Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Macron adverte Turquia contra intromissão nas eleições da França

O presidente francês, Emmanuel Macron, no Palácio do Eliseu, em Paris, França, em 23 de março de 2021. [Julien Mattia/Agência Anadolu]
O presidente francês, Emmanuel Macron, no Palácio do Eliseu, em Paris, França, em 23 de março de 2021. [Julien Mattia/Agência Anadolu]

O presidente francês, Emmanuel Macron, alertou na terça-feira contra a “interferência da Turquia” nas próximas eleições presidenciais francesas em 2022.

Em uma entrevista ao canal de televisão France 5, Macron disse que as tentativas turcas de se intrometer nas próximas eleições presidenciais francesas tomariam a forma de “mentiras” espalhadas pelos meios de comunicação estatais.

“Muito claramente, no outono passado, havia uma política de mentiras. Mentiras do estado, mentiras disseminadas pela mídia controlada pelo estado turco, disseminadas por certos grandes canais controlados pelo Catar”, disse Macron.

Macron afirmou que as ameaças “não foram veladas”, acrescentando: “Acho que temos que ser muito claros. Acho que isso é insuportável”.

As relações entre a Turquia e a França têm sido tensas por uma série de disputas, incluindo Síria, Líbia, Nagorno-Karabakh e o que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, chamou de incitamento crescente de Paris contra o Islã e os muçulmanos.

LEIA: Sem progressos nas propostas para o Líbano, Macron quer nova abordagem

Em outubro, Erdogan pediu um boicote ao bem francês como resultado do ataque ao Islã e aos muçulmanos que “começou com o encorajamento do líder francês”.

Dois meses depois, ele disse: “Macron é um fardo para a França. Macron e a França estão passando por um período muito perigoso, na verdade. Minha esperança é que a França se livre do problema com Macron o mais rápido possível”.

Macron acrescentou na entrevista que notou que o presidente turco quer consertar as relações.

“Tenho observado desde o início do ano um desejo do presidente Erdogan de se engajar novamente. Quero acreditar que esse caminho é possível”, disse ele. No entanto, acrescentou: “Não quero retomar um relacionamento pacífico se essas manobras estão acontecendo”.

Na quarta-feira, o Ministério das Relações Exteriores turco rejeitou as declarações de Macron taxando-as como “inaceitáveis e contrárias à amizade e aliança entre os países”.

“Achamos que essas declarações do Sr. Macron são infelizes e inconsistentes quando estamos tomando medidas para substituir a tensão […] com calma e amizade”, disse o ministério.

LEIA: Turquia promete preparar relatórios anuais sobre o aumento da islamofobia

Categorias
Europa & RússiaFrançaNotíciaTurquia
Show Comments
Show Comments