Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mortalidade de covid-19 entre médicos egípcios chega a 500

Médicos egípcios em frente ao Hospital Geral em Hurghada, Egito, 14 de fevereiro de 2020 [Marco Di Lauro/Getty Images]
Médicos egípcios em frente ao Hospital Geral em Hurghada, Egito, 14 de fevereiro de 2020 [Marco Di Lauro/Getty Images]

Cerca de 500 médicos morreram de coronavírus no Egito, anunciou o sindicato dos médicos, citando números oficiais.

A Iniciativa Egípcia pelos Direitos Pessoais apelou ao Egito para declarar um estado nacional de luto e tomar medidas urgentes para proteger os médicos.

Também apelou ao governo para que revele os verdadeiros números do número de pessoas infectadas com covid-19 e das que morreram e que dê uma compensação financeira às suas famílias.

Em um tweet, um pesquisador sênior da Carnegie Yezid Sayigh disse que a proporção de médicos em relação ao total nacional de mortes no Egito é seis vezes maior do que nos Estados Unidos.

Em meados de abril, a Associação Médica Egípcia anunciou em um comunicado que 50 médicos morreram em apenas duas semanas e pediu ao Ministério da Saúde que acelerasse o programa de vacinação.

Mais ou menos na mesma época, houve apelos urgentes na governadoria de Sohag para impor um toque de recolher na governadoria, depois que dezenas de pacientes foram impedidos de ir aos hospitais todos os dias, à medida que as infecções aumentavam.

LEIA: Emirados Árabes enviam ajuda alimentar para Egito

Durante três dias, cinco médicos com idades entre 32 e 36 anos morreram do vírus.

O Egito vacinou muito menos cidadãos do que seus vizinhos regionais, cerca de 0,2 por cento de sua população, em comparação com a Arábia Saudita, que vacinou cerca de 19 por cento de sua população, e Marrocos, com 12 por cento.

“Os profissionais de saúde estão na linha de frente na luta contra a covid-19”, disse o EIPR em um comunicado ontem.

“E eles enfrentam os vários riscos de infecção mais do que outros. Esses riscos incluem exposição à infecção de pacientes, carga de trabalho pesada por longas horas, uso de seus equipamentos de proteção individual por longos períodos de tempo e enfrentamento à violência e às vezes abuso de pacientes e famílias sem proteção adequada.”

Desde o início da pandemia, os médicos têm falado sobre o dilapidado sistema de saúde, que precisa desesperadamente de reforma, e a falta de EPI.

Houve indignação quando o Egito enviou ajuda médica a seus aliados em todo o mundo, enquanto os médicos em casa tiveram que comprar suas próprias máscaras.

Durante o curso da pandemia, médicos no Egito foram presos e perseguidos se falassem sobre o perigo da crise no país ou questionassem os números do governo.

Muitos médicos e profissionais de saúde deixaram o Egito nos últimos anos em busca de melhores condições de trabalho.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments