Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líder da oposição israelense reúne-se com Mansour Abbas para tentar acordo

Yair Lapid, líder da oposição israelense, durante a etapa final da campanha eleitoral do partido Azul e Branco (Kahol Lavan), em Tel Aviv, 15 de setembro de 2019 [Faiz Abu Rmeleh/Agência Anadolu]
Yair Lapid, líder da oposição israelense, durante a etapa final da campanha eleitoral do partido Azul e Branco (Kahol Lavan), em Tel Aviv, 15 de setembro de 2019 [Faiz Abu Rmeleh/Agência Anadolu]

Yair Lapid, líder da oposição israelense, reuniu-se neste domingo (28) com o presidente do partido árabe Ra’am, Mansour Abbas, para debater uma possível coalizão de governo, segundo informações da imprensa local.

Abbas, reportou a rede Ynet News, apresentou suas demandas a Lapid, incluindo: revogação da Lei do Estado-Nação (supremacia judaica do estado), liberdade de voto em projetos legislativos pró-LGBT, congelamento da Lei Kaminitz (demolições e despejos), reconhecimento das aldeias árabes no Negev e combate ao crime nas comunidades árabes em Israel.

Ambos emitiram comunicados breves após a reunião, ao asseverar que concordaram em manter contato.

Após as eleições da última terça-feira (23), o Ra’am emergiu como potencial fazedor de reis.

Tanto o partido Likud, liderado pelo premiê Benjamin Netanyahu, quanto o oposicionista Yesh Atid, de Lapid, carecem de assentos suficientes no Knesset para compor um governo.

A linha dura de direita e extrema-direita pró-Netanyahu, incluindo o líder do partido Sionismo Religioso, Bezalel Smotrich, declarou repúdio a qualquer coligação com parlamentares árabes.

Um representante do Likud também encontrou-se com Abbas, para discutir prospectos de participação do grupo conservador árabe em um novo gabinete do Likud.

Segundo relatos, após diversos adiamentos, Abbas percebeu que filiar-se a um governo israelense de direita pode não ser viável e decidiu reunir-se com Lapid.

LEIA: Netanyahu diz que não permitirá um estado palestino soberano

O Ra’am – ou Lista Árabe Unida – é dissidência da chamada Lista Conjunta, aliança de partidos árabes no parlamento israelense, que conquistou apenas seis assentos, em comparação com o recorde anterior de quinze parlamentares eleitos.

O Likud e seus aliados de direita e extrema-direita obtiveram 59 de 120 assentos disponíveis, resultado inconclusivo para compor o governo. A oposição a Netanyahu conquistou 57 vagas no parlamento. Abbas possui cinco assentos para avançar nas negociações.

Categorias
Eleições israelensesIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments