Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A nova autoridade da Líbia conseguirá cortar as ligações externas de Haftar?

O marechal de campo líbio Khalifa Haftar (C) entra em uma limusine ao sair do Hotel de Rome em 21 de janeiro de 2020 em Berlim, Alemanha. [Sean Gallup / Getty Images]
O marechal de campo líbio Khalifa Haftar (C) entra em uma limusine ao sair do Hotel de Rome em 21 de janeiro de 2020 em Berlim, Alemanha. [Sean Gallup / Getty Images]

O autodenominado Marechal de Campo Khalifa Haftar é um sério obstáculo para o Governo de Unidade Nacional (GNU). Ele pode revelar-se um problema mais complexo do que o esperado inicialmente, levando tempo e paciência para resolvê-lo. É enganoso presumir que lidar com Haftar é uma questão político-militar fácil. A forma como ele é tratado também pode definir a relação entre qualquer governo civil e o estabelecimento militar na nova Líbia.

Ele tem desempenhado um papel contínuo no conflito na Líbia desde que apareceu pela primeira vez em cena em maio de 2014. Entre 2015 e 2019, ele ganhou destaque graças, entre outras coisas, ao apoio estrangeiro.

Países como o Egito, vizinho oriental da Líbia, apoiaram Haftar e seu autoproclamado Exército Nacional da Líbia, acreditando que ele poderia oferecer segurança em face do aumento das ameaças terroristas ao Egito. O regime egípcio focado na segurança considerou que Haftar poderia ser confiável como segurança de fronteira para combater o tráfico de armas e o movimento de supostos terroristas através das fronteiras.

Os Emirados Árabes Unidos e a Rússia ofereceram ajuda ao general septuagenário, pois ele representava uma oportunidade de acesso à Líbia para suas estratégias de longo prazo. A França ajudou Haftar, em parte, a conter a Rússia e a Turquia e acessar os vastos recursos petrolíferos da Líbia, dos quais Haftar controlava grande parte.

Para o general, estar ativo na Líbia e até nutrir a esperança de governar o país é uma ambição de muito tempo. Tendo passado a maior parte de sua vida no exílio, após disputas com seu ex-chefe, o falecido coronel Muammar Gaddafi, Haftar acredita que tem o direito de governar a Líbia e desfrutar de parte de sua vasta riqueza.

Apesar das perdas e derrotas que sofreu no ano passado ao tentar tomar Trípoli à força, Haftar ainda não está fora do jogo de poder neste país devastado pela guerra. Ele está caído, mas ainda não saiu.

LEIA: Crise sobre distribuição de posições soberanas afeta Líbia

No entanto, não se consegue muito sem ele em termos de cessar-fogo e acordo político, mas contar com ele também é um problema, visto que é controlado por poderes externos que o apoiam.

Depois que o GNU assumiu, tudo isso parece estar mudando. Até agora, a relação entre Haftar e o GNU é de esperar que algum milagre convença o general a seguir as regras do novo jogo da cidade.

Quando GNU foi formado, e antes mesmo de ganhar o voto de confiança parlamentar, um porta-voz de Haftar deu as boas-vindas à nova autoridade. Mas além desta declaração geral, Haftar fez pouco mais para mostrar seu apoio, ou mesmo que esteja disposto a respeitar e jogar pelas regras acordadas no roteiro que produziu o próprio GNU.

General Khalifa Haftar assumindo o controle da Líbia - Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

General Khalifa Haftar assumindo o controle da Líbia – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Além disso, o roteiro designa o conselho da presidência de três membros coletivamente como Comandante Supremo do exército líbio. O artigo segundo do documento, conhecido como Prerrogativas do Conselho da Presidência, afirma que o conselho tem autoridade para nomear o comandante geral do exército e todos os seus subordinados, incluindo o chefe do Estado-Maior e oficiais de alto escalão. Em tese, isso significa que Haftar é agora um subordinado ao conselho da presidência, apesar de o novo conselho nunca o ter nomeado, mas sim já o ter encontrado no cargo.

Seu aliado, o governo do leste da Líbia, foi dissolvido pacificamente para dar lugar ao GNU. No entanto, o parlamento ainda reconhece Haftar como seu chefe militar do LNA – um cargo criado especificamente para ele há sete anos. Ao mesmo tempo, o general Haftar não tem deputados nem uma estrutura hierárquica clara. Ele atribuiu mais poder a seus dois filhos, Khalid e Saddam, irritando seus apoiadores em Benghazi, sua base de poder, efora de lá.

O papel e a posição do general Haftar foram razões pelas quais o Acordo Político da Líbia, assinado em Marrocos em dezembro de 2015, fracassou. Não o reconheceu como o comandante-chefe legítimo do exército.

LEIA: Haftar promete ‘restaurar o prestígio da Líbia’

Em suas tentativas de contornar o general Haftar, o primeiro-ministro Abdul Hamid Dbeibeh habilmente não nomeou um ministro da defesa, mas manteve o cargo para si mesmo. Ao fazer isso, ele evitou polêmica e agradou os apoiadores do general no parlamento com o potencial de negar ao GNU o voto de confiança que recebeu em 10 de março. Desse modo, Dbeibeh está tentando ganhar tempo extra para, talvez, manobrar o velho general sem lutar.

Para o general manter seu exército e base de poder, ele precisa de dinheiro e armas, muitos dos quais vêm de seus patrocinadores estrangeiros, incluindo Cairo, Moscou e Abu Dhabi. Cortar esse suporte é uma etapa essencial para enfraquecer o general.

É por isso que Dbeibeh visitou Abu Dhabi em 7 de abril, antes de seguir para Moscou uma semana depois. Em ambas as visitas, Dbeibeh discutiu contratos econômicos e de reconstrução em troca do corte da ajuda para Haftar. Dbeibeh quer a ajuda de Moscou para remover mercenários russos da Líbia.

Em 20 de abril, o primeiro-ministro egípcio, Mostafa Madbouly, chegou a Trípoli para reuniões e memorandos de entendimento em diferentes áreas. Trípoli quer dar ao Cairo um incentivo econômico mais forte para cortar o apoio de Haftar. O cenário ideal é que Cairo pare de ajudar Haftar e o convença a aceitar o que está sendo oferecido – eleições livres e justas até o final do ano.

Dbeibeh enviou uma mensagem diferente ao general Haftar, visitando Ancara e reiterando seu apoio aos acordos de segurança e marítimos de 2019 – ambos criticados por Haftar. Claramente, Dbeibeh deseja transmitir a Haftar a mensagem de que o GNU tem amigos estrangeiros que também estão prontos para ajudar. Foram os mercenários sírios de Ancara e as tropas regulares que ajudaram a derrotar Haftar em junho passado, e Ancara faria isso novamente se necessário.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoLíbiaOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments