Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O desvio da revisão do programa de prevenção ao terrorismo mostra a vulnerabilidade dos muçulmanos britânicos

William Shawcross em Londres, Reino Unido, 10 de março de 2011 [Dominic Lipinski/Getty Images]
William Shawcross em Londres, Reino Unido, 10 de março de 2011 [Dominic Lipinski/Getty Images]

Muito se especulou sobre a comunidade muçulmana britânica ao longo dos anos, desde o alegado aumento do extremismo até o estado geral da comunidade dentro da sociedade britânica em geral. Mas, apesar dos muçulmanos no Reino Unido serem vistos como os mais vibrantes e ativos entre seus parentes religiosos em toda a Europa, na última década eles foram alvo do fracassado programa de prevenção contra o terrorismo do governo.

Depois de anos de erros graves, espionagem intracomunitária e vigilância de alvos muçulmanos, os muitos apelos para descartar o programa ou reformá-lo finalmente levaram a uma revisão. Qualquer esperança de justiça objetiva, entretanto, ruiu quando o governo britânico nomeou o ex-presidente da Comissão de Caridade do Reino Unido, William Shawcross, para liderar essa revisão, resultando na condenação de várias ONGs no ano passado.

Shawcross, que também foi membro do conselho da anti-muçulmana Henry Jackson Society (HJS), é conhecido por seus comentários anteriores sobre o Islã na sociedade britânica e na Europa como um todo. Em 2012, ele afirmou que “a Europa e o Islã são um dos maiores e mais terríveis problemas do nosso futuro. Acho que todos os países europeus têm populações islâmicas em rápido crescimento”.

Pessoas seguram uma faixa durante um protesto para exigir o fechamento de Guantánamo no 19º aniversário de sua inauguração no centro da cidade de Bruxelas, Bélgica, em 11 de janeiro de 2021 [Agência Dursun Aydemir / Anadolu]

Durante seu mandato como presidente da Comissão de Caridade, ele também deu início a um aumento significativo nas investigações sobre instituições de caridade muçulmanas, que representaram 38 por cento de todas as investigações realizadas em seu primeiro ano no cargo.

Além disso, ele é conhecido por apoiar a atual detenção de suspeitos de terrorismo internacional na Baía de Guantánamo, enquanto defende o uso de tortura e afirma que é uma “resposta natural” aos riscos de terrorismo.

No mês passado, foi anunciado um boicote contra a revisão do Prevent liderado por Shawcross, do qual mais de 550 organizações e personalidades muçulmanas britânicas são signatárias. “Boicotamos a revisão porque”, afirmaram os signatários, “ela só tratará do fortalecimento da política existente, o que é totalmente inaceitável”.

O boicote condenou o programa Prevent, pois “visa desproporcionalmente as liberdades civis dos muçulmanos britânicos e demoniza a fé islâmica. Prevenir é contraproducente e deixa a liberdade e a segurança prejudicadas e diminuídas para todos os cidadãos e residentes britânicos, não apenas os muçulmanos.”

LEIA: Muçulmanos boicotam política britânica antiterrorismo, após aparelhamento sionista

Shawcross, afirmou o boicote, “tem um histórico de hostilidade ao Islã e aos muçulmanos. Nenhuma revisão séria, objetiva e crítica pode ser realizada por alguém com esse histórico – ao invés, devemos esperar que ele promova o endurecimento das políticas em relação aos muçulmanos. Portanto, se as organizações muçulmanas se envolverem com essa revisão, isso fortalecerá sua legitimidade e seu poder de recomendar políticas mais prejudiciais à comunidade ”.

Uma organização que se absteve de aderir ao boicote à revisão de Shawcross, no entanto, foi o Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha (MCB), que desapontou muitos na comunidade muçulmana britânica que vêem o MCB como mais uma vez decepcionando aqueles que eles deveriam representar .

Em um comunicado no mês passado, a entidade alegou que se absteve de entrar na lista porque atualmente está “finalizando uma abordagem considerada da comunidade para combater e prevenir o terrorismo” que é “baseada em evidências”. O MCB também esclareceu que sua recusa em aderir “não é um endosso ao Shawcross ou suas opiniões, nem é um endosso da Prevent e dos danos bem documentados que infligiu às comunidades muçulmanas”.

Apesar disso,o conselho não impediu as afirmações de alguns de que a organização está tentando apaziguar o governo e seus objetivos, particularmente em meio à desavença entre o MBC e Whitehall que começou em 2009, quando este último cortou seus laços com o primeiro por causa de suas críticas ao ataque de Israel a Gaza.

Quer essas suposições sejam verdadeiras ou não, a relutância do MCB deu a imagem de que a comunidade muçulmana britânica é uma frente quebrada e desunida que não pode nem mesmo se defender da espionagem a seus filhos.

Tal coisa nunca seria vista em organizações que representam o lobby sionista pró-Israel dentro da Grã-Bretanha, mesmo em questões muito mais triviais. A campanha implacável nos últimos anos contra o Partido Trabalhista e seu ex-líder Jeremy Corbyn mostrou isso claramente, com grupos como o Conselho de Deputados dos Judeus Britânicos e o Conselho de Liderança Judaica conduzindo essa campanha.

Esses esforços impiedosos para refrear qualquer crítica a Israel ou direcionamento geral aos judeus ao longo dos anos – sejam verdadeiramente antissemitas ou não – apresentaram uma frente forte e unida da comunidade judaica britânica, mesmo que não representem totalmente judeus britânicos como um todo.

Além disso, as organizações que lideraram as acusações apoiam e são afiliadas a Tel Aviv, dando-lhes o apoio de um estado que é conhecido por ter como missão proteger as comunidades judaicas em todo o mundo por quaisquer meios. As organizações muçulmanas de base não têm o poder de um Estado para apoiá-las e geralmente lutam para se manterem à tona e não serem dissolvidas por meio de acusações de afiliação a grupos terroristas.

Financiando assentamentos – charge [Sarwar Ahmed/Monitor do Oriente Médio]

Ironicamente, o próprio Shawcross tem laços extensos com o Estado de Israel, sendo um membro fundador da Iniciativa Amigos de Israel e tendo entrevistado exclusivamente o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em 2018. Ele também fez parte do grupo que ajudou a resgatar o jornal Jewish Chronicle no ano passado, salvando-o da liquidação após uma disputa de liderança e o impacto da pandemia do coronavírus.

A comunidade muçulmana britânica e suas organizações da sociedade civil permanecem desunidas e em grande parte frágeis diante da pressão do governo, sem o objetivo comum de reagir aos ataques contra eles e sem o financiamento abundante de estados ou financiadores. Enquanto alguns lobbies podem derrubar os líderes de partidos políticos inteiros e reformular a própria definição de termos, os muçulmanos britânicos – e outras comunidades interessadas – parecem impotentes contra o revisor de um programa que os afeta diretamente.

LEIA: É necessário ser um antissionista para rejeitar o antissemitismo

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments