Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel e seus colonos ilegais demonstram a realidade e brutalidade da ocupação

Forças israelenses prendem uma mulher palestina durante protestos em Sheikh Jarrah, após o governo da ocupação ordenar a expulsão de famílias palestinas de suas casas, em Jerusalém Oriental, 5 de maio de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]
Forças israelenses prendem uma mulher palestina durante protestos em Sheikh Jarrah, após o governo da ocupação ordenar a expulsão de famílias palestinas de suas casas, em Jerusalém Oriental, 5 de maio de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

A violência tornou-se um aspecto permanente do Ramadã para a população civil na Palestina ocupada. Neste ano, o primeiro dia do mês sagrado islâmico vivenciou logo de imediato ataques à liberdade de culto executados pelo exército israelense, que destruiu trancas e cortou cabos dos alto-falantes da Mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém, a fim de silenciar o chamado às orações. Em outra medida de incitação, Israel permitiu que apenas 10 mil palestinos da Cisjordânia entrassem na cidade para realizar suas preces.

Na primeira sexta-feira do mês, apenas 70 mil muçulmanos puderam orar em Al-Aqsa, em contraste com 200 mil fiéis dois anos antes — uma escalada nada incomum.

Colonos radicais israelenses mantêm ataques contra palestinos em Jerusalém ocupada [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Para incitar o confronto, soldados israelenses ainda impuseram novas restrições e ergueram barreiras de metal para selar o Portão de Damasco, acesso histórico da Cidade Velha de Jerusalém ao Nobre Santuário de Al-Aqsa. Um protesto pacífico foi organizado; sem surpresa alguma, tampouco alerta, o exército da ocupação respondeu ao atacar brutalmente os fiéis palestinos com gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral.

Um idoso deficiente esteve entre as vítimas da violenta repressão e as forças ocupantes detiveram ao menos três pessoas. Um policial foi flagrado em vídeo estapeando um homem palestino no rosto, antes de prendê-lo.

Durante o Ramadã, o Portão de Damasco costuma servir como cenário popular de congregação aos palestinos, após o jejum diurno previsto no Alcorão. O pretexto israelense para as novas barreiras foi impedir eventual superlotação. Contudo, dada a longa experiência da ocupação colonial, os palestinos logo compreenderam que as barreiras impostas eram de fato mais outra medida “temporária” que tornar-se-ia em breve permanente, ao dificultar ainda mais o acesso dos árabes nativos à Cidade Velha e seus lugares santos.

LEIA: Israel dispara contra fiéis em Al-Aqsa; 100 palestinos ficam feridos

Enquanto isso, agressões noturnas perpetradas por centenas de colonos extremistas judeus contra os cidadãos palestinos escalaram rapidamente. Os colonos marcharam à Cidade Velha sob escolta de soldados de Israel, entoando palavras de ordem como “Morte aos Árabes” e disparando pedras e gás lacrimogêneo contra transeuntes que eventualmente cruzassem seu caminho. Sob liderança do grupo de extrema-direita Lehava, a marcha foi convocada como apelo para “restaurar a dignidade judaica” em Jerusalém. Em vídeo no Twitter, jovens israelenses foram registrados atirando canos e outros objetos contra famílias palestinas nas áreas residenciais da Cidade Velha de Jerusalém ocupada. Mais de cem palestinos ficaram feridos; soldados israelenses detiveram ao menos cinquenta pessoas.

‘Israel fala muito do direito de defender-se. Aqui vemos jovens israelenses exercendo seu direito de ‘autodefesa’ ao atacar violentamente palestinos em suas casas em Jerusalém’, denunciou Edo Konrad, editor-chefe da rede +972 Magazine

O governo israelense e os colonos ilegais assim encorajados cometem tais agressões somente porque sabem muito bem que a comunidade internacional manterá sua impunidade sobre eles, tampouco fará algo para proteger os palestinos. Políticos ocidentais continuam a conceder a Israel passe livre para fazer o que bem quiser, à medida que uma grande imprensa tradicionalmente cúmplice descreve a situação como “confronto”, como se representasse um conflito entre iguais, ao invés de uma guerra assimétrica entre soldados pesadamente equipados e civis desarmados — como de fato é.

Um relatório detalhado da organização Human Rights Watch concluiu que os estados ocidentais, ao lavar as mãos frente os duradouros abusos de Israel contra a população palestina e concentrar-se em um processo de paz inexistente, permitiu a “consolidação e metástase do sistema de apartheid”.

Com o fim do Ramadã nesta semana, bilhões de muçulmanos em todo o mundo preparam-se para celebrar o feriado islâmico do Eid al-Fitr. Famílias palestinas no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém ocupada, entretanto, enfrentam sua iminente expulsão à força de suas próprias casas, nas quais viveram por gerações e gerações.

No início do ano, a corte distrital israelense em Jerusalém Oriental ocupada aprovou uma decisão para desalojar seis famílias palestinas de suas casas até o mês de maio, a fim de substituí-las por colonos ilegais. Trata-se de mais um crime de guerra do estado ocupante ao transferir partes de sua população ao território ocupado via ofensiva militar. Não obstante, a mesma corte decidiu que outras sete famílias deverão deixar seus lares em Sheikh Jarrah até agosto, em mais um episódio da limpeza étnica em curso perpetrada diariamente contra os palestinos desde a Nakba — em árabe, “catástrofe”; como é chamada a criação do Estado de Israel — em 1948.

Sheikh Jarrah é uma área residencial a menos de um quilômetro de distância dos muros da Cidade Velha de Jerusalém, há muito cobiçada pelo empreendimento colonial israelense. Desde 1967, quando Israel capturou Jerusalém Oriental durante a chamada Guerra dos Seis Dias, organizações dos assentamentos israelenses reivindicam a posse das terras e propriedades em Sheikh Jarrah e registraram diversos processos judiciais com o objetivo de despejar os palestinos do bairro.

LEIA: O que Israel pretende com os ataques a Al-Aqsa e Sheikh Jarrah?

Após a última ordem do judiciário israelense, os palestinos em todo o território ocupado decidiram então protestar em defesa da população nativa de Sheikh Jarrah. Entre os presos estão Tala Obeid, Omar Al-Khatib e Mahmoud Nabil Al-Kurd, cujas famílias enfrentam o deslocamento iminente.

Um jovem foi baleado na perna e outro homem foi esfaqueado por colonos enquanto voltava do trabalho para casa. Colonos israelenses também agrediram palestinos nos jantares do Ramadã, na região, apenas por expressarem solidariedade aos quarenta palestinos, incluindo dez crianças, à margem do despejo arbitrário de suas próprias casas. Gangues coloniais atiraram pedras, garrafas de vidro e outros objetos contra os palestinos locais. Quando estes enfim reagiram, um grande confronto eclodiu entre ambos os grupos.

‘Palestinos desfrutavam de seu iftar em Sheikh Jarrah quando militantes da ocupação os atacaram com gás de pimenta … certamente, haveria reação’, observou uma usuária do Twitter

Tamanha violência perpetuada por colonos e forças da ocupação israelense é bastante previsível durante o mês do Ramadã. Acontece o mesmo na Faixa de Gaza. Em 2014, quando o Ramadã caiu um pouco depois no calendário anual, Israel lançou uma enorme ofensiva militar contra o pequeno território sitiado, resultando em 2.200 palestinos mortos — entre os quais, ao menos 500 crianças —, além de dezenas de milhares de feridos. Os palestinos tentam recuperar-se da mortal ofensiva israelense até hoje.

A realidade é que Israel continua a desprezar e ameaçar a lei internacional e age com impunidade devido à negligência ainda prevalecente na comunidade internacional. Crimes de guerra e lesa-humanidade são cometidos aos olhos da imprensa global; porém, não é preciso investigar muito para determinar os responsáveis. Tais crimes incluem impedir os palestinos de exercer seu direito de acesso aos lugares sagrados durante o Ramadã e no resto do ano. Trata-se da realidade brutal do apartheid israelense e sua ocupação militar.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments