Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mulheres estão pagando um preço alto no genocídio uigur na China

Membros da minoria Mulheres Muçulmanas Uigures seguram cartazes e bandeiras enquanto se manifestam, em 8 de março de 2021. [Ozan Kose/AFP via Getty Images]
Membros da minoria Mulheres Muçulmanas Uigures seguram cartazes e bandeiras enquanto se manifestam, em 8 de março de 2021. [Ozan Kose/AFP via Getty Images]

É um fato que o estupro e o abuso sexual foram usados ​​como armas de guerra ao longo da história. A falta de segurança deixa mulheres e meninas, em particular, mais vulneráveis ​​do que o normal à violência. Por muito tempo, isso foi apenas aceito como inevitável em conflitos, e poucos esforços foram feitos para processar os autores de estupros em massa e violência sexual. Vimos isso na Bósnia na década de 1990, onde, por exemplo, o ACNUR relatou que 50.000 mulheres foram estupradas por sérvios bósnios como uma tática de guerra.

A Convenção de Genebra oferece proteção teórica aos indivíduos contra estupro e ameaças de violência em zonas de conflito desde 1946. No entanto, só em 1998 a ONU aprovou uma resolução classificando a violência sexual em conflito, incluindo estupro, como crime de guerra.

De acordo com a Anistia Internacional, uma em cada três mulheres em todo o mundo é vítima de violência de gênero. Com as mulheres tradicionalmente vistas como cuidadoras das gerações futuras em comunidades ao redor do mundo, se um grupo deseja controlar outro, isso geralmente é feito por meio da tortura e do estupro de mulheres da comunidade-alvo.

A ONU destacou as políticas genocidas do governo chinês contra as mulheres uigures no Turquestão Oriental, agora conhecida como província de Xinjiang. De acordo com um relatório publicado no mês passado pelo Newslines Institute, documentos oficiais de 2019 revelam os planos de Pequim para uma campanha de esterilização em massa de mulheres nas regiões rurais uigures, visando até 34 por cento de todas as mulheres casadas em idade reprodutiva.

LEIA: Turquia levanta direitos uigur em reunião com ministro chinês

O relatório independente foi preparado por mais de cinquenta especialistas em direito internacional, genocídio e China. Ele disse que as políticas do governo chinês em Xinjiang violaram todas as disposições da Convenção do Genocídio da ONU. Ele aponta que “o genocídio em curso contra os uigures é um resultado lógico de uma série de atos sequenciais e cumulativos, evoluindo da coleta de dados biométricos de residentes uigures para a atribuição de equipes de quadros do partido para monitorar as famílias uigures, para a destruição de locais culturais e religiosos uigures, língua, literatura e poesia – todas as bases da vida e identidade uigures – para a criminalização das práticas religiosas uigures, a construção e a expansão de campos de prisão e centros de detenção em todas as áreas povoadas da região, os ciclos de prisão em massa de uigures e trabalho forçado, para abortos forçados sistemáticos e esterilização de mulheres uigures em idade reprodutiva, estupro generalizado e abuso sexual, e a separação forçada de crianças uigures de seus pais desaparecidos”.

No ano passado, uma investigação conduzida pelo pesquisador alemão Adrian Zenz e relatada pela Associated Press descobriu que “a China está tentando minimizar a taxa de natalidade na região oprimida por meio de exames de gravidez, aceitação forçada de dispositivos intrauterinos, esterilização compulsória e até aborto para centenas de milhares de mulheres”. A pesquisa de Kenz revelou evidências de controle de natalidade e esterilização feminina em massa.

Cerca de oitocentos mil a dois milhões de uigures e outros muçulmanos, incluindo cazaques e uzbeques étnicos, foram detidos pelas autoridades chinesas desde abril de 2017, de acordo com especialistas e funcionários do governo. Falei com uma senhora uigur que tem protestado contra o governo chinês por não poder ver o marido há dois anos. Ela pediu anonimato por razões de segurança.

“Onde está meu marido? Ele foi tirado de mim depois de nossa noite de núpcias”, ela perguntou. “O governo chinês está publicando um vídeo de propaganda da minha área, Kashgar, na região de Xinjiang Uyghur. Quase não há homens uigures nesses vídeos de propaganda. Onde eles estão? Eles foram mortos?”

Ela me contou que uma de suas irmãs passou dois meses em um campo de detenção onde foi esterilizada à força junto com outras mulheres uigur em sua área. “Ela perdeu uma parte de seu corpo. Eles querem que percamos nossa identidade feminina.”

Uma mulher em Xinjiang disse ao Projeto Uigur de Direitos Humanos que há 16 anos espera o retorno do marido para casa. Quando ela tinha cinco anos, a China levou seu pai, depois levou seu marido. Ela é uma vítima da estratégia da China de separar as famílias uigures.

As mulheres estão pagando um preço muito alto no genocídio uigur na China, com violações contra seus corpos e a destruição de suas famílias. É um aspecto do genocídio conduzido por Pequim que muitas vezes é esquecido, mas é de grande importância.

LEIA: Tratamento da China aos uigures é genocídio, confirma Parlamento da Holanda

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChinaEuropa & RússiaONUOpiniãoOrganizações InternacionaisTurquia
Show Comments
Show Comments