Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os pogroms de Israel em Jerusalém

Forças israelenses intervêm contra jovens muçulmanos palestinos, que se reuniram após realizar a oração de Tarawih, Portão de Damasco, em Jerusalém Oriental, em 18 de abril de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]
Forças israelenses intervêm contra jovens muçulmanos palestinos, que se reuniram após realizar a oração de Tarawih, Portão de Damasco, em Jerusalém Oriental, em 18 de abril de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

A Encyclopaedia Britannica define um pogrom como “um ataque de multidão, aprovado ou tolerado pelas autoridades, contra pessoas e propriedades de uma minoria religiosa, racial ou nacional”.

Isso é exatamente o que está acontecendo hoje contra o povo palestino em Jerusalém.

Os palestinos não são uma minoria na Palestina – o país que fica entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo. Mas, devido ao regime de apartheid de Israel, que governa o país desde 1948, a maioria dos palestinos foi expulsa das áreas que hoje formam o chamado “Israel propriamente dito”, e que muitos palestinos chamam de “Palestina de 1948”.

Devido a um lento processo de limpeza étnica israelense desde então, os palestinos não são mais a maioria em Jerusalém. Porém, nas últimas semanas, esse processo se acelerou naquela cidade, a capital histórica da Palestina.

Algumas imagens verdadeiramente aterrorizantes circularam online – incluindo por jornalistas confiáveis ​​- mostrando pessoas enfurecidas, em sua maioria jovens israelenses, atacando palestinos em Jerusalém e gritando “Morte aos árabes” (enquanto eram incitados e liderados pelos principais líderes políticos e religiosos israelenses).

Esse não é um fenômeno novo, mas aumentou nas últimas semanas, em parte devido a uma decisão de um tribunal israelense exigindo novas expulsões de famílias palestinas do bairro de Sheikh Jarrah em Jerusalém.

LEIA: Palestinos são atacados em Jerusalém enquanto israelenses de ultradireita marcham e gritam ‘morte aos árabes’

As famílias têm esperado até o início de maio para deixar suas casas e entregá-las aos colonos israelenses.

Essas ações do Estado de apartheid de Israel apenas encorajaram as mensagens de ódio, como “Morte aos Árabes”. E aí está a chave para compreender a essência de um pogrom.

O vídeo era de um filme de 2009 sobre Sheikh Jarrah. Mas, como JVP observa, poderia facilmente ter sido filmado hoje. Expulsões de palestinos por fanáticos sionistas religiosos altamente ideológicos ainda são realizadas com frequência, da mesma forma que vemos no vídeo.

Mas a parte mais reveladora do vídeo talvez não seja tanto as ações da máfia em si, mas como elas são endossadas e apoiadas pelo estado racista.

LEIA: O presidente palestino e a mulher de Cezar: não basta denunciar o apartheid israelense

Você vê os bandidos da força militar altamente armada da “Polícia de Fronteira” de Israel, observando a tomada de controle, certificando-se de que os palestinos não possam se defender ou defender suas casas.

Essa é a própria definição de pogrom.

No clipe postado pelo JVP, o líder colono israelense Jonathan Yosef é descaradamente explícito sobre tudo isso, dizendo: “Nós tomamos casa após casa. Toda essa área será um bairro judeu […] Vamos para o próximo bairro e depois disso vamos [para] outros. Nosso sonho [é] que toda a Jerusalém Oriental seja como a Jerusalém Ocidental. [Uma] capital judaica de Israel”.

Ele, então, dá uma definição muito mais clara, muito mais honesta – e francamente mais precisa – do sionismo do que os dissimuladores mentirosos do sionismo liberal e “de esquerda” jamais poderiam (com seu absurdo sobre “autodeterminação judaica” em um país que nunca foi exclusivamente judeu).

Eu vejo isso como uma continuação do projeto sionista. O retorno a Zion. É às custas dos árabes? Sim. Mas nossas instituições governamentais também foram construídas às custas dos árabes que viviam aqui. E assim era o próprio estado

ele disse.

Tudo o que Yosef disse nessa definição de sionismo é objetivamente verdadeiro. A diferença, porém, é que ele pensa que tal extremismo racista e violento é bom e louvável, enquanto eu (e a vasta maioria das pessoas ao redor do mundo) o rejeitamos como uma injustiça horrível.

Yosef não é uma figura marginal ou apenas um extremista obscuro de olhos selvagens. Como relata meu colega David Sheen, ele faz parte do conselho municipal de Jerusalém para o Shas – um partido extremista religioso que também conquistou o terceiro maior número de cadeiras no parlamento de Israel nas eleições do mês passado.

Mas os palestinos não mostram nenhum sinal de recuar ou desistir ou – nas palavras do fundador racista do sionismo Theodor Herzl – permitir que Israel “espirre a população sem um tostão para o outro lado da fronteira” da Palestina.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments