Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Atual líder do Daesh era um informante ‘ansioso’ para os militares dos EUA

Membros das forças especiais da coalizão apoiada pelos EUA contra o Daesh, na Síria, em 14 de fevereiro de 2019. [AFP/Getty Images]
Membros das forças especiais da coalizão apoiada pelos EUA contra o Daesh, na Síria, em 14 de fevereiro de 2019. [AFP/Getty Images]

O atual líder do grupo terrorista Daesh era um informante “ansioso” das Forças Armadas dos EUA no Iraque, mostraram novos registros divulgados esta semana.

Abu Ibrahim Al-Hashimi Al-Qurashi substituiu Abu Bakr aAl-Baghdadi, que foi morto durante uma operação dos EUA na província de Idlib, na Síria, em 2019.

Autoridades dos EUA abriram uma rara janela para os primeiros dias do chefe terrorista como militante com a liberação, nesta semana, de dezenas de relatórios de interrogatórios anteriormente confidenciais de seus meses em um campo de detenção americano no Iraque. Detalhes de Al-Qurashi, cujo nome verdadeiro é Amir Muhammad Sa’id Abdal-Rahman Al-Mawla, eram conhecidos pelo Departamento de Defesa dos EUA, porque ele estava sob custódia americana desde janeiro de 2008. Mas os registros recém-divulgados mostram que ele era tão inestimável para os EUA, tanto quanto ele era um informante voluntário.

LEIA: Grupos do Iraque ameaçam atacar as forças dos EUA se não houver data de retirada

O retrato de Al-Mawla que emerge, de acordo com detalhes dos documentos recém-divulgados publicados no Washington Post, é o de alguém que está ansioso para ajudar os americanos, um delator da prisão que ofereceu às forças dos EUA inúmeros detalhes inestimáveis que os ajudaram a combater a organização terrorista.

“O detido parece cooperar mais com cada sessão”, diz um relatório de 2008 sobre Al-Mawla. “O detido está fornecendo muitas informações sobre os associados do ISI”, disse outro referindo-se ao Daesh com um nome diferente.

A profundidade da cooperação foi explicada em 53 relatórios parcialmente editados de Al-Mawla trabalhando com as forças americanas, incluindo assistência com esboços de artistas dos principais suspeitos de terrorismo e identificação de restaurantes e cafés onde seus antigos camaradas preferiam jantar.

“Ele fez uma série de coisas para salvar o próprio pescoço e tinha um longo histórico de hostilidade – incluindo durante interrogatórios – para com estrangeiros no ISIS”, disse Christopher Maier, secretário assistente de defesa para operações especiais e conflitos de baixa intensidade, que discutiu em uma entrevista os registros divulgados pelo Centro de Combate ao Terrorismo em West Point, uma instituição acadêmica financiada pelo Pentágono na Academia Militar dos Estados Unidos.

Os registros, que foram divulgados como parte de um estudo acadêmico, ajudaram as autoridades americanas a preencher lacunas na biografia de Al-Mawla, que era um funcionário relativamente obscuro no Daesh quando foi nomeado “califa”.

Al-Mawla foi capturado no final de 2007 ou início de 2008 e foi submetido a dezenas de interrogatórios por oficiais militares dos EUA. A data exata de sua libertação não é conhecida, mas o registro do interrogatório termina em julho de 2008, disse o Post.

LEIA: Coalizão diz que a luta contra o Daesh continuará

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIraqueNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments