Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A causa palestina é sufocada mas não morre

Palestina na 'Grande Marcha do Retorno'. Em 20 de dezembro de 2020 [Mohammed Asad/ Monitor do Oriente Médio]
Palestina na 'Grande Marcha do Retorno'. Em 20 de dezembro de 2020 [Mohammed Asad/ Monitor do Oriente Médio]

O fato inegável que os eventos atuais na Palestina demonstram, especificamente na  cidade sagrada de Jerusalém e no bairro de Sheikh Jarrah, é que há uma bússola na  direção de uma verdade tão clara que não precisa da luz do sol para ser reconhedida: o direito dos palestinos a Jerusalém.

Os sionistas consideram hoje, 10 de maio, que é também o 28 do Ramadã, um dia sagrado para eles na história do conflito árabe-sionista, entre israelenses e palestinos, e também pelo  reconhecimento dado a eles, nessa data, em 2018, pelo ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

O projeto sionista é claro e prossegue impondo o apartheid aos povo ocupado, ignorando as decisões das Nações Unidas, dos tribunais internacionais ou da Liga Árabe.

LEIA: O cerco do Apartheid Israelense e a Nakba de Jerusalém

Uma série de fatos importantes mostra a capacidade de resistência palestina neste momento, as mais importantes das quais são:

Primeiro:

Esta revolta em massa trouxe a causa palestina de volta à escala das prioridades do mundo árabe e internacional, sendo que os países árabes perderam a esperança com o resultado das campanhas de normalização que se estenderam dos Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Omã até Sudão.

Segundo:

Os acontecimentos em Jerusalém  injetaram ânimo, coragem e vitalidade na defesa do povo palestino. Qualquer que seja a aliança dos governos árabes com o sionismo, os povos árabes permanecem livres e se mostram na linha de frente na defesa de Jerusalém e da Palestina.

Terceiro:

A causa se espalha, apesar da censura. O Instagram fechou algumas contas de ativistas que transmitiam vídeos da Palestina e da Mesquita de Al-Aqsa, e isso mostra que as corporações mundiais não respeitam nada além da linguagem do poder.

Solidariedade mobiliza redes sociais na Índia [Facebook]

Quarto:

Os palestinos de Jerusalém provaram que a cidade é uma larga linha vermelha que não pode ser tocada, e que eles estão dispostos a se sacrificar por ela. Jerusalém é o nome do conflito, e por ela os sacrifícios aumentam inevitavelmente. Se a ocupação avança, o confronto será violento.

Quinto:

A posição oficial árabe em alguns países, como na Argélia, foi de rejeição categórica às normalização com Israel. A Jordânia convocou seu encarregado de Negócios da embaixada de Israel em Amã e condenou os ataques bárbaros israelenses. A  Jordânia terá de fazer mais, pois é a única guardiã da cidade de Jerusalém.

Sexto:

A situação dos palestinos hoje constitui uma porta de entrada para um diálogo árabe-árabe, para unificar visões e objetivos estratégicos, reunir povos e fazer avançar um projeto nacional, além de:

barrar a expansão dos assentamentos e sitiar Netanyahu;

retornar à resistência política;

apresentar os líderes da ocupação aos tribunais internacionais;

parar os acordos anteriores de Kodai Araba, Camp David e outros;

devolver a questão palestina ao abraço árabe de uma forma forte.

LEIA: O que Israel pretende com os ataques a Al-Aqsa e Sheikh Jarrah?

King Faisal:

Ensine a seus filhos que a Palestina está ocupada, que a mesquita de Al-Aqsa é prisioneira, que a entidade sionista é inimiga, que a resistência é uma honra e que não existe um Estado chamado Israel.”

Israel celebra a ocupação de Jerusalém Oriental de 1967 – charge [ Sarwar Ahmed/ Monitor do Oriente Médio]

O Ramadã 28, chamado no sionismo o Dia hebraico de Jerusalém, marca  a ocupação  total de Jerusalém em 1967 e é considerado na doutrina do sionismo entre  grandes acontecimentos para Israel. Os outros são a Declaração de Balfour de 1917, a declaração do estabelecimento de seu suposto estado em 1948; a invasão da sagrada Mesquita de Al-Aqsa por mil colonos em 2017;  o reconhecimento de Jerusalém como  capital israelense por Donald Trump. Este ano, o chamado à invasão da mesquita tenta criar mais uma marca.

Maio tem duas celebrações com significados diferentes. O Dia Internacional de Jerusalém e o Dia Hebraico de Jerusalém confrontam os palestinos e os soldados da ocupação sionista.  No entanto, a firmeza dos Jerusalemitas frente aos colonos é uma constante em todos os dias, e foi o que levou o tribunal da ocupação a adiar as operações de evacuação no bairro Sheikh Jarrah.

Os acontecimentos mostram que a luta nas ruas palestinas transcende organizações e partidos e se orienta por uma bússola clara. Qualquer que seja o tamanho da normalização e dos acordos comerciais, políticos e econômicos entre a entidade ocupante e os países árabes, ou a coordenação de segurança da autoridade em Ramallah em reconhecimento das fronteiras de 4 de junho de 1967, a resistência palestina aponta para o  dia, em breve, em que o ocupante usurpador terá de recuar e devolver a Palestina aos seus legítimos donos.

LEIA: Palestinos de Jerusalém são o sal da terra

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments