Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Marrocos vai a evento sionista para pressionar Biden sobre Saara Ocidental

Ministro de Relações Exteriores do Marrocos Nasser Bourita durante coletiva de imprensa na sede da ONU em Genebra, 6 de dezembro de 2018 [Fabrice Coffrini/AFP/Getty Images]
Ministro de Relações Exteriores do Marrocos Nasser Bourita durante coletiva de imprensa na sede da ONU em Genebra, 6 de dezembro de 2018 [Fabrice Coffrini/AFP/Getty Images]

O Ministro de Relações Exteriores do Marrocos Nasser Bourita pretende participar de uma conferência organizada pelo Comitê de Assuntos Públicos Israelo-Americano (AIPAC), proeminente grupo de lobby sionista, no próximo dia 6 de maio.

A medida é interpretada como tentativa de reforçar o apoio do lobby sionista após Presidente dos Estados Unidos Joe Biden adotar uma postura ambígua sobre o Saara Ocidental.

A rede pró-governo Le 360 reportou que o AIPAC confirmou a primeira participação oficial do Marrocos nas atividades do grupo. Bourita, segundo os relatos, será entrevistado online como parte do Programa de Primavera do Meio Atlântico, na próxima semana.

O Marrocos busca desenvolver relações com Israel e seu lobby internacional, após normalizar laços com a ocupação em dezembro último.

O acordo promovido pelo ex-presidente Donald Trump prometeu, em troca, o reconhecimento da soberania marroquina sobre o Saara Ocidental. No entanto, Joe Biden, sucessor do republicano na Casa Branca, parece não possuir a mesma opinião sobre a disputa.

LEIA: Israel e Marrocos se reúnem para estreitar laços e cooperação

Na última semana, a embaixadora dos Estados Unidos no Conselho de Segurança da ONU Linda Thomas-Greenfield reivindicou a retomada de negociações entre Marrocos e a Frente Polisário — movimento que busca a independência saarauí.

A diplomata também exortou o Secretário-Geral das Nações Unidas António Guterres a acelerar a indicação de um enviado especial ao Saara Ocidental; contudo, sem qualquer referência à suposta soberania marroquina sobre o território disputado.

Nesta conjuntura, o Marrocos e o lobby pró-Israel mantêm receios em comum sobre a posição de Washington, à medida que Biden protela uma posição clara sobre a questão.

O website americano Jewish Insider, especializado em análise política, argumentou que a existência de relações diplomáticas plenas entre Rabat e Tel Aviv depende apenas da intenção da Casa Branca de reavaliar ou não as medidas de Trump.

Caso Biden decida recuar da decisão, observou o website, o Marrocos possivelmente suspenderá os avanços de sua diplomacia com o estado sionista mais outra vez.

A questão continua ainda a incitar divisão no Senado dos Estados Unidos.

Ao justificar a retomada de relações com Israel a seus cidadãos, o Marrocos preferiu destacar a “vitória histórica” do reconhecimento de Trump concernente à disputa no Saara Ocidental.

Não obstante, Rabat resguarda agora duros receios sobre a ambiguidade da gestão democrata, dado que a equipe de Biden não revogou formalmente a decisão, apesar da declaração de sua representante no Conselho de Segurança, na última semana.

O Marrocos, porém, não emitiu nenhum comentário oficial sobre a posição dos Estados Unidos, embora fontes da imprensa e figuras pró-governo tenham expressado forte apreensão sobre a nova política externa de Washington para a região.

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelMarrocosNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments