Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Soldados fizeram churrasco na cela de Alaa Al-Rimawi, jornalista em greve de fome

Jornalista palestino Alaa Al-Rimawi [ala2.remawi / Facebook]
Jornalista palestino Alaa Al-Rimawi [ala2.remawi / Facebook]

O jornalista palestino Alaa Al-Rimawi iniciou uma greve de fome depois que doze solados israelenses invadiram sua casa em 21 de abril de 2021, em Ramallah após a meia-noite, confiscaram seu telefone celular e o prenderam na frente de seus filhos.

Al-Rimawi, 34, pai de cinco filhos, trabalha como repórter e coordenador do canal Al Jazeera Mubasher, além de dirigir uma empresa de mídia.

“Alaa me disse, enquanto o prendiam, que ele iria imediatamente iniciar uma greve de fome para protestar contra sua prisão como jornalista, porque é uma violação flagrante dos direitos dos jornalistas garantidos pelas convenções internacionais”, disse sua esposa Maymouna Afana ao MEMO.

Al-Rimawi passou cerca de dez anos e oito meses em prisões israelenses. Foi preso pela última vez em 2018, devido ao seu trabalho na mídia. Ele foi diretor da TV Al-Quds na Cisjordânia. As forças israelenses invadiram a sede do canal, confiscaram todos os aparelhos relacionados ao seu trabalho, incluindo câmeras, aparelhos de gravação e outros, e prenderam vários repórteres que trabalhavam com ele.

Segundo sua esposa, sua prisão está ligada às eleições palestinas. Ele apresentava um programa no canal J-Media chamado “Palestine Elects”, ondeouvia os candidatos das listas eleitorais. Ela explicou que muitos dos candidatos que entrevistou tornara-se alvos ou foram presos.

“As autoridades de ocupação israelenses acreditam que Alaa pode influenciar a opinião pública neste período sensível das eleições palestinas.”

Al-Rimawi, atualmente detido na prisão de Ofer, foi isolado do resto dos prisioneiros por causa de sua greve de fome e foi colocado em confinamento solitário.

“Essa é a política da ocupação. Eles isolam o prisioneiro em greve de fome para quebrar sua vontade, determinação e persistência”, diz Maymouna.

LEIA: Jornalista palestina é presa após expor a luta dos palestinos nas prisões israelenses

Segundo o advogado de Al-Rimawi, todos os interrogatórios realizados com ele foram sobre seu trabalho jornalístico na TV Al-Jazeera e sua gestão do canal de mídia J-Media.

Israel atualmente detém 26 jornalistas palestinos por publicar notícias nas redes sociais.

“Os jornalistas não devem ser processados ​​por realizar seu trabalho e cobrir os eventos que ocorrem na Cisjordânia e as violações israelenses dos direitos do povo palestino. Os jornalistas devem ter liberdade de expressão e de relatar as notícias sem dano ou perseguição, “expressa Maymouna.

Evento de solidariedade em Gaza exigindo a libertação do jornalista Alaa Al-Rimawi que foi detido pelas forças israelenses em sua casa na Cisjordânia [Mohammed Asad/ Monitor do Oriente Médio]

Evento de solidariedade em Gaza exigindo a libertação do jornalista Alaa Al-Rimawi que foi detido pelas forças israelenses em sua casa na Cisjordânia [Mohammed Asad/ Monitor do Oriente Médio]

Devido às restrições da covid-19, os advogados não podem se encontrar pessoalmente com os prisioneiros e os procedimentos do julgamento são conduzidos por videoconferência.

“Alaa disse a seu advogado em sua ligação que vomitou sangue como resultado de sua greve de fome e foi levado a um hospital para exames”, disse Maymouna ao MEMO.

Em seu último julgamento na semana passada, Al-Rimawi foi transferido para prisão administrativa. A detenção administrativa é uma detenção arbitrária na qual os palestinos são mantidos atrás das grades sem qualquer acusação, e sua detenção pode ser renovada indefinidamente por períodos de três ou seis meses.

LEIA: ‘Segurança espanhola serviu de fachada para o Mossad’

“As prisões anteriores de Alaa afetaram nossas vidas em geral e sua saúde em particular, que se deteriorou devido aos longos anos de detenção. Como pai, sua presença é importante em casa, ajudando-me na criação dos filhos e nas tarefas domésticas. um apoio à psicologia de nossos filhos,(que falta) especialmente quando passamos férias em sua ausência, e passamos muitos meses do Ramadã sem ele “, explica Maymouna.

Mohammed Ateeq, um fotojornalista da cidade de Jenin, no norte da Cisjordânia, foi preso enquanto se dirigia para a segunda oração do Ramadã na mesquita de Al-Aqsa, sob o pretexto de não ter permissão das autoridades israelenses para entrar Jerusalém.

Ateeq foi libertado após cinco dias e forçado a assinar uma promessa de que seria detido por um mês e pagaria multa se fosse pego entrando novamente nos territórios ocupados, incluindo a mesquita de Al-Aqsa.

Jornalista palestino Alaa Al-Rimawi [Maymouna Afana]

Jornalista palestino Alaa Al-Rimawi [Maymouna Afana]

Ateeq encontrou-se com Al-Rimawi na prisão de Ofer antes de sua transferência para a solitária. Ele disse ao MEMO que as condições de detenção de Al-Rimawi são degradantes.

“Fui agredido verbalmente e insultado pelos oficiais israelenses, e eles fizeram um churrasco dentro da minha cela e me serviram muita comida para quebrar minha greve de fome. Eles cuspiram em mim e me humilharam para me forçar a comer”, disse Al-Rimawi Ateeq.

Ateeq acrescentou que a saúde de Al-Rimawi está piorando e que ele sofre de “ulceraões na boca, tontura, não consegue andar direito, urina e vomita sangue”.

Al-Rimawi garantiu a Ateeq que ele continuaria sua greve até ser libertado.

“Há uma abordagem sistemática de prender jornalistas, para silenciar suas vozes e fechar seus olhos. A ocupação agora tem medo da palavra da verdade e do poder da narrativa palestina”, afirma Ateeq.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments