Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A guerra clandestina da França no Mali

Cerimônia de batismo de cadetes promovidos a oficiais da Air School. Eles desfilam com uso de máscaras, tento ao fundo um jato de combate Dassault Mirage 2000C da força aérea francesa durante sua no pátio da base aérea de Salon-de-Provence. Eem 24 de julho de 2020. [Clement Mahoudeau/ AFP via Getty Images]
Cerimônia de batismo de cadetes promovidos a oficiais da Air School. Eles desfilam com uso de máscaras, tento ao fundo um jato de combate Dassault Mirage 2000C da força aérea francesa durante sua no pátio da base aérea de Salon-de-Provence. Eem 24 de julho de 2020. [Clement Mahoudeau/ AFP via Getty Images]

Em um relatório recente, a Missão da ONU em Mali (MINUSMA) concluiu que aviões de guerra franceses haviam atingido uma multidão em um casamento, em 3 de janeiro, na remota vila de Bounti, matando 22 convidados. De acordo com as descobertas baseadas em uma investigação minuciosa e entrevistas com centenas de testemunhas oculares, 19 dos convidados eram civis desarmados cujo assassinato constitui um crime de guerra.

Ao contrário da invasão do Iraque pelos Estados Unidos em 2003, as guerras no Afeganistão, Síria, Líbia e outros países, a guerra da França no Mali recebe pouca cobertura fora do escopo limitado da mídia de língua francesa, que teve sucesso em classificá-la como uma guerra contra os militantes islâmicos.

O que é interessante sobre a história do Mali é o fato de que, apesar de sua centralidade para a geopolítica da região do Sahel na África, ela é enquadrada em narrativas desconexas que raramente se sobrepõem. No entanto, a história tem menos a ver com militância islâmica e muito a ver com intervenções estrangeiras. O sentimento anti-francês no Mali remonta a mais de um século quando, em 1892, a França colonizou o outrora próspero reino africano, explorando seus recursos e reordenando seus territórios como uma forma de enfraquecer sua população e quebrar suas estruturas sociais.

O fim formal do colonialismo francês no Mali chegou em 1960. Pode ter encerrado o capítulo, mas definitivamente não foi o fim da história em si. Os franceses mantiveram presença no Mali, no Sahel e em toda a África, defendendo os seus interesses, explorando os amplos recursos e trabalhando em conjunto com as elites corruptas para manter o seu domínio.

LEIA: Macron, Sisi e a luta por direitos humanos no mundo árabe

Avancemos para março de 2012, quando o capitão Amadou Sanogo derrubou o governo nominalmente democrático de Amadou Toumani Touré. Ele usou a desculpa esfarrapada de protestar contra o fracasso do governo de Bamako em conter os militantes do Movimento Nacional pela Libertação de Azawad (MNLA) no norte.

A pretensão de Sanogo foi bastante inteligente, pois se encaixou perfeitamente em uma grande narrativa desenhada por vários governos ocidentais, entre eles a França e, quase inevitavelmente, os Estados Unidos. Todos viam a militância islâmica como o maior perigo enfrentado por muitas partes da África, especialmente no Sahel.

Curiosamente, embora não surpreendentemente, o golpe de Sanogo pode ter irritado os governos africanos, mas foi acomodado pelas potências ocidentais, e isso tornou as coisas muito piores. Nos meses seguintes, militantes conseguiram tomar grande parte das empobrecidas regiões do norte, continuando sua marcha em direção à própria Bamako.

O golpe militar no Mali nunca foi realmente revertido, mas, a pedido da França e de outros governos influentes, foi simplesmente simplificado em um governo de transição, ainda amplamente influenciado pelos partidários de Sanogo.

A ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, se dirige à mídia após conversas com o presidente do Mali, Bah Ndaw, no Palácio Presidencial em Bamako, Mali, em 1º de abril de 2021. [Annie Risemberg/ AFP via Getty Images]

A ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, se dirige à mídia após conversas com o presidente do Mali, Bah Ndaw, no Palácio Presidencial em Bamako, Mali, em 1º de abril de 2021. [Annie Risemberg/ AFP via Getty Images]

Em 20 de dezembro de 2012, o Conselho de Segurança da ONU aprovou a Resolução 2085, que autorizou o envio da Missão de Apoio Internacional liderada por africanos ao Mali. Armada com o que se entendia ser um mandato da ONU, a França lançou sua guerra no Mali: a Operação Serval. O cenário do Mali replicou o que acabara de acontecer na Líbia quando, em 17 de março de 2011, o Conselho de Segurança aprovou a Resolução 1973, que foi conveniente e imediatamente traduzida em uma declaração de guerra de potências internacionais.

Ambos os cenários foram caros para os dois países africanos. Em vez de “salvá-los”, as intervenções permitiram que a violência aumentasse ainda mais, levando a ainda mais intervenções estrangeiras e guerras por procuração.

A França declarou em 15 de julho de 2014 que a Operação Serval foi realizada com sucesso e forneceu sua própria lista de vítimas em ambos os lados. Havia muito pouco monitoramento internacional. No entanto, menos de um mês depois, em 1º de agosto, declarou outra missão militar, desta vez uma guerra sem fim: a Operação Barkhane.

Esta guerra foi encabeçada pela França e sua própria “coalizão de vontades”, apelidada de “G5 Sahel”. Todas as ex-colônias francesas, a nova coalizão consistia em Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger. O objetivo declarado da intervenção indefinida da França no Sahel é fornecer apoio material e treinamento às forças do “G5 Sahel” em sua “guerra ao terror”.

No entanto, de acordo com o site Deutsche Welle, o “otimismo” que acompanhou a Operação Serval desapareceu completamente com seu sucessor. “A situação de segurança piorou, não apenas [no] norte, mas [no] centro de Mali também”, informou a agência de notícias alemã recentemente, transmitindo uma sensação de caos, com agricultores fugindo de suas terras e com “milícias de autodefesa “realizando suas próprias operações para satisfazer” suas próprias agendas “.

LEIA: Macron adverte Turquia contra intromissão nas eleições da França

Na verdade, o caos nas ruas apenas refletia o caos no governo. Mesmo com uma forte presença militar francesa, a instabilidade continuou a atormentar o Mali. O último golpe no país ocorreu em agosto do ano passado. Pior ainda, as várias forças tuaregues, que há muito desafiam a exploração estrangeira do país, estão agora se unindo sob uma única bandeira. O futuro do Mali dificilmente parece promissor.

Então, qual foi o objetivo da intervenção francesa? Certamente não para “restaurar a democracia” ou “estabilizar” o país. “Os interesses da França na região são principalmente econômicos”, escreveu Karen Jayes em um artigo recente. “[Suas] ações militares protegem o acesso [francês] ao petróleo e ao urânio na região.”

Para avaliar esta afirmação de forma mais completa, basta um único exemplo de como a riqueza de recursos naturais do Mali é fundamental para a economia francesa. “Incríveis 75 por cento da energia elétrica da França é gerada por usinas nucleares que são alimentadas principalmente com urânio extraído na região de fronteira de Mali, Kidal,” apontou Jayes. Portanto, não é surpreendente que a França estivesse pronta para ir à guerra assim que os militantes proclamaram a região Kidal como parte de seu estado-nação independente de Azawad em abril de 2012.

Quanto ao bombardeio do casamento de Bounti, os militares franceses negaram qualquer irregularidade, alegando que todas as vítimas eram “jihadistas”. A história deve terminar aqui, mas não enquanto o Mali for explorado por estranhos e a pobreza e a desigualdade continuarem a existir, levando a insurreições, rebeliões e golpes militares.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEuropa & RússiaFrançaMaliOpinião
Show Comments
Show Comments