Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A negociação é a única solução para conflito no Iêmen, diz enviado da ONU

Enviado especial da ONU ao Iêmen, Martin Griffiths, na Suécia, em 13 de dezembro de 2018 [Jonathan Nackstrand/AFP/Getty Images]
Enviado especial da ONU ao Iêmen, Martin Griffiths, na Suécia, em 13 de dezembro de 2018 [Jonathan Nackstrand/AFP/Getty Images]

A única solução para acabar com a guerra no Iêmen é através de negociações e as partes em conflito devem aproveitar esta oportunidade, disse em Berlim o enviado especial da ONU para o Iêmen na segunda-feira.

“Todos concordamos que a única solução para acabar com esta tragédia é através de um acordo político negociado que atenda às aspirações das mulheres e dos homens do Iêmen”, disse Martin Griffiths em um comunicado à imprensa.

“Acredito que este é um momento de decisões. Este é um momento para uma liderança responsável. Finalmente reitero meu chamado às partes para aproveitarem a oportunidade que existe agora e negociarem de boa fé sem condições prévias…”, acrescentou ele.

Griffiths apontou que o processo de negociação diplomática do Iêmen chegara a um “momento crítico”.

O diplomata da ONU disse que as necessidades humanitárias do Iêmen deveriam ser priorizadas.

LEIA: Separatistas do Sul do Iêmen criam economia própria em Aden

“Acredito que devemos abordar primeiro as necessidades humanitárias críticas e criar confiança entre as partes”.

“Esperamos juntos que um acordo sobre todas essas medidas humanitárias crie um ambiente propício para que as partes entrem rapidamente em negociações de paz inclusivas, sob os auspícios da ONU, para pôr fim ao conflito de forma sustentável e abrangente”, acrescentou ele.

Griffiths reuniu-se com o Ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, e com o enviado especial dos EUA para o Iêmen, Timothy Lenderking, em Berlim, no início do dia, para falar sobre os esforços da ONU em prol de um cessar-fogo a nível nacional.

As conversas também se concentraram em medidas de construção de confiança entre as partes em conflito e um retorno ao processo político.

Após a reunião com o chanceler alemão, os dois enviados especiais foram agendados para participar de uma reunião virtual de altos funcionários do governo no chamado formato P5 mais 4 (cinco poderes de veto da ONU mais a Alemanha, a Suécia, o Kuwait e a UE).

O Iêmen sofre com a violência e o caos desde 2014, quando os rebeldes Houthi invadiram grande parte do país, incluindo a capital Sanaa. A crise se agravou em 2015 quando a coalizão liderada pela Arábia Saudita lançou uma campanha aérea devastadora com o objetivo de reverter os ganhos territoriais do Houthi.

Segundo estimativas da ONU, o conflito no Iêmen já custou até agora a vida de pelo menos 233 mil pessoas, com mais milhões enfrentando a fome e precisando de assistência humanitária.

LEIA: Houthis do Iêmen assumem ataque a instalações da empresa saudita Aramco

Categorias
IêmenNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Show Comments