Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os negadores do genocídio do Ocidente estão arrastando para baixo a causa palestina

Manifestantes usam máscaras durante um protesto contra as políticas e opressões do governo chinês contra os uigures em frente à embaixada chinesa em Berlim, Alemanha, em 23 de janeiro de 2021 [Abdulhamid Hoşbaş/Agência Anadolu]
Manifestantes usam máscaras durante um protesto contra as políticas e opressões do governo chinês contra os uigures em frente à embaixada chinesa em Berlim, Alemanha, em 23 de janeiro de 2021 [Abdulhamid Hoşbaş/Agência Anadolu]

O influente acadêmico americano Noam Chomsky fez o que chamou de “pergunta simples” em uma entrevista recente com o jornalista Ezra Klein para o New York Times: “A situação dos uigures, um milhão de pessoas que passaram por campos de educação, é pior do que a situação de, digamos, dois milhões e duas vezes mais pessoas em Gaza? Quero dizer, os uigures estão tendo suas usinas de energia destruídas, suas usinas de esgoto destruídas, sujeitas a bombardeios regulares? Isso não está acontecendo com eles? Não que eu saiba”.

Nesse segmento específico, ele resumiu a visão de mundo política de muitos progressistas e outras figuras do que ficou conhecido como a “Nova Esquerda”.

Chomsky reconhece que “há evidências suficientes para mostrar que há uma repressão muito severa” contra os uigures pelo governo chinês, e que “devemos protestar contra isso”. Ele entra em um território totalmente diferente, no entanto, quando raciocina sobre o que está acontecendo em Xinxiang: “Há uma diferença crucial em relação a Gaza. Ou seja, no caso dos uigures, não há muito que possamos fazer a respeito, infelizmente. No caso de Gaza, podemos fazer tudo a respeito, já que fomos responsáveis ​​por isso, podemos pará-lo amanhã.” Grande propaganda para os palestinos e sua causa; não tão grande para os uigures sofrendo nas mãos do governo chinês.

Apesar de tal comparação razoável e justa no contexto da ameaça percebida representada por Pequim, ela efetivamente dá vários graus de importância aos crimes contra a humanidade, atrocidades e genocídios. De acordo com essa lógica, o internamento de uigures em “campos de reeducação” e as torturas que neles ocorrem, juntamente com o bem documentado abuso sexual e esterilização forçada de mulheres uigures pelas mãos das autoridades chinesas, não importa como tanto quanto a ocupação militar e o apartheid sofridos pelos palestinos nas mãos de Israel.

Indo mais fundo, descobrimos que esta não é a primeira vez que Chomsky minimizou os crimes contra a humanidade; durante décadas, ele figurou no revisionismo dos crimes de guerra relativos ao genocídio sérvio dos bósnios na década de 1990. Notavelmente, ele escreveu o avanço de um livro – The Politics of Genocide – que afirmava que as forças sérvias “incontestavelmente não mataram ninguém, exceto ‘muçulmanos bósnios em idade militar’”. O jornalista australiano John Pilger escreveu um endosso ao livro.

Tanto Chomsky quanto Pilger rejeitaram ativamente as críticas a suas posições, lutando com unhas e dentes contra a classificação do massacre e estupro em massa de bósnios como um genocídio. Eles nunca voltaram atrás em seus pontos de vista.

LEIA: Mulheres estão pagando um preço alto no genocídio uigur na China

Uma figura como Chomsky, no entanto, é na verdade um exemplo moderado desse fenômeno, pois pelo menos ele não negou totalmente os assassinatos dos bósnios ou a atual perseguição aos uigures; ele simplesmente contestou seu significado.

Há uma classe crescente de acadêmicos e intelectuais no Ocidente e que estão de fato negando totalmente que tais atrocidades realmente ocorram. É a maior ironia que eles sejam alguns dos oponentes mais proeminentes da opressão de Israel contra os palestinos.

Esses números incluem jornalistas como Ali Abunimah, o cofundador da The Electronic Intifada, que afirmou em março que a perseguição e a limpeza étnica de uigures é uma farsa criada e perpetuada pelos sionistas. Além disso, sua negação de tais questões remonta a mais de uma década, tendo minimizado previamente as atrocidades das forças sérvias contra os albaneses do Kosovo e alegando que Kosovo é um projeto apoiado pela OTAN e sionista com a intenção de desmantelar algum tipo de Grande Sérvia.

O professor David Miller, da Grã-Bretanha, também esteve no centro de uma feroz campanha contra ele pelo lobby pró-Israel por supostamente propagar o ódio racial. Colocando essas acusações de lado, no entanto, Miller é conhecido há muito tempo como uma figura-chave e voz no apoio ao regime sírio de Bashar Al-Assad e na rejeição das atrocidades cometidas contra os oponentes de Assad.

O presidente sírio, Bashar Al-Assad, em Damasco, Síria em 11 de fevereiro de 2016 [Joseph Eid/AFP/Getty Images]

Miller atua como membro do Grupo de Trabalho sobre a Síria, Propaganda e Mídia, um grupo de acadêmicos e ativistas cujo objetivo é desacreditar a missão de averiguação da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), que considerou Assad culpado de prováveis numerosos ataques químicos contra seu próprio povo.

Esse grupo e suas afiliadas também insistem que a organização de Defesa Civil Síria conhecida como Capacetes Brancos é paga por agências de inteligência ocidentais para realizar os ataques químicos e incriminar o regime de Assad. Essas teorias foram desmascaradas e são baseadas em evidências frágeis e incertas.

O que estamos testemunhando é uma tendência crescente e sustentada por intelectuais, acadêmicos, jornalistas e até políticos no Ocidente – principalmente na esquerda – de traficar desinformação não apenas sobre visões políticas, mas também a negação de crimes contra a humanidade, classificados como genocídio ou não.

Entre suas tendências está a de ter a Rússia em alta consideração e irrepreensível; ignorar abertamente e até negar atrocidades cometidas por regimes como o de Assad; e ver todos os que discordam como terroristas apoiados pelo Ocidente ou agentes do imperialismo norte-americano.

LEIA: Turquia levanta direitos uigur em reunião com ministro chinês

Uma coisa é jornalistas e ativistas espalharem teorias da conspiração com base em pesquisas imprecisas e desinformação intencional, mas é algo totalmente diferente quando feito por intelectuais e acadêmicos reconhecidos cujo próprio status inevitavelmente lhes dá credibilidade aos olhos do público. Os efeitos disso já foram vistos, com tais visões movendo-se das periferias da dark web e da política partidária para o mainstream.

Essa foi a mensagem clara quando a Academia Sueca anunciou em outubro de 2019 que o Prêmio Nobel de Literatura seria concedido a Peter Handke, um proeminente negador do genocídio conhecido por seus elogios e admiração pelo ex-líder sérvio Slobodan Milosevic, responsável por pelo menos 66 acusações de genocídio e crimes de guerra. Handke até visitou Milosevic na prisão e compareceu a seu funeral em 2006, declarando a famosa frase: “Estou aqui pela Iugoslávia, pela Sérvia, por Slobodan Milosevic”.

A negação do genocídio nunca foi um sinal de integridade acadêmica, mas cheira a desonestidade intelectual que muitas das figuras envolvidas apoiam abertamente a causa palestina e criticam corretamente a ocupação e opressão israelense. Que eles aparentemente não sejam capazes de aplicar a mesma fórmula à opressão dos bósnios, sírios e agora dos uigures é um mistério.

Além disso, o tiro pode sair pela culatra para eles estrategicamente, já que não estão conquistando corações e mentes entre aqueles que estão sendo oprimidos por gente como o Partido Comunista Chinês ou Assad. O revisionismo dos crimes de guerra pode levar as diásporas síria e uigur – bem como facções da oposição síria – a se voltarem para Israel e seu lobby no Ocidente em busca de apoio. Isso seria desastroso para o povo da Palestina ocupada.

Isso já aconteceu com muitas facções curdas, que expressaram cada vez mais apoio ou simpatia por Israel nos últimos anos. Enquanto os curdos se sentiam isolados pela comunidade internacional, Israel deu seu apoio a eles, pelo menos superficialmente.

Enquanto os negadores do genocídio dominam e arrastam para baixo a causa palestina, um vácuo está sendo deixado para trás em termos de apoio a outros povos oprimidos. Esse vácuo poderia ser preenchido pelo lobby pró-Israel. É isso que os negadores do genocídio querem?

LEIA: Tratamento da China aos uigures é genocídio, confirma Parlamento da Holanda

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChinaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaSíria
Show Comments
Show Comments