Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

ONU apela à Suíça para repatriar crianças que vivem em campos da Síria

Uma criança síria segura um ursinho de pelúcia na loja de brinquedos infantis de Muhammed Kiteys, em um acampamento em Idlib, Síria, em 1º de fevereiro de 2021 [Muhammed Said/Agência Anadolu]
Uma criança síria segura um ursinho de pelúcia na loja de brinquedos infantis de Muhammed Kiteys, em um acampamento em Idlib, Síria, em 1º de fevereiro de 2021 [Muhammed Said/Agência Anadolu]

Especialistas em direitos humanos da ONU pediram hoje à Suíça que repatrie duas irmãs de Genebra de um campo miserável no nordeste da Síria, cinco anos depois que as meninas foram supostamente sequestradas por sua mãe que se juntou ao Daesh, informou a Reuters.

Mais de 60.000 pessoas, dois terços delas crianças, estão detidas em campos para famílias associadas aos combatentes do Daesh, que o chefe do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) descreveu após uma visita em março como uma “tragédia à vista de todos”.

Os campos Al-Hawl e Al-Roj, administrados por forças curdas sírias, mantêm cidadãos de cerca de 60 países que fugiram dos enclaves finais do Daesh.

“Os pais das meninas, que moram em Genebra, pediram ao governo suíço que tomasse as medidas necessárias para repatriar suas filhas, que foram aparentemente levadas por sua mãe de férias em agosto de 2016, mas acabaram na Síria”, disseram os especialistas independentes da ONU em um comunicado.

“A repatriação dessas duas crianças não deve ser atrasada mais”, disseram, acrescentando que se acredita que as meias-irmãs estejam detidas em Al-Roj. A jovem de 14 anos tem anemia e acredita-se que tenha sofrido um grave ferimento por estilhaço na perna, ainda necessitando de aparelhos ortopédicos após três operações, disseram eles. O menino de oito anos também estava com a saúde debilitada.

Não houve reação imediata do Ministério das Relações Exteriores da Suíça a um pedido de comentário à Reuters. O governo federal suíço, em uma declaração de 2019 sobre “viajantes motivados pelo terrorismo”, disse que seu primeiro objetivo era proteger o país e sua população, acima dos interesses individuais.

“As crianças não deveriam ter que suportar o terrível fardo de simplesmente nascer de indivíduos supostamente ligados ou associados a grupos terroristas designados”, disseram os especialistas da ONU.

Devem ser reconhecidas como vítimas e a sua reintegração e reagrupamento familiar, se possível, deve ser uma prioridade, afirmaram.

LEIA: Menina de quatro anos detida na Síria voa para a casa no Canadá; mãe fica para trás

Categorias
Europa & RússiaNotíciaOriente MédioSíriaSuíça
Show Comments
Show Comments