Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ongs americanas e israelenses financiam extremistas judeus

Ativistas de direita israelenses de assentamentos próximos protestam em a estrada principal que leva à aldeia palestina de Duma na Cisjordânia ocupada por israelenses em 5 de abril de 2016 [Menahem Kahana/ AFP via Getty Images]
Ativistas de direita israelenses de assentamentos próximos protestam em a estrada principal que leva à aldeia palestina de Duma na Cisjordânia ocupada por israelenses em 5 de abril de 2016 [Menahem Kahana/ AFP via Getty Images]

Organizações não governamentais e fundações isentas de impostos nos EUA e em Israel estão financiando grupos de judeus de extrema direita que invadiram Jerusalém Oriental ocupada há mais de uma semana enquanto gritavam “morte aos árabes”. Os detalhes foram expostos pela T’ruah, uma organização sem fins lucrativos de rabinos.

A T’ruah descobriu detalhes de como o dinheiro está sendo canalizado para grupos extremistas judeus violentos como Lehava, que organizou os protestos de rua anti-palestinos. Isso gerou condenações de muitos setores, incluindo grupos pró-Israel como a Liga Antidifamação (ADL), com sede nos Estados Unidos.

“A violência e o ódio nunca são a resposta e não fazem nada para aliviar uma situação já tensa e tensa”, disse a ADL. “Estamos preocupados que vozes extremistas como Lehava estejam preenchendo o vácuo. Tanto os líderes israelenses quanto os árabes precisam condenar veementemente essas ações e parar de atiçar as chamas do ódio.”

No entanto, Jill Jacobs, da T’ruah, criticou comentários que classificaram os rebeldes judeus de direita como forasteiros marginalizados. Tal abordagem, ela argumentou, “apaga os papéis tanto do governo israelense quanto dos financiadores judeus americanos ao possibilitarem e encorajarem tal violência”.

LEIA: Colonos de Israel ateiam fogo a carros em Jerusalém sob gritos “Que sua vila queime”

Escrevendo no Haaretz, Jacobs disse que, ao longo de vários anos, T’ruah fez uma série de reclamações ao Inland Revenue Service sobre fundações americanas isentas de impostos que canalizam dinheiro para Lehava e outros grupos extremistas judeus de direita.

Uma investigação sobre as fontes de financiamento da Lehava a vincula a várias fundações e indivíduos em Israel e nos Estados Unidos por meio de um elaborado esquema de financiamento. Diz-se que, embora o grupo não tenha seu próprio status fiscal em Israel, as investigações do Centro de Ação Religiosa de Israel e do Bloco Democrático mostraram que a organização recebe dinheiro de outros grupos israelenses sem fins lucrativos registrados, que por sua vez são financiados por fundações americanas e indivíduos.

Jacob citou os Amigos americanos de Yeshivat HaRa’ayon HaYehudi (‘Yeshiva da Ideia Judaica’), cuja organização parceira é “explicitamente” listada pelo Departamento de Estado dos EUA como uma “organização terrorista estrangeira” junto com o Fundo de Caridade da Luz, que tem o nome em homenagem ao falecido Rabino Meir Kahane. O rabino americano pregou e dirigiu o terrorismo contra aqueles que considerava inimigos de Israel ou do povo judeu e defendeu a expulsão forçada de palestinos de territórios controlados por Israel. Ele e seu grupo foram designados como terroristas pelo governo de Tel Aviv.

De acordo com Jacob, ambas as fundações são chefiadas por Levi Chazan, um notório Kahanist, que foi condenado em um ataque em 1984 que feriu sete palestinos em um ônibus. Outro financiamento vem da família Falic, sediada na Flórida, proprietária da Duty-Free Americas.

LEIA: Vídeos de colonos israelenses TikTok mostram seus ataques contra palestinos

Diz-se que uma das maiores fontes de fundos é o Fundo Central de Israel (CFI). Como a maior fundação dos Estados Unidos que canaliza fundos para extremistas israelenses, ela arrecadou cerca de US$ 40 milhões em doações no ano passado para os quais há informações fiscais disponíveis, explicou Jacob. Doações canalizadas por meio do CFI acabam em grupos que defendem israelenses presos por terrorismo e dizem que também recebem israelenses condenados por terrorismo.

Os indivíduos mencionados no relatório incluem muitas figuras conhecidas nos Estados Unidos, como Adam e Gila Milstein, que são os principais doadores para o Conselho Israelense-Americano, Zioness e outros grupos que se consideram pró-Israel. Milstein foi citado em um documentário da Al Jazeera como financiador da notória Missão Canária, que tenta colocar ativistas e acadêmicos pró-palestinos na lista negra.

“Não é suficiente fazer declarações contra a violência dos extremistas, ou fingir que eles representam uma perspectiva marginal”, disse Jacob enquanto apelava aos grupos pró-Israel para assumirem a responsabilidade. “Aqueles de nós comprometidos com os direitos humanos de israelenses e palestinos também devem insistir que as instituições às quais estamos conectados não contribuam para os grupos que promovem o genocídio e organizam os judeus para participarem de violentos ataques.”

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments