassam agora têm mísseis poderosos e sofisticados que atuam como mais um impedimento.

Nunca antes Israel foi desafiado de tal forma, nem mesmo durante suas guerras com os exércitos árabes regionais. O estado de ocupação se comporta como se estivesse gravemente insultado por isso, mas enfrenta ainda mais “indignidade” nas mãos dos combatentes da resistência que dedicaram suas vidas à defesa de sua terra, liberdade e dignidade. Pode até perder novamente.

Por décadas, Israel jogou o velho truque colonial de dividir para governar, dividindo os palestinos em várias seções: uma em Gaza, uma na Cisjordânia, uma em Jerusalém e uma dentro do próprio estado. Também criou a diáspora palestina e tem trabalhado muito para mantê-los todos separados, tentando fazer com que cada seção permaneça focada em si mesma e não preste atenção nas outras. Isso permite que Israel escolha cada um se ousar defender um ou mais dos outros. Assim, os palestinos em Gaza enfrentam uma “retaliação” militar maciça se buscarem defender Jerusalém e seus povos indígenas, enquanto os residentes da Cisjordânia são presos se tentarem participar da luta para suspender o bloqueio imposto a Gaza. O mesmo vale para os palestinos em Jerusalém ou Israel se tentarem defender Gaza ou a Cisjordânia.

LEIA: Israel prende 1.500 palestinos desde abril

A nova Aqsa Intifada mudou isso. Gaza respondeu e mostrou solidariedade com os palestinos em Jerusalém, quebrando as cadeias de divisão e governo para unir todos os palestinos onde quer que estejam, incluindo a diáspora. O povo da Palestina ocupada está assim unido contra a ocupação israelense, apesar de suas circunstâncias e condições muito diferentes.

Mais uma vez, uma guerra foi imposta aos palestinos; eles não a buscaram, mas – todo o louvor e a glória a Deus – o tiro saiu pela culatra, como diz o ditado, e se voltou contra o feiticeiro. O engano dos sionistas se voltou contra eles. Eles começaram a guerra e pensaram que tinham poder suficiente para se proteger; que a ameaça de seu arsenal nuclear e a “Cúpula de Ferro” os protegeria dos foguetes de resistência, mas este não foi o caso. “Eles planejaram, mas Alá também planejou. E Allah é o melhor dos planejadores.” (O Alcorão, capítulo Al-Anfal, versículo 30)

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments