Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Presidente da Tunísia alerta para perigo de fragmentação do Estado por dentro

O presidente da Tunísia, Kais Saied, fala durante cerimônia em Túnis, Tunísia, em 22 de março de 2021 [Yassine Gaidi/Agência Anadolu]
O presidente da Tunísia, Kais Saied, fala durante cerimônia em Túnis, Tunísia, em 22 de março de 2021 [Yassine Gaidi/Agência Anadolu]

O presidente tunisiano, Kais Saied, advertiu no sábado que as ameaças aos Estados não vêm de operações terroristas, mas de tentativas de dividir Estados por dentro. Saied fez seu comentário após se reunir com alguns oficiais do exército, da Guarda Nacional e da polícia na zona militar fechada na montanha Chaambi, informou a Agência Anadolu.

“Os perigos que ameaçam os países não são as operações terroristas realizadas por grupos extremistas ou pelos lados que se escondem atrás deles”, explicou. “O perigo real é dividir o estado e tentar atacá-lo por dentro, sob o pretexto de interpretar textos constitucionais ou legais”.

Ninguém está acima da lei, ele insistiu. “Quem quebrar as regras será penalizado pela lei, pelo povo e pela história. Precisamos proteger o Estado tunisiano de todas as tentativas de dividi-lo. As forças armadas, sejam militares ou de segurança, estão todas sob o comando do presidente da República, o Comandante Supremo das Forças Armadas.”

Em 11 de abril, durante uma celebração do 65º Dia das Forças de Segurança Interna na presença do primeiro-ministro, Hichem Mechichi, e do presidente do Parlamento, Rached Ghannouchi, Saied reiterou: “Eu sou o comandante supremo das forças de segurança, não apenas do exército”.

LEIA: Tunísia prende dois membros de rede de financiamento de atos terroristas

O presidente ressaltou que não está inclinado ao que descreveu como monopólio do Exército e de outras forças de segurança. “No entanto, o texto legal é claro […] leis justas e sistema judicial são fatores para garantir a justiça, e quem cometer erros, independentemente de sua posição, será punido na forma que a lei estipular”.

Mechichi respondeu dizendo que “as leis do Estado devem ser aplicadas, e quem quer que as considere inconstitucionais, existem estruturas e órgãos especializados que podem decidir sobre questões semelhantes”. O primeiro-ministro acrescentou que as declarações do presidente lembram a todos que uma “prioridade máxima” deve ser o estabelecimento do Tribunal Constitucional, que é a única instituição habilitada a decidir sobre tais assuntos.

De acordo com o movimento Ennahda da Tunísia, as declarações de Saied sobre ter total comando das forças de segurança interna são “uma violação da constituição e das leis do país e uma violação do sistema político e dos poderes do primeiro-ministro”.

De acordo com a constituição tunisina, o presidente da república é o comandante supremo das forças armadas militares, enquanto o primeiro-ministro supervisiona o Ministério do Interior e todas as forças de segurança a ele afiliadas.

Esse desacordo surge em um momento em que Saied e Mechichi estão envolvidos em uma disputa acalorada, com o último anunciando uma remodelação governamental em 16 de janeiro que o parlamento posteriormente aprovou. No entanto, Saied ainda não convocou os novos ministros para fazer o juramento de posse, pois acredita que a remodelação foi marcada por violações, uma afirmação que Mechichi rejeita.

A Tunísia vive atualmente uma crise econômica e social sufocante, que foi exacerbada pelas repercussões da pandemia do coronavírus, levando a um acentuado declínio econômico durante o ano em curso. Protestos surgiram em várias regiões pedindo às autoridades que atendessem às demandas de grupos sociais específicos.

LEIA: Três supostos terroristas e um bebê morrem durante operação de segurança na Tunísia

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments