Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel se curva à pressão e adia despejos forçados em Sheikh Jarrah

Forças israelenses intervêm em manifestação em Sheikh Bairro de Jarrah após o plano do governo israelense de forçar algumas famílias palestinas a deixar suas casas em Jerusalém Oriental em 5 de maio de 2021 [ Mostafa Alkharouf /Agência Anadolu]
Forças israelenses intervêm em manifestação em Sheikh Bairro de Jarrah após o plano do governo israelense de forçar algumas famílias palestinas a deixar suas casas em Jerusalém Oriental em 5 de maio de 2021 [ Mostafa Alkharouf /Agência Anadolu]

Israel parece ter se curvado à pressão internacional e adiado o despejo forçado de famílias palestinas de suas casas na Jerusalém Oriental ocupada. A audiência para os despejos deveria ocorrer hoje, mas foi adiada após o ataque deste fim de semana pela polícia israelense contra palestinos desarmados e o ataque à mesquita de Al-Aqsa durante os últimos dias do mês sagrado do Ramadã.

A audiência foi cancelada a pedido do Procurador-Geral de Israel. A previsão é que ocorra em 30 dias. De acordo com a mídia israelense, Avichai Mandelblit anexou um documento secreto ao seu pedido de adiamento, citando a opinião dos serviços de segurança de que os despejos poderiam levar ao aumento da violência.

Mais de 300 palestinos precisam de atenção médica, informaram médicos palestinos após o ataque da polícia paramilitar de Israel. Em uma das cenas mais feias da noite de sábado, a polícia arrombou a porta da mesquita de Al-Aqsa enquanto centenas de fiéis se reuniam para orar. A polícia então disparou granadas de atordoamento e gás lacrimogêneo.

LEIA: Campanha britânica para salvar Sheikh Jarrah tem resposta ‘impressionante’

A violência policial dentro do Nobre Santuário de Al-Aqsa gerou uma condenação quase universal. Os países do Golfo, incluindo os Emirados Árabes Unidos, que normalizaram os laços com Israel no ano passado, expressaram sua oposição.

“O que a polícia israelense e as Forças Especiais estão fazendo, de violações contra a mesquita a ataques a fiéis, é bárbaro”, declarou a Jordânia, que tem a custódia legal da mesquita e de outros locais sagrados muçulmanos e cristãos nos territórios palestinos ocupados, no domingo. A Turquia chamou as ações de “terrorismo”.

Hoje, o Conselho de Segurança da ONU deve convocar uma sessão de emergência para discutir a escalada da violência na Jerusalém ocupada. A sessão será realizada horas antes de uma marcha anual programada de milhares de judeus ultranacionalistas pela cidade sagrada. Teme-se que esta provocação por colonos de extrema direita possa explodir em mais violência.

A última rodada de despejos forçados de famílias palestinas de Sheikh Jarrah é liderada por um grupo de colonos de direita que afirma ter títulos de propriedade das casas que, na realidade, pertencem aos palestinos. De acordo com o direito internacional, Israel é uma potência ocupante e seus tribunais não têm jurisdição no território que ocupa.

Palestinos residentes em Sheikh Jarrah estão sendo substituídos por colonos israelenses enquanto soldados israelenses desocupam a propriedade palestina à força – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

A expulsão forçada de famílias palestinas é um exemplo do crime de apartheid de Israel. O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos disse na sexta-feira que a lei é “aplicada de maneira inerentemente discriminatória”. Acrescentou que a transferência de civis israelenses para terras ocupadas pode ser “proibida pelo Direito Internacional Humanitário e pode ser considerada um crime de guerra”.

Centenas de milhares de palestinos, incluindo cidadãos de Israel, possuem títulos de propriedade das quais foram expulsos em 1948, em uma campanha descrita por historiadores israelenses como limpeza étnica. Muitos enfrentaram uma segunda onda de expulsões em 1967. Apesar de terem as chaves e os títulos de suas casas, eles não têm permissão para retornar ao seu país e reclamar suas propriedades, muitas das quais foram dadas a colonos judeus ilegais da Europa e da América.

A polícia israelense tentou dispersar os fiéis dentro do complexo da mesquita de Al-Aqsa na sexta-feira à noite, usando granadas de choque e bombas de gás. As mulheres também foram alvos das forças israelenses, de acordo com testemunhas.

LEIA: Soldados israelenses e colonos atacam palestinos que resistem ao despejo forçado em Sheikh Jarrah

Categorias
IsraelJordâniaNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments